Mi­nha no­ta ze­ro

Folha de Londrina - - Geral -

1. Pa­ra a mi­nis­tra dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, re­ce­ber um sa­lá­rio de R$ 33,7 mil é “tra­ba­lho es­cra­vo”.

2. Os che­fões da edu­ca­ção bra­si­lei­ra — uma das piores do mun­do — que­rem dar no­ta ze­ro ao can­di­da­to que “ofen­der os di­rei­tos hu­ma­nos” na re­da­ção do Enem.

Es­sas du­as notícias, com­bi­na­das, me le­vam a al­gu­mas re­fle­xões:

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que a so­lu­ção pa­ra aca­bar com a in­jus­ti­ça sa­la­ri­al no Mi­nis­té­rio dos Di­rei­tos Hu­ma­nos é aca­bar com o Mi­nis­té­rio dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que o mai­or ini­mi­go dos di­rei­tos hu­ma­nos des­de que o ter­mo foi in­ven­ta­do é o to­ta­li­ta­ris­mo, e que den­tre to­dos os to­ta­li­ta­ris­mos o mais assassino é o co­mu­nis­ta, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que as três gran­des for­ças que dis­pu­tam o po­der mundial — glo­ba­lis­mo, co­mu­nis­mo e ca­li­fa­do — re­pre­sen­tam a con­ti­nui­da­de do sis­te­ma es­cra­vo­cra­ta no mun­do con­tem­po­râ­neo, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que os mai­o­res exem­plos de des­res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos em nos­so con­ti­nen­te, na atu­a­li­da­de, são Cu­ba e Ve­ne­zu­e­la, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que a edu­ca­ção bra­si­lei­ra me­re­ce ter por pa­tro­no o sr. Pau­lo Frei­re, uma vez que as es­co­las e uni­ver­si­da­des se trans­for­ma­ram em má­qui­nas de pro­du­ção em mas­sa de anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais e mi­li­tan­tes po­lí­ti­cos, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que a jo­vem Kelly Cris­ti­na Ca­da­mu­ro, de 22 anos, as­sas­si­na­da após pe­gar uma ca­ro­na em um gru­po de WhatsApp, foi ví­ti­ma da ex­tre­ma le­ni­ên­cia da Jus­ti­ça bra­si­lei­ra pa­ra com os ban­di­dos, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que o assassino con­fes­so de Kelly, Jo­nathan Pe­rei­ra do Pra­do, acu­sa­do de co­me­ter se­te ti­pos di­fe­ren­tes de cri­mes (fur­to, rou­bo, es­te­li­o­na­to, ex­tor­são, ame­a­ça, le­são cor­po­ral, apro­pri­a­ção e uso de mo­e­da fal­sa) e fo­ra­gi­do após re­ce­ber o be­ne­fí­cio de uma “sai­di­nha” da ca­deia, não te­ria cometido o cri­me se es­ti­ves­se on­de de­ve­ria es­tar (is­to é, na ca­deia), le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que a po­lí­ti­ca de de­sar­ma­men­to da po­pu­la­ção ci­vil re­ve­lou-se um com­ple­to fra­cas­so, pelo fa­to de que um bra­si­lei­ro é as­sas­si­na­do a ca­da no­ve mi­nu­tos, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que os di­rei­tos hu­ma­nos dos po­li­ci­ais es­tão en­tre os mais des­res­pei­ta­dos em nos­so país, le­va­ria no­ta ze­ro?

Se eu fos­se um can­di­da­to do Enem e es­cre­ves­se que de­fen­der os di­rei­tos hu­ma­nos não de­ve ser con­fun­di­do com de­fen­der os di­rei­tos dos ma­nos, le­va­ria no­ta ze­ro?

Sim, eu le­va­ria no­ta ze­ro. E vo­cê tam­bém. Pois ze­ro é a im­por­tân­cia que as eli­tes po­lí­ti­cas do Bra­sil dão à opi­nião de mor­tais co­muns co­mo eu e vo­cê, ca­ro lei­tor. So­mos ze­ros à es­quer­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.