O po­der do jor­na­lis­mo con­tra as fa­ke news

Folha de Londrina - - Opinião -

As ga­fes se acu­mu­lam e já são co­me­ti­das por di­ver­sas per­so­na­li­da­des, que com­par­ti­lham em su­as mí­di­as so­ci­ais as fa­mo­sas fa­ke news - no­tí­ci­as fan­ta­si­o­sas que en­ga­nam por seu ca­rá­ter de ve­ra­ci­da­de e cons­tru­ção re­a­li­za­da con­for­me pa­drões jor­na­lís­ti­cos - im­pac­tan­do mi­lha­res de pes­so­as. Al­gu­mas des­sas no­tí­ci­as des­to­am por seu as­pec­to ab­sur­do, lis­tan­do fa­tos qua­se im­pos­sí­veis de se­rem re­ais. Ou­tras fan­ta­si­am so­bre o ce­ná­rio atu­al pa­ra cau­sar re­a­ções, se­ja es­tra­nha­men­to e po­ten­ci­al re­vol­ta so­bre o fa­to, ou ain­da co­mo­ção, tris­te­za e em­pa­tia. Em qual­quer uma des­sas for­mas, elas são uma ver­são re­for­mu­la­da da ver­da­de, uma con­tra­ven­ção so­bre o pa­pel do jor­na­lis­mo, que bus­ca, aci­ma de tu­do, re­pre­sen­tar o re­al.

As mí­di­as so­ci­ais vi­ra­li­zam o con­teú­do. Sem fa­zer uma se­gun­da che­ca­gem, os usuá­ri­os aper­tam sem ce­rimô­nia o bo­tão “com­par­ti­lhar”, fa­zen­do com que in­for­ma­ções in­ve­rí­di­cas te­nham o po­der de per­cor­rer Es­ta­dos, paí­ses e con­ti­nen­tes. Num am­bi­en­te no qual o de­ba­te so­bre o que é im­por­tan­te po­de­ria ser am­pli­a­do, ele pas­sa a ser dis­tor­ci­do. Uma ver­são mo­der­na do uso da mí­dia pa­ra vi­gi­ar o meio, se uti­li­zar­mos co­mo ba­se as an­ti­gas te­o­ri­as da co­mu­ni­ca­ção.

Is­so por­que se, no iní­cio da uti­li­za­ção da in­ter­net as fa­ke news que mais cha­ma­vam aten­ção eram as de­ze­nas de la­men­ta­ções so­bre a mor­te de ar­tis­tas que se en­con­tra­vam vi­vos, ho­je, elas têm im­pac­ta­do dis­cus­sões mui­to mais im­por­tan­tes, co­mo acon­te­ceu com as elei­ções dos Es­ta­dos Uni­dos e o Bre­xit (pro­ces­so de saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia).

Em ano de elei­ções no Bra­sil, on­de o ce­ná­rio co­mo­ve o pú­bli­co por seu ine­di­tis­mo, es­pe­ra-se que as fa­ke news se­jam re­cur­sos uti­li­za­dos co­mo mas­sa de ma­no­bra pa­ra con­quis­tar vo­tos e pro­pa­gar opi­niões com ba­ses in­fun­da­das. A pre­vi­são é que si­tes “du­vi­do­sos” pu­bli­quem in­for­ma­ções, que de­pois se­rão dis­tri­buí­das pe­lo Fa­ce­bo­ok, Twit­ter e WhatsApp, co­mo es­tra­té­gia de ma­ni­pu­la­ção pa­ra ser­vir cer­tos in­te­res­ses po­lí­ti­cos e econô­mi­cos. O Se­na­do já se aten­tou a is­so e propôs um pro­je­to de lei que pre­ten­de pu­nir com até três anos de de­ten­ção aque­les que fi­ze­rem a divulgação das fa­ke news. Po­de ser um co­me­ço, mas em um País no qual a im­pu­ni­da­de e a in­jus­ti­ça pa­re­cem par­te de seu DNA, não se sa­be até qual pon­to o pe­ri­go de re­clu­são se­rá uma bar­rei­ra pa­ra es­ses atos. En­tre­tan­to, o que pou­cos lem­bram é que a prá­ti­ca tem um opo­nen­te tão se­me­lhan­te em as­pec­to, mas tão di­fe­ren­te em sua di­nâ­mi­ca: o jor­na­lis­mo de ver­da­de.

Ho­je, tam­bém dis­po­ní­veis em sua mai­o­ria pe­la in­ter­net, os jor­nais e os por­tais no­ti­ci­o­sos são os gran­des com­ba­ten­tes das fa­ke news. Is­so se ini­cia pe­la pró­pria ca­rac­te­rís­ti­ca do ne­gó­cio, que é re­la­tar o que acon­te­ce no mun­do, de for­ma éti­ca e im­par­ci­al. Se an­tes a quan­ti­da­de de fa­tos e te­mas era res­tri­to pe­lo es­pa­ço (quan­do o jor­na­lis­ta vi­via a mer­cê do ta­ma­nho de lau­das pa­ra con­tar as his­tó­ri­as), ago­ra é pos­sí­vel es­cre­ver so­bre pra­ti­ca­men­te tu­do no am­bi­en­te di­gi­tal. Es­sa di­nâ­mi­ca po­de ter al­te­ra­do mui­to a for­ma de no­ti­ci­ar, mas não afe­tou de ma­nei­ra al­gu­ma a es­sên­cia da co­mu­ni­ca­ção, que é tra­zer um apa­nha­do do que acon­te­ce de ver­da­de no mun­do.

Te­o­ri­as da co­mu­ni­ca­ção, for­mas ob­je­ti­vas de co­mu­ni­car, im­por­tân­cia da éti­ca e de mos­trar múl­ti­plas vi­sões so­bre o mes­mo te­ma: du­ran­te o en­si­no su­pe­ri­or, o jor­na­lis­ta é mu­ni­do com in­for­ma­ções pa­ra uma prá­ti­ca que en­ten­da co­mo o seu pa­pel é im­por­tan­te pa­ra a so­ci­e­da­de co­mo um to­do. Além dis­so, ele re­ce­be ins­tru­ções pa­ra en­ten­der co­mo o tra­ba­lho mal re­a­li­za­do po­de ter con­sequên­ci­as ca­tas­tró­fi­cas. Ma­té­ri­as sen­sa­ci­o­na­lis­tas, mal apu­ra­das e ten­den­ci­o­sas são ape­nas al­guns des­ses exem­plos. Nes­se ce­ná­rio, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção pro­fis­si­o­nais des­pon­tam co­mo o re­fú­gio pa­ra vi­su­a­li­zar se o que es­tá cir­cu­lan­do nas mí­di­as so­ci­ais é ver­da­dei­ro. Pau­ta­dos em prin­cí­pi­os co­mo a che­ca­gem das in­for­ma­ções, eles vol­ta­ram a ser re­co­nhe­ci­dos co­mo fon­tes crí­veis pa­ra en­ten­der a re­a­li­da­de. Con­for­me pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­las uni­ver­si­da­des de Darth­mouth, Prin­ce­ton e Exe­ter, ape­sar de um em ca­da qua­tro nor­te-ame­ri­ca­nos te­rem ti­do con­ta­to com al­gu­ma fa­ke news du­ran­te as úl­ti­mas elei­ções pre­si­den­ci­ais, os elei­to­res tam­bém con­ti­nu­a­vam se in­for­man­do com frequên­cia pe­los veí­cu­los de im­pren­sa. Ou se­ja, o jor­na­lis­mo sé­rio pas­sa a re­for­çar seu pa­pel e sua im­por­tân­cia na so­ci­e­da­de co­mo fon­te se­gu­ra pa­ra fi­car a par do que acon­te­ce pe­lo mun­do.

A guer­ra con­tra as fa­ke news ain­da es­tá no co­me­ço, prin­ci­pal­men­te quan­do o ter­mo é uti­li­za­do por mui­ta gen­te quan­do al­go que afron­ta su­as con­vic­ções é pu­bli­ca­do - mes­mo que se­ja ver­da­de. Go­o­gle e Fa­ce­bo­ok já es­tão nes­sa ba­ta­lha, tra­ba­lhan­do com có­di­gos que pe­na­li­zam es­se ti­po de con­teú­do. En­tre­tan­to, o jor­na­lis­mo se­rá uma ar­ma im­pres­cin­dí­vel nes­se pro­ces­so, atu­an­do com res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra que atin­ja seus gran­des ob­je­ti­vos: in­for­mar e le­var seu pú­bli­co a ra­ci­o­nar so­bre os even­tos, cri­an­do su­as pró­pri­as per­cep­ções so­bre a re­a­li­da­de. Ten­do co­mo ba­se um úni­co in­gre­di­en­te: a ver­da­de.

LU­CI­A­NA SÁLVARO é jor­na­lis­ta e as­ses­so­ra de im­pren­sa na Cen­tral Press

O jor­na­lis­mo se­rá uma ar­ma im­pres­cin­dí­vel nes­se pro­ces­so, ten­do co­mo ba­se a ver­da­de’’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.