Acesf es­tu­da mé­to­dos de con­tro­le de pra­gas

Se­gun­do a Ad­mi­nis­tra­ção dos Ce­mi­té­ri­os, es­cor­piões são ani­mais mui­to re­sis­ten­tes aos ve­ne­nos, o que di­fi­cul­ta ações de de­de­ti­za­ção

Folha de Londrina - - Cidades - Micaela Ori­ka­sa Re­por­ta­gem Lo­cal

Oce­mi­té­rio é um am­bi­en­te pro­pi­cio pa­ra a pro­li­fe­ra­ção de es­cor­piões, pois es­ses ani­mais de ati­vi­da­de no­tur­na se es­con­dem du­ran­te o dia em lo­cais com ter­ra, som­bre­a­da e úmi­da, co­mo tron­cos de ár­vo­res, pe­dras, ti­jo­los, cons­tru­ções, fres­tas de mu­ros, la­jes de tú­mu­los, en­tre ou­tros. Além dis­so, es­ses pre­da­do­res cos­tu­mam apa­re­cer du­ran­te o ve­rão e se des­lo­cam pa­ra am­bi­en­tes com abun­dân­cia de seu prin­ci­pal ali­men­to: as ba­ra­tas.

Pen­san­do na pre­ven­ção, a Se­cre­ta­ria de Saú­de de Lon­dri­na in­ves­te em ações edu­ca­ti­vas. Má­rio Iná­cio da Sil­va, do se­tor de Vi­gi­lân­cia Am­bi­en­tal,

adi­an­ta a pos­si­bi­li­da­de de di­vul­gar no­vos ca­sos de aci­den­tes e ani­mais re­co­lhi­dos se­ma­nal­men­te, acom­pa­nhan­do o mes­mo cro­no­gra­ma de ações con­tra a den­gue.

A su­pe­rin­ten­den­te da Acesf (Ad­mi­nis­tra­ção dos Ce­mi­té­ri­os e Serviços Fu­ne­rá­ri­os de Lon­dri­na), Iza­bel Feijó Oli­vei­ra Flo­res, em no­ta, res­sal­ta que os es­cor­piões são ani­mais mui­to re­sis­ten­tes aos ve­ne­nos exis­ten­tes, o que di­fi­cul­ta ações de de­de­ti­za­ção vol­ta­das di­re­ta­men­te a es­tes arac­ní­de­os. “E o apa­re­ci­men­to de es­cor­piões em ce­mi­té­ri­os ocor­re em fun­ção da exis­tên­cia nes­tes lo­cais de in­se­tos, co­mo as ba­ra­tas, que são uti­li­za­dos pe­los es­cor­piões pa­ra ali­men­ta­ção.”

Se­gun­do ela, pa­ra com­ba­ter os es­cor­piões, a Acesf tem apli­ca­do ve­ne­no na área dos ce­mi­té­ri­os ro­ti­nei­ra­men­te, a fim de er­ra­di­car os in­se­tos dos quais eles se ali­men­tam. “Con­tu­do, em al­gu­mas áre­as, co­mo os es­con­de­ri­jos, há di­fi­cul­da­de de pul­ve­ri­za­ção, o que pre­ju­di­ca a to­tal er­ra­di­ca­ção. As­sim, a au­tar­quia es­tá ava­li­an­do a pos­si­bi­li­da­de de apli­car ou­tros mé­to­dos que pos­sam ser mais efi­ca­zes, e per­mi­tam um me­lhor con­tro­le de pra­gas nos ce­mi­té­ri­os mu­ni­ci­pais.”

DEN­GUE

Na ma­nhã de quar­ta-fei­ra (14), agen­tes de en­de­mi­as da se­cre­ta­ria de Saú­de pro­mo­ve­ram uma ex­po­si­ção so­bre den­gue e ou­tras en­de­mi­as, na en­tra­da da UBS (Uni­da­de Bá­si­ca de Saú­de) do Jar­dim Ide­al (zo­na les­te). No pri­mei­ro Li­raa (Le­van­ta­men­to Rá­pi­do de In­fes­ta­ção do Ae­des aegyp­ti) de 2018, di­vul­ga­do no iní­cio de fe­ve­rei­ro, o bair­ro apre­sen­tou o mai­or ín­di­ce de in­fes­ta­ção, com fo­cos do mos­qui­to em 50% dos imó­veis vis­to­ri­a­dos.

A ci­da­de to­da re­gis­trou um ín­di­ce de 12,1%, ou se­ja, a ca­da 100 ca­sas vis­to­ri­a­das pe­los agen­tes 12 con­ti­nham fo­cos po­si­ti­vos do mos­qui­to. A mo­ra­do­ra do bair­ro, Ve­ra Lucia Mo­li­na­ri, ou­viu aten­ta­men­te as ori­en­ta­ções das agen­tes. “Te­mos o mai­or cui­da­do com a den­gue em ca­sa, mas sin­ce­ra­men­te, en­tre o mos­qui­to e o es­cor­pião, eu te­nho mui­to mais me­do do es­cor­pião”, re­ve­la.

SAu­lo OhA­rA

Agen­tes de en­de­mi­as da se­cre­ta­ria de Saú­de pro­mo­ve­ram uma ex­po­si­ção so­bre den­gue e ou­tras en­de­mi­as, na en­tra­da da UBS do Jar­dim Ide­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.