Pi­ra­ta até na hor­ta

As­so­ci­a­ção lança cam­pa­nha con­tra uso de se­men­tes in­for­mais de hor­ta­li­ças, que pre­ju­di­ca pa­drão do pro­du­to co­lhi­do e re­duz de­fe­sa di­an­te de do­en­ças e pra­gas

Folha de Londrina - - Economia & Negócios - Fá­bio Ga­li­ot­to Re­por­ta­gem Lo­cal

Pro­ble­ma co­nhe­ci­do na ca­deia de grãos, a pi­ra­ta­ria de se­men­tes vi­rou mo­ti­vo de pre­o­cu­pa­ção tam­bém no mer­ca­do de de hor­ti­frú­ti. O uso da ma­té­ria-pri­ma sal­va pe­lo agri­cul­tor pa­ra re­plan­tio ou pa­ra co­mér­cio clan­des­ti­no, co­nhe­ci­da tam­bém por in­for­mal ou F2, le­va à re­du­ção da pro­du­ti­vi­da­de, ao au­men­to da chan­ce de in­ci­dên­cia de do­en­ças e pra­gas e à co­lhei­ta de pro­du­tos de bai­xa qua­li­da­de, com al­te­ra­ções em ca­rac­te­rís­ti­cas co­mo ta­ma­nho, for­ma­to, sa­bor e tem­po de pra­te­lei­ra.

Por is­so, a ABCSEM (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra do Co­mér­cio de Se­men­tes e Mu­das) lan­çou a Cam­pa­nha Na­ci­o­nal de Com­ba­te à Pi­ra­ta­ria de Se­men­tes de Hor­ta­li­ças, com apoio do Ma­pa (Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to). O ob­je­ti­vo é cons­ci­en­ti­zar to­da a ca­deia so­bre ris­cos e de­ses­tí­mu­lo à pes­qui­sa.

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da ABCSEM, Mar­ce­lo Ro­dri­gues Pa­cot­te, afir­ma que ob­ser­vou au­men­to nos úl­ti­mos anos no uso de se­men­tes F2, prin­ci­pal­men­te no cul­ti­vo de me­lan­ci­as, me­lões e pi­men­tões. “Sa­be­mos que mui­tas ve­zes o pro­du­tor é en­ga­na­do, por­que os ile­gais usam em­ba­la­gens mui­to pa­re­ci­das às ori­gi­nais, mas, de­pois do plan­tio, o re­sul­ta­do são fru­tos sem pa­drão, com al­te­ra­ções de cor, de sa­bor e de ta­ma­nho.”

Ain­da sem da­dos con­so­li­da­dos, Pa­cot­te diz que há es­ta­dos em que as se­men­tes in­for­mais che­ga­ram a 50% da área plan­ta­da de me­lan­cia. “Vai che­gar um mo­men­to em que to­do o tra­ba­lho com pes­qui­sa vai pa­rar e as do­en­ças que es­ta­vam con­tro­la­das em uma re­gião vão vol­tar, por­que as se­men­tes sal­vas não têm a mes­ma efi­cá­cia que as ori­gi­nais.”

O exe­cu­ti­vo con­si­de­ra que é o con­su­mi­dor que le­va a pi­or, por cor­rer o ris­co até de com­prar um pro­du­to com cas­ca oca, o que afe­ta a re­la­ção com o pon­to de ven­da. Por is­so, ci­ta que a cam­pa­nha che­ga­rá aos pon­tos de ven­da. “A re­de va­re­jis­tas e ata­ca­dis­tas mos­tram mui­ta pre­o­cu­pa­ção com a ras­tre­a­bi­li­da­de, se tem no­ta fis­cal, se usou agro­tó­xi­co, mas não apre­sen­tam a mes­ma atenção em re­la­ção ao uso de se­men­tes ori­gi­nais”, diz.

PRO­BLE­MA CRÔNICO

Di­re­tor da Abra­tes (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Tec­no­lo­gia de Se­men­tes) e pes­qui­sa­dor da Em­bra­pa So­ja, Jo­sé de Bar­ros Fran­ça Ne­to diz que a se­men­te sal­va pe­lo pro­du­tor não é ile­gal, ain­da que obe­de­ça re­gras que vi­sam coi­bir o co­mér­cio ile­gal. Po­rém, diz que nas cul­tu­ras mais con­so­li­da­das co­mo a de grãos, há ris­co de per­da de 10% de pro­du­ti­vi­da­de já no plan­tio. “O pro­du­tor per­de em ger­mi­na­ção, na quan­ti­da­de de plan­tas por área e na qua­li­da­de do pro­du­to”, ci­ta. Por ou­tro la­do, lem­bra que as plan­tas de al­to vi­gor têm até 25% de ga­nho na co­lhei­ta. “É fa­zer eco­no­mia com uma ma­té­ria-pri­ma que re­pre­sen­ta me­nos de 10% do cus­to de pro­du­ção.”

O se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo da Abrass (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Pro­du­to­res de Se­men­tes de So­ja), Le­o­nar­do Ma­cha­do, diz que o pro­ble­ma tem au­men­ta­do pe­la sen­sa­ção de im­pu­ni­da­de, pe­lo fal­so en­ten­di­men­to de eco­no­mia no cul­ti­vo, pe­las co­ta­ções mais bai­xas pa­ra al­guns grãos e pe­la de­mo­ra mai­or na li­be­ra­ção de cré­di­to ofi­ci­al. “Quem co­mer­ci­a­li­za pro­du­to pi­ra­ta es­tá su­jei­to a pe­na­li­da­des de até 150% do va­lor que re­ce­be­ria e quem com­pra tam­bém é mul­ta­do”, aler­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.