Se­te pes­so­as são as­sas­si­na­das por hora no Bra­sil

No Anuá­rio Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, fo­ram con­ta­bi­li­za­das 61.619 mor­tes vi­o­len­tas in­ten­ci­o­nais em 2016, mai­or vo­lu­me ab­so­lu­to já re­gis­tra­do no País. “É co­mo se o Bra­sil so­fres­se um ata­que de bom­ba atô­mi­ca por ano”, com­pa­rou di­re­tor-pre­si­den­te da en

Folha de Londrina - - Primeira Página - Ví­tor Ogawa Re­por­ta­gem Lo­cal Agên­cia Es­ta­do) (Com

OB­ra­sil re­gis­trou 61.619 mor­tes vi­o­len­tas in­ten­ci­o­nais em 2016, o que equi­va­le a se­te pes­so­as as­sas­si­na­das por hora, mai­or vo­lu­me ab­so­lu­to já re­gis­tra­do no País. Fo­ram 171 ca­sos por dia - um cres­ci­men­to de 3,8% em re­la­ção a 2015. A ta­xa foi de 29,9 ho­mi­cí­di­os por 100 mil ha­bi­tan­tes. No Pa­ra­ná, a quan­ti­da­de de as­sas­si­na­tos pas­sou de 2.840 em 2015 (25,4 a ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes) pa­ra 2.914 (25,9) no ano pas­sa­do, um au­men­to de 1,9%. Os da­dos di­vul­ga­dos nes­ta se­gun­da-fei­ra (30) são do 11° Anuá­rio do FBSP (Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca).

“É co­mo se o Bra­sil so­fres­se um ata­que de bom­ba atô­mi­ca por ano. São da­dos im­pres­si­o­nan­tes, que re­for­çam a ne­ces­si­da­de de mu­dan­ças ur­gen­tes na ma­nei­ra co­mo fa­ze­mos po­lí­ti­cas de se­gu­ran­ça pú­bli­ca no Bra­sil. Não é pos­sí­vel acei­tar que a so­ci­e­da­de con­vi­va com es­se ní­vel de vi­o­lên­cia le­tal”, al­fi­ne­tou Re­na­to Sér­gio de Li­ma, di­re­tor-pre­si­den­te do Fó­rum. As mai­o­res ta­xas de ho­mi­cí­di­os do País fo­ram re­gis­tra­das em Ser­gi­pe (64 a ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes), Rio Gran­de do Nor­te (56,9) e Ala­go­as (55,9).

O pes­qui­sa­dor Da­vid Mar­ques, do FBPS, res­sal­ta que o ce­ná­rio do Pa­ra­ná não fo­ge da ló­gi­ca dos ou­tros Es­ta­dos. “Es­se cres­ci­men­to de 1,9% no Es­ta­do po­de in­di­car es­ta­bi­li­da­de de mor­te vi­o­len­ta no Es­ta­do, mas o que cha­ma a atenção é o cres­ci­men­to das ocor­rên­ci­as de la­tro­cí­ni­os”, ob­ser­vou.

O re­la­tó­rio mos­tra que o cri­me de la­tro­cí­nio su­biu 57,8% no País en­tre 2010 e 2016, quando hou­ve 2,5 mil re­gis­tros - se­te ca­sos por dia. So­men­te no ano pas­sa­do fo­ram 111 ví­ti­mas de la­tro­cí­ni­os no Pa­ra­ná em 60 ocor­rên­ci­as re­gis­tra­das. “É pre­ci­so atenção em re­la­ção à po­lí­ti­ca de con­tro­le de ar­mas. O fun­da­men­tal é a re­ti­ra­da de cir­cu­la­ção de ar­mas de fo­go ile­gais”, apon­tou.

Ques­ti­o­na­do se o Pa­ra­ná não te­ria um pa­pel im­por­tan­te nes­se con­tro­le, já que o Es­ta­do é cor­re­dor do con­tra­ban­do e do trá­fi­co de ar­mas, Mar­ques res­sal­tou que a mai­or par­te das ar­mas apre­en­di­das em cri­mes de ho­mi­cí­dio é de fa­bri­ca­ção na­ci­o­nal. “Es­sas ar­mas fo­ram le­gais al­gum dia. Is­so mos­tra que o con­tro­le de ar­mas de­ve ser uma ta­re­fa do­més­ti­ca. O Pa­ra­ná não fo­ge dis­so, com uma di­nâ­mi­ca mais in­ter­na que in­ter­na­ci­o­na­li­za­da”, ar­gu­men­tou.

A pes­qui­sa apon­ta, na vi­são de Mar­ques, que a po­lí­ti­ca de en­fren­ta­men­to os­ten­si­vo não tem da­do re­sul­ta­do na re­du­ção da cri­mi­na­li­da­de. “A gen­te vê que nos úl­ti­mos 20 anos hou­ve hi­per­tro­fia do po­li­ci­a­men­to os­ten­si­vo pra­ti­ca­do pe­la Po­lí­cia Mi­li­tar, que dá uma sen­sa­ção de se­gu­ran­ça pon­tu­al pe­la pre­sen­ça fí­si­ca, mas que pro­vo­ca en­car­ce­ra­men­to mas­si­vo pe­lo qual não há opor­tu­ni­da­des de res­so­ci­a­li­za­ção. A Po­lí­cia Ci­vil não te­ve a mes­ma atenção e en­fren­ta di­fi­cul­da­des gri­tan­tes. Ho­je os in­ves­ti­ga­do­res fi­cam fa­zen­do ati­vi­da­de car­to­rá­ria de re­gis­tro dos cri­mes e ape­nas in­ves­ti­gam os de mais re­per­cus­são. É pre­ci­so in­ves­tir em es­tra­té­gi­as de po­li­ci­a­men­to in­ves­ti­ga­ti­vo que ata­cam or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas, pa­ra que o con­jun­to de cri­mes mais gra­ves se­ja im­pac­ta­do e não o mi­cro­tra­fi­can­te que é pre­so com por­ções pe­que­nas de dro­gas e re­sul­ta na su­per­lo­ta­ção dos pre­sí­di­os”, cri­ti­cou.

A pu­bli­ca­ção in­cluiu pe­la pri­mei­ra vez da­dos so­bre fe­mi­ni­cí­dio, que é o as­sas­si­na­to de mu­lhe­res em con­tex­tos mar­ca­dos pe­la de­si­gual­da­de de gê­ne­ro. Em 2016, 4.657 mu­lhe­res fo­ram as­sas­si­na­das no País, mas so­men­te 533 ca­sos fo­ram clas­si­fi­ca­dos co­mo fe­mi­ni­cí­dio. “Is­so é um in­dí­cio de que há uma di­fi­cul­da­de das au­to­ri­da­des na apli­ca­ção des­sa clas­si­fi­ca­ção em seu pri­mei­ro ano de im­ple­men­ta­ção”, ex­pli­cou Sa­mi­ra Bu­e­no, di­re­to­ra exe­cu­ti­va do FBSP. No Pa­ra­ná, 198 mu­lhe­res mor­re­ram as­sas­si­na­das em 2016. No en­tan­to ape­nas 20 des­sas ocor­rên­ci­as fo­ram clas­si­fi­ca­das co­mo fe­mi­ni­cí­dio.

Se­gun­do ela, o le­van­ta­men­to re­ve­la a ne­ces­si­da­de de me­lho­rar os re­gis­tros, que ain­da es­tão lon­ge do ide­al. Ain­da so­bre vi­o­lên­cia de gê­ne­ro, fo­ram re­gis­ta­dos 49.497 es­tu­pros - em mais de 90% dos ca­sos a ví­ti­ma é mu­lher. Des­se to­tal, 4.164 acon­te­ce­ram no Pa­ra­ná, o que equi­va­le a 8,41% do to­tal re­gis­tra­do no Bra­sil.

O es­tu­do apon­ta ain­da que o in­ves­ti­men­to pú­bli­co em se­gu­ran­ça foi de R$ 81 bi­lhões em 2016, 2,6% a me­nos do que no ano an­te­ri­or. No Pa­ra­ná, o in­ves­ti­men­to foi de R$ 3,8 bi­lhões, o que re­pre­sen­ta um au­men­to de 6,52% em re­la­ção a 2015. “É pre­ci­so um pro­ces­so de trans­for­ma­ção den­tro das po­lí­ti­cas pú­bli­cas de se­gu­ran­ça, com a apro­xi­ma­ção e ar­ti­cu­la­ção das ins­ti­tui­ções exis­ten­tes pa­ra eco­no­mi­zar re­cur­sos. É pre­ci­so um con­tro­le das ar­mas de fo­go e um pro­ces­so de qua­li­fi­ca­ção da in­te­li­gên­cia e da in­ves­ti­ga­ção”, ori­en­tou Mar­ques.

Não é pos­sí­vel acei­tar que a so­ci­e­da­de con­vi­va com es­se ní­vel de vi­o­lên­cia le­tal”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.