SÓ PA­RA ELAS

Aten­der ex­clu­si­va­men­te mu­lhe­res é um bom ni­cho de mer­ca­do pa­ra em­pre­sas e pro­fis­si­o­nais li­be­rais

Folha de Londrina - - Primeira Página - Éri­ka Gon­çal­ves Re­por­ta­gem Lo­cal

Em­bo­ra de­mons­tre o quan­to a so­ci­e­da­de ain­da pre­ci­sa evo­luir, o ni­cho de ser­vi­ços pres­ta­dos por mu­lhe­res ex­clu­si­va­men­te pa­ra mu­lhe­res, cri­a­do pe­lo me­do de as­sé­dio, cres­ce e se di­ver­si­fi­ca. Marly Oli­vei­ra, que faz to­do ti­po de re­pa­ros e ins­ta­la­ções, afir­ma que sua cli­en­te­la é pre­do­mi­nan­te­men­te fe­mi­ni­na

Ome­do de as­sé­dio faz com que mui­tas mu­lhe­res aca­bem re­cor­ren­do a ou­tras mu­lhe­res qu­an­do pre­ci­sam de de­ter­mi­na­dos ti­pos de ser­vi­ço, co­mo pe­que­nos re­pa­ros do­més­ti­cos, trans­por­te e cui­da­dos pes­so­ais. Se por um la­do is­so é ruim por de­mons­trar o quan­to a so­ci­e­da­de ain­da pre­ci­sa evo­luir, por ou­tro abriu di­ver­sas fon­tes de tra­ba­lho pa­ra as mu­lhe­res, in­clu­si­ve em áre­as tra­di­ci­o­nal­men­te mas­cu­li­nas.

A “faz-tu­do” Marly Oli­vei- ra, de Cam­bé, diz que tem cli­en­tes ho­mens, mas 80% dos seus ser­vi­ços são fei­tos pa­ra mu­lhe­res. Ela di­vi­de sua ro­ti­na en­tre os ser­vi­ços autô­no­mos e o em­pre­go em um edi­fí­cio co­mer­ci­al, on­de é res­pon­sá­vel, en­tre ou­tras coi­sas, pe­la ma­nu­ten­ção.

“Tem mu­lhe­res que mo­ram so­zi­nhas e se sen­tem mais con­fi­an­tes em re­ce­ber ou­tra mu­lher em ca­sa. Ou­tras tra­ba­lham o dia to­do e ape­nas os fi­lhos es­ta­rão em ca­sa na ho­ra que eu vou. E já te­ve ca­sos em que o ma­ri­do pre­fe­re o meu ser­vi­ço ao de ou­tro ho­mem por­que a es­po­sa es­ta­rá so­zi­nha. Mui­tas tam­bém di­zem que é por­que mu­lher é mais or­ga­ni­za­da e de­ta­lhis­ta”, jus­ti­fi­ca.

Ela con­ta que faz des­de a par­te elé­tri­ca e hi­dráu­li­ca até pin­tu­ra, re­pa­ros em pe­que­nos ele­tro­do­més­ti­cos, por­tas de ar­má­rio, ins­ta­la an­te­nas e ven­ti­la­do­res de te­to, en­tre ou­tros. Apren­den­do de for­ma au­to­di­da­ta, ela afir­ma ter fei­to ape­nas um cur­so pa­ra mon­ta­gem e ma­nu­ten­ção de com­pu­ta­do­res. “Mi­nha mãe fa­la que des­de pe­que­na eu gos­ta­va de mon­tar e des­mon­tar as coi­sas. Fui ob­ser­van­do as pes­so­as fa­zen­do as coi­sas e apren­den­do. Meu pri­mei­ro ser­vi­ço foi qu­an­do que­brou uma por­ta ele­trô­ni­ca no pré­dio on­de tra­ba­lho. Eu olhei uma por­ta que es­ta­va fun­ci­o­nan­do, ob­ser­vei o que ti­nha que­bra­do – era ape­nas uma mo­la e fiz o con­ser­to. De­pois tro­quei o re­a­tor de uma lu­mi­ná­ria. A par­tir daí fo­ram sur­gin­do ou­tros pe­di­dos e co­me­cei a co­brar pe­lo que fa­zia”, des­cre­ve.

Oli­vei­ra re­co­nhe­ce que o mer­ca­do nes­sa área de atu­a­ção é for­ma­do ba­si­ca­men­te por ho­mens, por is­so é um cam­po de tra­ba­lho pa­ra as mu­lhe­res. “Ou­tro dia fui con­vi­da­da pa­ra um jan­tar em ho­me­na­gem ao dia do ele­tri­cis­ta e era a úni­ca mu­lher. Tem qu­em fi­que cu­ri­o­so ao me ver, per­gun­ta se eu sou a

NI­CHO

O Se­brae não tem da­dos so­bre o nú­me­ro exato de em­pre­sas que aten­dem ex­clu­si­va­men­te mu­lhe­res, mas in­for­ma que elas es­tão em­pre­en­den­do mais. O con­sul­tor do Se­brae em Lon­dri­na Ru­bens Ne­grão apon­ta que o nú­me­ro de em­pre­en­de­do­ras vem cres­cen­do anu­al­men­te, se­gun­do a pes­qui­sa Glo­bal En­tre­pre­neurship Mo­ni­tor (GEM).

“Ou­tro nú­me­ro apon­ta que

“O que pre­ci­sar fa­zer, sen­do ho­nes­to, eu fa­ço: de­sen­tu­pir pri­va­da, su­bir no te­lha­do, eu pre­ci­so tra­ba­lhar”

do­na da em­pre­sa e se es­pan­ta qu­an­do con­to que sou eu qu­em faz to­do o ser­vi­ço. O que pre­ci­sar fa­zer, sen­do ho­nes­to, eu fa­ço: de­sen­tu­pir pri­va­da, su­bir no te­lha­do, eu pre­ci­so tra­ba­lhar”, afir­ma.

as mu­lhe­res es­tão mais ca­pa­ci­ta­das do que os ho­mens, o ní­vel de es­co­la­ri­da­de é mai­or en­tre elas. Pen­san­do por es­se la­do, es­tão es­tu­dan­do mais ou em­pre­en­den­do mais pre­pa­ra­das. O em­pre­en­de­do­ris­mo po­de acon­te­cer por opor­tu­ni­da­de ou por ne­ces­si­da­de e, in­de­pen­den­te­men­te dis­so, elas es­tão mais pre­pa­ra­das edu­ca­ci­o­nal­men­te”, diz.

Ne­grão apon­ta que o aten­di­men­to vol­ta­do às mu­lhe­res é um ni­cho de mer­ca­do e uma ten­dên­cia das em­pre­sas, sen­do uma es­tra­té­gia de di­fe­ren­ci­a­ção do mo­de­lo de ne­gó­ci­os. En­tre­tan­to, es­co­lher um público es­pe­cí­fi­co não é su­fi­ci­en­te, a em­pre­en­de­do­ra pre­ci­sa es­tar pre­pa­ra­da pa­ra que o ne­gó­cio te­nha su­ces­so.

“Pas­sa­mos do ‘ven­der de tu­do pa­ra to­do mun­do’ pa­ra ‘ven­der al­go pa­ra al­guém’. Aten­der ape­nas mu­lhe­res é um ni­cho de mer­ca­do de con­fi­an­ça, de re­la­ci­o­na­men­to, de fa­lar a mes­ma lin­gua­gem do cli­en­te, um ni­cho que tra­ba­lha re­la­ci­o­na­men­to e fi­de­li­za­ção. Se a pro­pos­ta de va­lor é es­sa, es­sas em­pre­sas têm que ado­tar fer­ra­men­tas pa­ra co­nhe­cer mais as cli­en­tes, es­tar com a cli­en­te du­ran­te a vi­da de­la: sa­ber as pre­fe­rên­ci­as de cor, ta­ma­nho, mo­de­lo, frequên­cia com que com­pra, sa­ber se a mu­lher é mais vol­ta­da aos es­tu­dos, ao tra­ba­lho, à fa­mí­lia. Pa­ra is­so po­de usar des­de o tra­di­ci­o­nal ca­der­no até softwa­res. A lon­ge­vi­da­de e o su­ces­so da em­pre­sa vão de­pen­der de quan­to ela co­nhe­ce seu cli­en­te. Quan­to me­lhor co­nhe­cer, mais con­se­gue ajus­tar sua de­ci­são”, en­si­na.

An­der­son Co­e­lho

An­der­son Co­e­lho

“Tem mu­lhe­res que mo­ram so­zi­nhas e se sen­tem mais con­fi­an­tes em re­ce­ber ou­tra mu­lher em ca­sa”, diz a “faz-tu­do” Marly Oli­vei­ra, que aten­de prin­ci­pal­men­te o público fe­mi­ni­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.