Bra­sil e Su­lis­tas in­se­pa­rá­veis

Folha de Londrina - - Opinião -

Quan­do vi­e­mos de Mi­nas Ge­rais, em setembro de 1963, lem­bro mui­to bem do meu que­ri­do pai com ma­las nas cos­tas, mi­nha mãe e cin­co fi­lhos pe­que­nos. Na ba­ga­gem, um gran­de sonho e mui­ta dis­po­si­ção pa­ra re­a­li­zá-lo. De­sem­bar­ca­mos no Bair­ro Ca­cho­ei­ri­nha, em Ta­ma­ra­na, na épo­ca Mu­ni­cí­pio de Lon­dri­na, onde mon­ta­mos uma bar­ra­ca com lo­na pre­ta até cons­truir­mos nos­sa casa de ma­dei­ra - ti­ra­da do pró­prio sí­tio pe­la Ser­ra­lhe­ria El­do­ra­do que cor­ta­va os enor­mes pés de pi­nhei­ro e nos de­vol­via cin­quen­ta por cen­to em tá­bu­as ser­ra­das, sem ne­nhum ou­tro cus­to. Fo­mos re­cep­ci­o­na­dos e aju­da­dos pe­los vi­zi­nhos Zé “Ce­a­ren­se”, Ma­né “Per­nam­bu­qui­nho”, os “pau­lis­tas” Plí­nio e João, o Be­ní­cio “Bai­a­no”, o Zé “Ca­pi­xa­ba”, o Arlindo “Ala­go­a­no”, o Li­no “Ita­li­a­no”, o Ané­zio “Por­tu­guês”, o Del­fi­no “Mi­nei­ro”, o João “Pa­raí­ba”, o Celso “Goi­a­no”, etc. To­das essas fa­mí­li­as re­ais e vin­das dos mais di­ver­sos Estados até ho­je pos­su­em raí­zes em Ta­ma­ra­na e Lon­dri­na, onde for­ma­mos uma ver­da­dei­ra gran­de fa­mí­lia: os fi­lhos ca­sa­ram-se en­tre si e se ex­pan­di­ram por es­se Bra­sil afo­ra, for­man­do uma mis­tu­ra que não há co­mo se­pa­rar. Sou mi­nei­ro e pa­ra­na­en­se e, no meu mo­do de ver, não há co­mo se­pa­rar o Sul do restante do Bra­sil, am­bos fa­zem par­te da mes­ma fa­mí­lia, da mes­ma his­tó­ria. Es­ta­mos amar­ra­dos por la­ços de san­gue, de ide­ais, de es­for­ço co­mum, por uma união in­dis­so­lú­vel. O Sul só exis­te gra­ças aos de­mais bra­si­lei­ros que con­tri­buí­ram pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­ta terra que a to­dos aco­lheu sem dis­tin­ção. Não é ho­ra de vi­rar as cos­tas pa­ra o res­to do Bra­sil. Se a si­tu­a­ção política não é fa­vo­rá­vel, de­ve­mos lu­tar pa­ra me­lho­rar nos­sa re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de em Bra­sí­lia pa­ra avan­çar e fa­zer pro­gre­dir o Bra­sil co­mo um to­do, ja­mais cons­truir um país in­de­pen­den­te. Não po­de­mos se­pa­rar o in­se­pa­rá­vel.

(ad­vo­ga­do) – Lon­dri­na

AN­TO­NIO JOÃO DE ME­LO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.