A dig­ni­da­de do sam­ba

Folha de Londrina - - Mundo -

A es­co­la de sam­ba ca­ri­o­ca, ao tra­tar ale­go­ri­ca­men­te das ma­ze­las do Bra­sil, apon­tou que a crí­ti­ca é uma eta­pa ne­ces­sá­ria pa­ra que di­as me­lho­res sur­jam no ho­ri­zon­te”

No úl­ti­mo do­min­go, a es­co­la de sam­ba Pa­raí­so do Tuiu­ti le­vou pa­ra a Marquês de Sa­pu­caí, no Rio de Ja­nei­ro, uma opor­tu­na ques­tão: “Meu Deus, meu Deus, es­tá ex­tin­ta a es­cra­vi­dão?”. Do pas­sa­do ao pre­sen­te, as­su­min­do que o fu­tu­ro es­tá sem­pre pró­xi­mo e os pro­ble­mas sus­ci­ta­dos pe­lo seu en­re­do es­tão mui­to lon­ge de ces­sar, a Pa­raí­so do Tuiu­ti trou­xe pa­ra o Car­na­val de 2018 um pou­co do que se po­de cha­mar de dig­ni­da­de da po­lí­ti­ca.

A ale­go­ria, co­mo en­si­nou Walter Ben­ja­min, apro­xi­ma a his­tó­ria e sua su­pe­ra­ção, o pro­fa­no no re­al e o sagrado na cons­ta­ta­ção. Em ou­tras pa­la­vras, a es­co­la de sam­ba ca­ri­o­ca, ao tra­tar ale­go­ri­ca­men­te das ma­ze­las do Bra­sil, apon­tou que a crí­ti­ca é uma eta­pa ne­ces­sá­ria pa­ra que di­as me­lho­res sur­jam no ho­ri­zon­te. É nis­to que es­tá o ele­men­to fun­da­men­tal da dig­ni­da­de da po­lí­ti­ca: cul­ti­var va­lo­res e, em no­me de­les, tra­çar as es­tra­té­gi­as de lu­ta, em bus­ca de uma li­ber­da­de que não po­de ser con­di­ci­o­na­da.

Ao tra­tar da vi­da na­ci­o­nal de for­ma co­ra­jo­sa, va­len­do-se da ma­gia de su­as ale­go­ri­as, a Pa­raí­so do Tuiu­ti en­fren­tou os dis­cur­sos he­gemô­ni­cos e de­mo­liu a “pu­bli­ci­da­de ofi­ci­al” com a qual se con­fun­de a li­nha edi­to­ri­al dos veí­cu­los de im­pren­sa do País. Es­sa di­men­são po­lí­ti­ca in­se­pa­rá­vel da con­di­ção hu­ma­na – cu­jas ten­ta­ti­vas de rup­tu­ra pro­vo­cam da­nos ir­re­pa­rá­veis à cons­ci­ên­cia pú­bli­ca dos ci­da­dãos – le­van­tou a au­di­ên­cia e fez to­da a Sa­pu­caí can­tar, sam­bar e vi­brar.

É di­fí­cil au­fe­rir to­do o pro­ces­so de cons­tru­ção do en­re­do da Pa­raí­so do Tuiu­ti. As es­co­las de sam­ba atra­ves­sam o ano tes­tan­do har­mo­ni­as, fan­ta­si­as e po­e­si­as. A bus­ca por apoio e pa­tro­cí­nio in­ter­fe­re no que se pre­ten­de le­var à ave­ni­da, di­tan­do a po­tên­cia do que se po­de­rá ver e ou­vir. De to­do mo­do, até por se tra­tar de uma pe­que­na agre­mi­a­ção, a Pa­raí­so do Tuiu­ti se fez dig­na tam­bém por não te­mer cair nas tei­as do ódio fá­cil das re­des so­ci­ais e do de­ba­te em­po­bre­ci­do pro­ta­go­ni­za­do pe­los se­to­res mais con­ser­va­do­res e ca­pi­tu­la­dos da so­ci­e­da­de. Mais uma vez, o grê­mio re­cre­a­ti­vo ori­gi­na­do no bair­ro de São Cris­tó­vão, no iní­cio da dé­ca­da de 1950, de­mons­trou in­tre­pi­dez. O bom sam­ba se per­ce­be no pé e na ca­be­ça.

Gra­ças a Pa­raí­so do Tuiu­ti, as con­trar­re­for­mas ne­o­li­be­rais do go­ver­no fe­de­ral, apoi­a­das por um am­plo pac­to na­ci­o­nal, “com o Su­pre­mo, com tu­do”, pu­de­ram ser apre­ci­a­das pe­la lin­gua­gem ar­tís­ti­ca da be­le­za e do fi­no hu­mor. Na Sa­pu­caí, es­ta­vam ma­ri­o­ne­tes (gen­te que acei­ta o que pre­gam os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de mas­sa de for­ma na­da pe­sa­ro­sa), tra­ba­lha­do­res e su­as car­tei­ras em pu­nho (dando o tom ge­ral da re­sis­tên­cia po­lí­ti­ca do sam­ba), go­ver­nan­tes vam­pi­ros (com a bo­ca a es­cor­rer o san­gue da na­ção) e es­cra­vos de on­tem e ho­je, a en­fren­tar, com a ha­bi­tu­al bra­vu­ra, os ar­ran­jos das clas­ses do­mi­nan­tes e a sa­nha do di­nhei­ro que pre­en­che co­ra­ção e men­te dos que se alo­cam nas es­tru­tu­ras de po­der. Num to­que de clas­se, o hu­mor do sam­ba-en­re­do e a vibração da ale­gria li­be­ra­da nos di­as de Car­na­val des­lo­cam tu­do de su­as trin­chei­ras de men­ti­ras e ilu­sões e ex­põem de for­ma in­con­tes­tá­vel os in­te­res­ses mes­qui­nhos que ca­mu­flam os bas­ti­do­res do po­der cen­tral. É a tra­di­ção da mai­or fes­ta po­pu­lar do mun­do in­ver­ten­do pa­péis e ali­men­tan­do in­ven­cí­veis es­pe­ran­ças.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.