Cru­el pa­rá­bo­la so­bre o di­nhei­ro

Fil­me do ge­ni­al Ri­dley Scott, em car­taz em Lon­dri­na, res­ga­ta fa­tos his­tó­ri­cos

Folha de Londrina - - Cidades - Car­los Edu­ar­do Lou­ren­ço Jor­ge Es­pe­ci­al pa­ra Fo­lha 2

Éim­pos­sí­vel que “To­do o Di­nhei­ro do Mun­do”, en­quan­to fil­me que dra­ma­ti­za fa­tos re­ais, su­pe­re o ou­tro dra­ma re­al que sua pro­du­ção so­freu nos bas­ti­do­res. O que se­rá mais lem­bra­do é co­mo Ke­vin Spa­cey, caí­do em des­gra­ça, foi subs­ti­tuí­do à úl­ti­ma ho­ra por um ad­mi­rá­vel Ch­ris­topher Plum­mer, ou co­mo o di­re­tor Ri­dley Scott con­se­guiu, com ha­bi­li­da­de e ta­len­to, re­fa­zer mui­tas sequên­ci­as in­tei­ras às vés­pe­ras da es­treia, ou por que Mark Whal­berg re­ce­beu um mi­lhão e meio de dó­la­res pa­ra apa­re­cer nas re­fil­ma­gens en­quan­to Mi­chel­le Wil­li­ams fez a mes­ma coi­sa de gra­ça. Mas mes­mo que o fil­me não su­pe­re es­sas es­tri­pu­li­as (e a fa­ma ex­tra que veio a re­bo­que) por trás das câ­me­ras, is­to não sig­ni­fi­ca que a re­cri­a­ção do epi­só­dio que en­vol­veu o se­ques­tro de John Paul Getty III em 1973 não se­ja só­li­da. A cu­ri­o­si­da­de e o voyeu­ris­mo do es­pec­ta­dor são sem­pre re­com­pen­sa­dos por bo­as do­ses de ten­são a ser­vi­ço de um dra­ma com­pe­ten­te.

Há dois fil­mes den­tro de “To­do o Di­nhei­ro do Mun­do”, que en­tra ho­je em ter­cei­ra se­ma­na de exi­bi­ção. Um, re­la­ci­o­na­do com o se­ques­tro que jus­ti­fi­ca a pro­du­ção em si, e ou­tro que gra­vi­ta ao re­dor da fi­gu­ra con­tro­ver­ti­da de John Paul Getty, le­gen­dá­rio mul­ti­mi­li­o­ná­rio que ser­ve co­mo o pe­so re­al des­ta nar­ra­ti­va, o mag­na­ta do pe­tró­leo que re­pre­sen­ta o ca­pi­ta­lis­mo no sen­ti­do mais am­plo da pa­la­vra. O fil­me na ver­da­de é so­bre is­to, o ca­pi­tal em sua acep­ção mais fe­roz, sem que te­nha si­do ne­ces­sá­rio re­cor­rer aos dra­mas in­ter­nos de Wall Stre­et. O fa­to de que o ve­lho bi­li­ar­dá­rio Getty te­nha se re­cu­sa­do a pa­gar o res­ga­te de seu ne­to é o que me­xe as en­gre­na­gens da tra­ma. Um ro­tei­ro com­pe­ten­te e a di­re­ção la­pi­da­da de Scott são os su­por­tes que sus­ten­tam es­te th­ril­ler que in­ves­ti­ga, por trás des­ta re­cu­sa, o la­do mais obs­cu­ro da na­tu­re­za hu­ma­na.

O fil­me de­mons­tra que Scott, aos 80 anos, ain­da tra­ba­lha sem pre­ci­sar de pi­lo­to au­to­má­ti­co, e seu ta­to sa­be co­mo ma­ni­pu­lar o sus­pen­se adi­ci­o­nal de que a his­tó­ria pre­ci­sa. O en­fren­ta­men­to en­tre Getty e mãe do se­ques­tra­do é a ba­lan­ça pos­ta di­an­te do es­pec­ta­dor, é o en­tre­ve­ro acer­ca do pos­sí­vel pa­ga­men­to do res­ga­te. Tes­te­mu­nhar es­sa dis­pu­ta e es­pe­cu­lar so­bre o des­ti­no do se­ques­tra­do (não há spoi­ler, os fa­tos são his­tó­ri­cos) é o pon­to al­to de “To­do o Di­nhei­ro do Mun­do”.

RE­TRA­TO

A sequên­cia do se­ques­tro nas ru­as de Ro­ma, co­me­ti­do por ma­fi­o­sos ca­la­bre­ses, te­ve co­mo ins­pi­ra­ção con­fes­sa de Ri­dley Scott ce­nas cri­a­das por Fel­li­ni e com to­ques pa­so­li­ni­a­nos – o jo­vem Getty con­ver­sa com pros­ti­tu­tas. Es­te pró­lo­go é o ga­ti­lho, o es­tí­mu­lo pa­ra es­ta­be­le­cer um re­tra­to do lí­der do clã Getty e a ma­nei­ra cru­el com a qual ele tra­tou sua fa­mí­lia, fi- lho, no­ra e ne­to, se­guin­do o úni­co pa­drão de vi­da que co­nhe­cia, pre­ci­sa­men­te o da acu­mu­la­ção ca­pi­ta­lis­ta. Na os­ci­la­ção tem­po­ral da nar­ra­ti­va, Scott in­se­re um bre­ve epi­só­dio de 1948, quan­do Getty co­me­çou a mul­ti­pli­car sua for­tu­na com os po­ços de pe­tró­leo na Ará­bia Sau­di­ta – sa­bem to­dos, ou de­ve­ri­am, que pe­tró­leo e ca­pi­ta­lis­mo são dois con­cei­tos in­se­pa­rá­veis.

Co­mo es­ta é ou pre­ten­de ser uma crí­ti­ca de ci­ne­ma, dei­xo de la­do o es­pi­nho­so as­sun­to de Ke­vin Spa­cey. Em to­do ca­so, con­vém ci­tá-lo so­men­te pa­ra com­pro­var co­mo se fil­ma um ele­va­do per­cen­tu­al de uma gran­de pro­du­ção hollywo­o­di­a­na em tem­po re­cor­de. Scott, com cri­té­rio de pro­du­tor an­tes que de di­re­tor – ele não que­ria que o es­cân­da­lo Spa­cey atra­pa­lhas­se a car­rei­ra co­mer­ci­al do fil­me –, de­ci­diu subs­ti­tuí-lo

por Plum­mer e as­sim não atra­sar a da­ta de es­treia do fil­me. As­sim, apa­ga­das as fei­ções de Spa­cey, o cer­to é que Plum­mer se con­ver­te no me­lhor mo­ti­vo pa­ra ver “To­do o Di­nhei­ro do Mun­do”. Dis­tan­te mais de meio sé­cu­lo do mun­do ró­seo de “A No­vi­ça Re­bel­de”, o ator es­tá tão bem co­mo o pa­tri­ar­ca so­vi­na que, quan­do de­sa­pa­re­ce da te­la, fi­ca-se à de­ri­va, e se aguar­da avi­da­men­te seu re­tor­no. Per­so­na­gem es­tra­nho e fas­ci­nan­te, des­ses cu­ja es­tir­pe po­de­ria re­tro­a­gir àque­la de Wil­li­am Ran­dolph He­arst - ou seu al­ter ego em “Ci­da­dão Ka­ne”, Char­les Fos­ter Ka­ne cri­a­do por Or­son Wel­les em 1940 - “To­do o Di­nhei­ro do Mun­do” se per­mi­te du­as li­cen­ças de dra­ma­tur­gia fic­ci­o­nal, per­doá­veis ou não, à es­co­lha do es­pec­ta­dor: a fi­gu­ra do se­ques­tra­dor “bon­zi­nho” (per­so­na­gem do fran­cês Ro­main Du­ris) e a fu­ga de Getty III per­se­gui­do à noi­te na­que­la pe­que­na lo­ca­li­da­de. Com a for­ça de Getty avô, o fil­me já dis­pu­nha de ma­te­ri­al dra­ma­túr­gi­co su­fi­ci­en­te, sem ne­ces­si­da­de de dra­mas adi­ci­o­nais. É obra só­li­da de sus­pen­se e Getty seu vi­lão. Um bom vi­lão? Cla­ro que sim, co­mo to­do ser gó­ti­co, de­fi­ni­do por uma in­tri­gan­te e fran­ca ma­nei­ra de pen­sar.

Re­pro­du­ção

“To­do Di­nhei­ro do Mun­do” mos­tra a cru­el­da­de com que o mul­ti­mi­li­o­ná­rio John Paul Getty tra­tou sua fa­mí­lia e, es­pe­ci­al­men­te, seu ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.