A agri­cul­tu­ra mun­di­al sob con­tro­le de pou­cos

Folha de Londrina - - Opinião - Wil­son Fran­cis­co Mo­rei­ra WIL­SON FRAN­CIS­CO MO­REI­RA é agen­te pe­ni­ten­ciá­rio e so­ció­lo­go em Lon­dri­na

O agro­ne­gó­cio vi­ve um mo­men­to pre­o­cu­pan­te em ní­vel glo­bal. Es­tá em cur­so du­as co­los­sais fu­sões de me­ga­em­pre­sas do se­tor. No seg­men­to de fer­ti­li­zan­tes, es­tão se unin­do as ca­na­den­ses Agrium e Po­tash. A Po­tash é a mai­or com­pa­nhia mun­di­al de nu­tri­en­tes pa­ra la­vou­ras e a Agrium é a mai­or va­re­jis­ta agrí­co­la da Amé­ri­ca do Nor­te. A fu­são con­tro­la­rá 23% da pro­du­ção, ou se­ja, qua­se um quar­to da pro­du­ção mun­di­al de fer­ti­li­zan­tes. As­sim co­mo a com­pa­nhia de pro­du­tos quí­mi­cos e saúde ale­mã Bayer es­tá se jun­tan­do à gi­gan­te de se­men­tes es­ta­du­ni­den­se Mon­san­to. A ale­mã Bayer tem fo­co na saúde e de­sen­vol­vi­men­to ci­en­tí­fi­co, no en­tan­to, tam­bém de­sen­vol­ve pro­du­tos pa­ra a agri­cul­tu­ra, já a Mon­san­to tem sua atu­a­ção com se­men­tes, in­clu­si­ve é a mai­or de­sen­vol­ve­do­ra de Or­ga­nis­mos Ge­ne­ti­ca­men­te Mo­di­fi­ca­dos do pla­ne­ta. A fu­são da­rá ori­gem à mai­or com­pa­nhia agroquí­mi­ca do pla­ne­ta, do­mi­nan­do um quar­to do mer­ca­do mun­di­al do se­tor.

Es­ta­mos em um mo­men­to im­por­tan­te de de­man­da de pro­du­tos agrí­co­las no mun­do in­tei­ro. Ao mes­mo tem­po em que a pre­o­cu­pa­ção com o meio am­bi­en­te na pro­du­ção de ali­men­tos se tor­na ca­da vez mai­or. A de­man­da por ter­ras agri­cul­tá­veis tem au­men­ta­do em to­do pla­ne­ta. A po­pu­la­ção cres­ce e com ela a ne­ces­si­da­de de pro­du­ção de co­mi­da. Ocor­re que as fu­sões que ora se anun­ci­am co­lo­cam es­tra­te­gi­ca­men­te nas mãos de pou­cos as tec­no­lo­gi­as e o con­tro­le dos pro­ces­sos de pro­du­ção na agri­cul­tu­ra.

Os pro­du­to­res ru­rais de­vem fi­car mui­to pre­o­cu­pa­dos com tais fa­tos, pois is­so afe­ta­rá di­re­ta­men­te to­da a ca­deia de pro­du­ção agrí­co­la, em pre­ços e ofer­ta de pro­du­tos. O oli­go­pó­lio não é um bom ne­gó­cio, so­bre­tu­do no se­tor agrí­co­la, on­de as cer­te­zas são pou­cas. O ide­al se­ria que hou­ves­se vá­ri­as em­pre­sas de fer­ti­li­zan­tes, se­men­tes e in­su­mos, com mul­ti­pli­ci­da­de de ofer­ta e pre­ços aces­sí­veis ao pro­du­tor, in­clu­si­ve os me­no­res. O do­mí­nio da tec­no­lo­gia em pos­se de pou­cos po­de in­vi­a­bi­li­zar pe­que­nos e mé­di­os pro­du­to­res.

No ca­so da fu­são da Bayer com a Mon­san­to é di­fí­cil en­ten­der por que uma com­pa­nhia que in­ves­te em saúde se une a ou­tra que tem tan­tos pro­ble­mas na Jus­ti­ça e é “de­mo­ni­za­da” pe­la pro­du­ção dos trans­gê­ni­cos. Po­de ser pa­ra ga­ran­tir as van­ta­gens tec­no­ló­gi­cas que a co­lo­ca­rão em po­si­ção es­tra­té­gi­ca com a fi­na­li­da­de de lu­crar com a ali­men­ta­ção de 10 bi­lhões de pes­so­as no fim des­te sé­cu­lo. O que es­tá por trás das fu­sões é a po­ten­ci­a­li­za­ção dos lu­cros, as ações das com­pa­nhi­as já co­me­çam a dis­pa­rar. En­tre os ci­en­tis­tas já há um te­mor de res­tri­ções às pes­qui­sas, jus­ta­men­te pe­la au­sên­cia de con­cor­rên­cia no mer­ca­do. Cor­re­mos o ris­co de ver a agri­cul­tu­ra pa­rar em re­la­ção ao de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co.

As fu­sões ain­da não es­tão con­so­li­da­das le­gal­men­te e ain­da pre­ci­sam pas­sar pe­los ór­gãos re­gu­la­do­res, no en­tan­to, as em­pre­sas já con­si­de­ram os pro­ces­sos con­cluí­dos. Es­pe­ra­mos que ha­ja re­al­men­te uma ava­li­a­ção pro­fun­da an­tes da le­ga­li­za­ção des­tas fu­sões. A imen­sa in­dús­tria da ali­men­ta­ção mun­di­al não po­de es­tar pre­sa a mo­no­pó­li­os em­pre­sa­ri­ais e in­dus­tri­ais. A pro­du­ção agrí­co­la, em úl­ti­ma ins­tân­cia é ques­tão de so­bre­vi­vên­cia da hu­ma­ni­da­de. As­sim co­mo a água, (que já se fa­lou em pri­va­ti­zar) não po­de ser mo­no­pó­lio em­pre­sa­ri­al de nin­guém, a agri­cul­tu­ra é um bem da hu­ma­ni­da­de e seu con­tro­le, via tec­no­lo­gi­as ou ou­tro pro­ces­so, não po­de ser pa­trimô­nio de al­guns.

A agri­cul­tu­ra é um bem da hu­ma­ni­da­de e seu con­tro­le, via tec­no­lo­gi­as ou ou­tro pro­ces­so, não po­de ser pa­trimô­nio de al­guns”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.