Em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to res­pon­dem por qua­se me­ta­de dos novos em­pre­gos

OCDE de­fi­ne com­pa­nhi­as com es­se per­fil co­mo aque­las que apre­sen­tam in­cre­men­to médio de pelo me­nos 20% ao ano no qua­dro de fun­ci­o­ná­ri­os ou na re­cei­ta por três anos con­se­cu­ti­vos e que te­nham pelo me­nos dez em­pre­ga­dos. Con­cen­tra­das no Su­des­te e Sul, re­pre­sen

Folha de Londrina - - Primeira Página - Ju­li­a­na Gon­çal­ves Es­pe­ci­al pa­ra a FO­LHA eco­no­mia@fo­lha­de­lon­dri­na.com.br

Oca­mi­nho pa­ra que o Bra­sil re­cu­pe­re sua ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir ri­que­zas e ge­rar em­pre­gos pas­sa pe­los em­pre­en­de­do­res. Mas não bas­ta abrir uma em­pre­sa, é pre­ci­so fa­zê-la cres­cer. São as cha­ma­das em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to que têm ti­do mai­or im­pac­to na eco­no­mia bra­si­lei­ra. Ape­sar de re­pre­sen­ta­rem me­nos de 1% das em­pre­sas bra­si­lei­ras e se­rem qua­se sem­pre de pe­que­no por­te, elas são res­pon­sá­veis por 10% do pes­so­al ocu­pa­do as­sa­la­ri­a­do e res­pon­dem por qua­se me­ta­de dos novos em­pre­gos.

Se­gun­do a de­fi­ni­ção da OCDE (Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e o De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co), em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to são aque­las que apre­sen­tam cres­ci­men­to médio de pelo me­nos 20% ao ano, no qua­dro de fun­ci­o­ná­ri­os ou na re­cei­ta, por três anos con­se­cu­ti­vos e que te­nham pelo me­nos 10 pes­so­as as­sa­la­ri­a­das. As em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to com até oi­to anos de ida­de são de­no­mi­na­das em­pre­sas ga­ze­las.

Se­gun­do o De­mo­gra­fia das Em­pre­sas, es­tu­do fei­to pelo IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca) com da­dos do Cem­pre (Ca­das­tro Cen­tral de Em­pre­sas) de 2015, o Bra­sil ti­nha na­que­le ano 25.796 em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to, das quais 10.503 eram ga­ze­las. Ape­sar de, jun­tas, re­pre­sen­ta­rem ape­nas 0,6% das em­pre­sas ativas no país, elas eram res­pon­sá­veis por 10,4% do pes­so­al ocu­pa­do as­sa­la­ri­a­do. “Elas re­pre­sen­tam uma fa­tia mui­to pe­que­na do to­tal de em­pre­sas ativas, mas têm uma par­ti­ci­pa­ção bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­va na ge­ra­ção de em­pre­gos. Es­se é o gran­de di­fe­ren­ci­al das em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to”, ana­li­sa Ka­tia Car­va­lho, res­pon­sá­vel pelo es­tu­do.

O le­van­ta­men­to do IBGE, di­vul­ga­do na se­ma­na pas­sa­da, apon­ta que a mai­or parte das em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to es­tão con­cen­tra­das nas re­giões Su­des­te e Sul e atu­am prin­ci­pal­men­te no co­mér­cio e na in­dús­tria de trans­for­ma­ção. “Es­sa clas­si­fi­ca­ção aca­ba sen­do bas­tan­te am­pla. En­tão, são em­pre­sas que atu­am nas mais di­ver­sas áre­as.”, afir­ma Ka­tia.

Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca das em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to que o le­van­ta­men­to do IBGE mos­trou diz res­pei­to ao ta­ma­nho des­sas em­pre­sas. A mai­or parte de­las, 55,2% tem en­tre 10 e 49 fun­ci­o­ná­ri­os. A par­ti­ci­pa­ção na fai­xa de 50 a 249 fun­ci­o­ná­ri­os é de 36,8%, en­quan­to en­tre as em­pre­sas com 250 ou mais tra­ba­lha­do­res as­sa­la­ri­a­dos foi de ape­nas 8%. Se­gun­do Ka­tia, es­se pa­drão de por­te das em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to as­se­me­lha-se ao ve­ri­fi­ca­do em anos an­te­ri­o­res. No en­tan­to, tem si­do possível ob­ser­var, ao lon­go dos anos, uma ten­dên­cia de re­du­ção da par­ti­ci­pa­ção das em­pre­sas nas fai­xas de 50 a 249 e de 250 ou mais e au­men­to de par­ti­ci­pa­ção na fai­xa de 10 a 49 fun­ci­o­ná­ri­os.

FO­MEN­TO

No ano pas­sa­do, outro es­tu­do realizado pelo IBGE em par­ce­ria com a En­de­a­vor, or­ga­ni­za­ção global de fo­men­to ao em­pre­en­de­do­ris­mo, apon­tou que as em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to são res­pon­sá­veis por 46% dos novos em­pre­gos. “Daí a im­por­tân­cia de pen­sar­mos em po­lí­ti­cas que fo­men­tem es­sas em­pre­sas de cres­ci­men­to ace­le­ra­do. Elas cri­am novos em­pre­gos e au­men­tam a com­pe­ti­ti­vi­da­de na­ci­o­nal por­que ge­ram mais ri­que­zas sem au­men­tar cus­tos”, pon­de­ra o co­or­de­na­dor da En­de­a­vor no Pa­ra­ná, Mar­co Antô­nio Maz­zo­net­to.

Se­gun­do ele, as em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to con­tra­tam, em mé­dia, 100 ve­zes mais que as ou­tras. E os da­dos mos­tram que não é pre­ci­so es­tar nos gran­des cen­tros pa­ra cres­cer de­pres­sa. Se­gun­do Maz­zo­net­to, 60% das em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to es­tão em ci­da­des com me­nos de 500 mil ha­bi­tan­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.