Pro­va do ves­ti­bu­lar

Folha de Londrina - - Opinião -

Con­cor­do com o que dis­se o lei­tor Afon­so R. Wel­ter (Opi­nião, 03/11), no en­tan­to, não po­de­mos es­que­cer que a ava­li­a­ção edu­ca­ci­o­nal traz em si ob­je­ti­vos es­pe­cí­fi­cos, co­mo clas­si­fi­car, no ca­so da ava­li­a­ção de um ves­ti­bu­lar. De ma­nei­ra ne­nhu­ma faz parte de sua es­sên­cia, des­mo­ti­var, as­sus­tar, en­fim, pro­mo­ver re­sul­ta­dos des­pro­por­ci­o­nais ao es­for­ço re­al­men­te fei­to. Qu­an­do uma ques­tão em ava­li­a­ção es­co­lar, pro­duz um gran­de nú­me­ro de er­ros, é sa­bi­do dos edu­ca­do­res que ela de­ve ser olha­da com aten­ção, ana­li­sa­da e in­clu­si­ve anu­la­da, pois o pro­ble­ma ten­de a es­tar ne­la mes­ma. Por is­so, não po­de­mos cru­zar nos­sos bra­ços di­an­te de uma pro­va de ves­ti­bu­lar co­mo es­sa que ti­ve­mos. As evi­dên­ci­as mostram que há algo de er­ra­do ne­la, algo que não com­bi­na com o ob­je­ti­vo pa­ra o qual uma ava­li­a­ção exis­te. Aliás, to­do o pro­ces­so edu­ca­ti­vo tem co­mo ob­je­ti­vo prin­ci­pal for­mar ci­da­dãos crí­ti­cos, pen­san­tes, que pos­sam mudar po­si­ti­va­men­te o mun­do em que vi­vem. As pro­vas de ves­ti­bu­lar, co­mo parte do pro­ces­so edu­ca­ci­o­nal, tam­bém de­vem pri­mar por es­sa má­xi­ma e tra­tar com mais res­pei­to os nos­sos es­tu­dan­tes. VIVIANE COR­REIA DE SOU­ZA (pro­fes­so­ra) – Lon­dri­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.