No­vo IPTU ge­ra di­le­ma pa­ra do­nos de ter­re­nos e va­zi­os ur­ba­nos

Áre­as que es­tão em re­giões trans­for­ma­das em ur­ba­nas após 2001, qu­an­do foi fei­ta a úl­ti­ma atu­a­li­za­ção, te­rão re­a­jus­tes do im­pos­to que po­dem ul­tra­pas­sar R$ 10 mil, o que po­de­rá fa­zer com que pro­pri­e­tá­ri­os re­pen­sem es­tra­té­gia de es­pe­rar va­lo­ri­za­ção. Se­cre­tár

Folha de Londrina - - Primeira Página - Fá­bio Ga­li­ot­to Re­por­ta­gem Lo­cal

Are­vi­são da PGV (Plan­ta Ge­né­ri­ca de Va­lo­res) cau­sa­rá au­men­to de IPTU (Im­pos­to Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no) em 98% dos 260.245 imó­veis tri­bu­tá­veis em Lon­dri­na, o que fa­rá com que o mer­ca­do imo­bi­liá­rio pas­se por ajus­tes em um pri­mei­ro mo­men­to. Ter­re­nos ou va­zi­os ur­ba­nos que es­tão em re­giões trans­for­ma­das em ur­ba­nas após 2001, qu­an­do foi fei­ta a úl­ti­ma atu­a­li­za­ção do ti­po, te­rão re­a­jus­tes que po­dem ul­tra­pas­sar R$ 10 mil, o que fa­rá com que in­ves­ti­do­res ou es­pe­cu­la­do­res te­nham de re­pen­sar se va­le a pe­na dei­xar a área parada à es­pe­ra de va­lo­ri­za­ção.

Pa­ra a Pre­fei­tu­ra, a mu­dan­ça sig­ni­fi­ca­rá uma ar­re­ca­da­ção com o IPTU que pas­sa­rá de R$ 190 mi­lhões es­ti­ma­dos em 2017 pa­ra R$ 300 mi­lhões no ano que vem. Po­rém, o se­cre­tá­rio da Fa­zen­da e Pla­ne­ja­men­to de Lon­dri­na, Ed­son de Sou­za, apon­ta um re­fle­xo so­ci­al im­por­tan­te por in­cen- ti­var a uti­li­za­ção de áre­as va­zi­as na zo­na urbana, que ti­nham tri­bu­ta­ção bem abai­xo do va­lor re­al de mer­ca­do, o que di­mi­nui a ne­ces­si­da­de de ex­pan­são so­bre a zo­na ru­ral pa­ra abrir no­vos bair­ros e os gas­tos com in­fra­es­tru­tu­ra, por exem­plo.

Na pro­pos­ta ori­gi­nal do Exe­cu­ti­vo, o IPTU de 2018 re­pre­sen­ta­ria 0,85% do va­lor ve­nal do imó­vel. Nes­se ce­ná­rio, 1,5% dos imó­veis te­ri­am au­men­to aci­ma de R$ 5 mil. Após au­di­ên­ci­as pú­bli­cas, o ín­di­ce foi acor­da­do e apro­va­do na Câ­ma­ra no fim do mês pas­sa­do fi­cou em 0,65%, mas, mes­mo as­sim, de­ve re­pre­sen­tar uma di­fe­ren­ça gran­de pa­ra pro­pri­e­tá­ri­os de áre­as que pa­ga­vam ITR (Im­pos­to Ter­ri­to­ri­al Ru­ral) até 2001 e pas­sa­ram a ter áre­as com va­lor ín­fi­mo de IPTU após a trans­for­ma­ção em zo­na urbana. E, ca­so a área es­te­ja va­zia, o ín­di­ce se­rá de 1,8% do va­lor ve­nal. “Te­mos ca­sos de pes­so­as que pa­ga­vam R$ 100 por me­tro qua­dra­do na Gle­ba Pa­lha­no e pas­sa­rão a pa­gar mais de R$ 1 mil”, diz o vi­ce-pre­si­den­te do Cre­ci-PR (Con­se­lho Re­gi­o­nal de Cor­re­to­res de Imó­veis do Pa­ra­ná), Ro­sal­mir Mo­rei­ra.

Ele con­si­de­ra que a re­vi­são da PGV era ne­ces­sá­ria, mas que se­rá um ba­que pa­ra al­gu­mas pes­so­as que com­pra­ram ter­re­nos pa­ra in­ves­tir ou que re­ce­be­ram gran­des áre­as co­mo he­ran­ça. “Em­bo­ra es­te­ja­mos em um mo­men­to com­pli­ca­do da eco­no­mia, que tem gran­des ter­re­nos e não tem co­mo pa­gar a di­fe­ren­ça de im­pos­to te­rá de dar uma ou­tra des­ti­na­ção”, ci­ta Mo­rei­ra.

Pa­ra o pre­si­den­te do Sin­cil (Sin­di­ca­to dos Cor­re­to­res de Imó­veis de Lon­dri­na), Mar­co An­to­nio Ba­ca­rin, é di­fí­cil pre­ver se ha­ve­rá mai­or ofer­ta e me­nor pre­ço de ter­re­nos na ci­da­de. “Mas, em um pri­mei­ro mo­men­to, qu­em ti­nha imó­vel so­men­te pa­ra es­pe­cu­lar te­rá de re­fa­zer umas con­tas”, diz. “Já vi­mos uma mo­vi­men­ta­ção des­de o mês pas­sa­do pa­ra o lan­ça­men­to de no­vos lo­te­a­men­tos no iní­cio do pró­xi­mo ano”, com­ple­ta.

O pro­ble­ma é que o mo­men­to econô­mi­co do País im­pe­de gran­des in­ves­ti­men­tos. Ba­ca­rin afir­ma que Lon­dri­na con­ta com bom nú­me­ro de imó­veis pron­tos pa­ra se­rem ocu­pa­dos e que não é por­que o IPTU au­men­tou que as pes­so­as vão cons­truir ou ven­der. “Qu­em guar­da­va um ter­re­no pa­ra cons­truir no fu­tu­ro e dei­xou o pla­no de la­do pe­la cri­se não vai mu­dar de ideia por­que o mer­ca­do não es­tá fa­vo­rá­vel.”

Em­pe­ci­lho que tam­bém faz com que o pre­si­den­te do Sin­dus­con-Nor­te (Sin­di­ca­to da In­dús­tria da Cons­tru­ção Ci­vil do Nor­te do Pa­ra­ná), Ro­dri­go Za­ca­ria, te­nha dú­vi­das so­bre o ta­ma­nho do re­fle­xo no mer­ca­do. “Com im­pos­to mais al­to, te­re­mos os que vão cons­truir um es­ta­ci­o­na­men­to, cons­truir um imó­vel me­nor ou ven­der”, diz. A di­fe­ren­ça es­ta­rá nos que vão pre­ci­sar de di­nhei­ro lo­go. “Qu­em tem pres­sa pa­ra ven­der pre­ci­sa bai­xar o pre­ço, mas is­so é em qual­quer mer­ca­do.”

Za­ca­ria con­si­de­ra que o se­tor da cons­tru­ção já ini­ci­ou uma re­cu­pe­ra­ção, de for­ma len­ta e cons­tan­te. Ele ci­ta que as cons­tru­to­ras e in­cor­po­ra­do­ras tra­ba­lham com es­to­ques de ter­re­nos pa­ra mais de dez anos, que não fi­cam pa­ra­dos por­que sig­ni­fi­ca­ri­am per­da de re­cei­ta. “Tu­do vai de­pen­der da re­gião on­de es­ses ter­re­nos es­ti­ve­rem. Na Gle­ba Pa­lha­no e na zo­na nor­te, te­re­mos mui­tos que sen­ti­rão es­sa mu­dan­ça.”

Sér­gio Ra­nal­li/06-08-2015

Cons­tru­ção ci­vil e mer­ca­do imo­bi­liá­rio já sen­tem re­fle­xos da mu­dan­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.