Elei­ções: o ris­co da vi­o­lên­cia e da de­sin­for­ma­ção

Folha de Londrina - - Opinião -

Ocli­ma de ten­são en­tre elei­to­res dos dois can­di­da­tos a pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca mo­ti­vou a pro­cu­ra­do­ra-ge­ral elei­to­ral e da Re­pú­bli­ca, Raquel Dod­ge, a edi­tar uma ins­tru­ção aos pro­cu­ra­do­res re­gi­o­nais elei­to­rais das 27 Unidades da Fe­de­ra­ção. No do­cu­men­to, cons­ta a res­pon­sa­bi­li­za­ção de au­to­res de ilí­ci­tos elei­to­rais. Na quin­ta­fei­ra (11), ela e o vi­ce-pro­cu­ra­dor-ge­ral elei­to­ral, Hum­ber­to Jac­ques, se reu­ni­ram pa­ra ava­li­ar a mul­ti­pli­ca­ção dos epi­só­di­os de agres­são em vá­ri­as par­tes do País en­tre se­gui­do­res de Fer­nan­do Haddad (PT) e Jair Bol­so­na­ro (PSL). Con­sequên­cia da po­la­ri­za­ção, que se man­tém ain­da mais for­te nes­te se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al.

A ins­tru­ção bus­ca jus­ta­men­te com­ba­ter si­tu­a­ções de ódio e vi­o­lên­cia que se es­pa­lham pe­lo Bra­sil e a dis­se­mi­na­ção de men­sa­gens com con­teú­do en­ga­no­so, as ‘fa­ke news’, que atin­gem in­clu­si­ve a ima­gem da Jus­ti­ça Elei­to­ral.

A ins­tru­ção enu­me­ra me­di­das a ser ado­ta­das, in­clu­si­ve na es­fe­ra ju­di­ci­al, pa­ra que se­jam al­can­ça­dos cin­co ob­je­ti­vos: “res­guar­dar a li­vre manifestação de pen­sa­men­to e con­vic­ções po­lí­ti­cas por par­te dos ci­da­dãos, pro­mo­ver a res­pon­sa­bi­li­za­ção por ato de pro­pa­gan­da ir­re­gu­lar, pro­mo­ver a per­se­cu­ção de ilí­ci­tos que com­pro­me­tam a in­te­gri­da­de do pro­ces­so elei­to­ral e, na es­fe­ra pe­nal, de con­du­tas cri­mi­no­sas, além de as­se­gu­rar a duração ra­zoá­vel dos pro­ces­sos”.

Pe­la ori­en­ta­ção, os pro­cu­ra­do­res de­vem coi­bir, por exem­plo, a con­tra­ta­ção de pes­so­as ou gru­pos com o ob­je­ti­vo de emi­tir men­sa­gens ou co­men­tá­ri­os na in­ter­net pa­ra ofen­der a hon­ra ou atin­gir a ima­gem de can­di­da­to, par­ti­do ou co­li­ga­ção. En­tre ou­tras coi­sas, tam­bém de­vem ser res­pon­sa­bi­li­za­dos aque­les que fi­ze­rem apo­lo­gia à guerra e a pro­ces­sos violentos ou pra­ti­ca­rem e es­ti­mu­la­rem pre­con­cei­to de ra­ça, ori­en­ta­ção se­xu­al, gê­ne­ro, cren­ça re­li­gi­o­sa, e ou­tros.

Os ilí­ci­tos elei­to­rais a se­rem apu­ra­dos e com­ba­ti­dos ain­da in­clu­em atos que con­fi­gu­rem abu­so de po­der po­lí­ti­co, econô­mi­co e dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, com­pra de vo­tos e prá­ti­cas que com­pro­me­tam a in­te­gri­da­de do pro­ces­so elei­to­ral, so­bre­tu­do, as que en­vol­vam atos de vi­o­lên­cia gra­ve ou ame­a­ça a pes­soa, com o fim de ob­ter vo­tos.

É im­por­tan­te que a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca to­me es­sa ini­ci­a­ti­va an­tes que a cam­pa­nha do se­gun­do tur­no avan­ce. Nas se­ma­nas fi­nais do pri­mei­ro tur­no, os con­teú­dos fal­sos se mul­ti­pli­ca­ram nas re­des so­ci­ais e no WhatsApp. Fo­ram mi­lha­res de in­te­ra­ções de con­teú­do fal­sos, en­tre com­par­ti­lha­men­tos, reações e co­men­tá­ri­os, que co­la­bo­ram pa­ra po­ten­ci­a­li­zar as pos­ta­gens e cri­ar ain­da mais ten­são. As pu­bli­ca­ções en­ga­no­sas são, ho­je, um sério ris­co à de­mo­cra­cia, pois po­dem fa­zer uma pes­soa de­ci­dir o seu vo­to com ba­se em in­for­ma­ções fal­sas.

As pu­bli­ca­ções en­ga­no­sas são, ho­je, um sério ris­co à de­mo­cra­cia”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.