De­si­gual­da­de: a mai­or epi­de­mia no sis­te­ma de saú­de do Bra­sil

Folha de Londrina - - Opinião - ES­PA­ÇO ABER­TO FELIPE BURATTINI, exe­cu­ti­vo e fun­da­dor de star­tup de saú­de

Ho­je, me­nos da me­ta­de da po­pu­la­ção mundial tem aces­so a ser­vi­ços es­sen­ci­ais de saú­de. Além dis­so, cer­ca de 800 mi­lhões de pes­so­as gas­tam mais de 10% de seu or­ça­men­to do­més­ti­co com cui­da­dos mé­di­cos e qua­se 100 mi­lhões de pes­so­as são em­pur­ra­das pa­ra bai­xo da li­nha de po­bre­za a ca­da ano por cau­sa das des­pe­sas com saú­de. No Bra­sil, por exem­plo, a fal­ta de aces­so é res­pon­sá­vel por um gap de ex­pec­ta­ti­va de vi­da que po­de che­gar a 20 anos de­pen­den­do de fa­to­res co­mo sua clas­se so­ci­al ou lo­cal de mo­ra­dia, e por uma mé­dia de 830 mortes evi­tá­veis por dia. Ou se­ja, 305 mil mortes evi­tá­veis anu­al­men­te! Is­so é ina­cei­tá­vel. As de­si­gual­da­des em saú­de não são ape­nas uma no­ta de ro­da­pé nos pro­ble­mas que en­fren­ta­mos, mas, sim, o prin­ci­pal pro­ble­ma. A in­jus­ti­ça so­ci­al es­tá ma­tan­do em gran­de es­ca­la.

O Bra­sil pos­sui um sis­te­ma ex­tre­ma­men­te de­fi­ci­en­te. Por fal­ta de op­ções, as pes­so­as aca­bam tor­nan­do-se re­féns de pro­gra­mas go­ver­na­men­tais, co­mo o SUS, no qu­al, pa­ra agen­dar uma sim­ples con­sul­ta, mui­tas ve­zes vo­cê te­rá que es­pe­rar de 3 a 6 me­ses, ou com­pa­nhi­as de se­gu­ro, mas ne­nhum de­les re­al­men­te re­sol­ve o pro­ble­ma. Se­gun­do pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­lo Ibo­pe e SPC, mais de 70% dos bra­si­lei­ros não pos­su­em pla­no par­ti­cu­lar, e dos que tem, mais de um mi­lhão can­ce­lam seus pla­nos anu­al­men­te. Não por não de­se­ja­rem mais es­tar co­ber­tos, mas por não po­de­rem mais ar­car com os cus­tos, afi­nal, além das men­sa­li­da­des se­rem al­tís­si­mas, as ta­xas de re­a­jus­te são mui­to aci­ma da in­fla­ção e não há ga­ran­tia al­gu­ma de que ca­so al­go acon­te­ça, vo­cê te­rá aces­so aos tra­ta­men­tos ne­ces­sá­ri­os.

Novas tec­no­lo­gi­as têm si­do fer­ra­men­tas fun­da­men­tais pa­ra em­po­de­rar o no­vo con­su­mi­dor e me­lho­rar o aces­so tan­to a ser­vi­ços quan­to a in­for­ma­ção, prin­ci­pal­men­te pa­ra a po­pu­la­ção de bai­xa ren­da. Ho­je te­mos exem­plos de ser­vi­ços que com­bi­nam, por exem­plo, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, ma­chi­ne le­ar­ning e big da­ta pa­ra dar di­ag­nós­ti­cos mais pre­ci­sos, sem pre­ci­sar efe­ti­va­men­te con­sul­tar um mé­di­co, em pou­cos cli­ques e com al­gu­mas per­gun­tas res­pon­di­das em um app, no so­fá da sua sa­la, vo­cê po­de ter al­ter­na­ti­vas de di­ag­nós­ti­cos que tem mos­tra­do uma as­ser­ti­vi­da­de mé­dia su­pe­ri­or a mé­di­cos re­ais. Te­mos as tec­no­lo­gi­as ves­tí­veis que con­se­guem tra­que­ar su­as funções cor­po­rais, co­mo ín­di­ce de açú­car no san­gue, ba­ti­men­to car­día­co, oxi­ge­na­ção, pres­são, etc. Com­pu­ta­ção quân­ti­ca tem se mos­tra­do uma fer­ra­men­ta fun­da­men­tal pa­ra, por exem­plo, ini­ci­ar uma era de cui­da­dos de saú­de per­so­na­li­za­dos.

Além da apli­ca­ção di­re­ta de novas tec­no­lo­gi­as em pa­ci­en­tes, tam­bém te­mos um mar de opor­tu­ni­da­des com In­ter­net das Coi­sas pa­ra ajudar a re­du­zir gas­tos com hos­pi­tais e evi­tar aci­den­tes, afi­nal, um hos­pi­tal in­te­li­gen­te, com sen­so­res pa­ra tu­do, con­se­gui­ria aler­tar um pro­ble­ma em uma má­qui­na, tu­bu­la­ção ou o que for an­tes mes­mo do pro­ble­ma acon­te­cer, ou, po­de­mos ir além, já exis­tem ma­te­ri­ais ci­rúr­gi­cos com sen­so­res que aler­tam o ci­rur­gião ca­so ele es­que­ça al­go den­tro do pa­ci­en­te. As pos­si­bi­li­da­des com novas tec­no­lo­gi­as são inú­me­ras e mui­tas so­lu­ções ain­da são ini­ma­gi­ná­veis. São fer­ra­men­tas, não so­lu­ção.

Pa­ra en­con­trar­mos a so­lu­ção, acre­di­to que de­ve­mos dar um pas­so atrás e olhar não pa­ra a tec­no­lo­gia, mas pa­ra as pes­so­as, pa­ra a so­ci­e­da­de. Pa­ra ino­var em saú­de, pre­ci­sa­mos mu­dar o sis­te­ma, e pa­ra mu­dar o sis­te­ma pre­ci­sa­mos mu­dar a for­ma que as pes­so­as pen­sam. Pre­ci­sa­mos vol­tar a pen­sar e agir em co­mu­ni­da­de. Pre­ci­sa­mos en­ten­der que o po­der das pes­so­as é e sem­pre se­rá mui­to mai­or do que as pes­so­as no po­der. Saú­de é um mer­ca­do que é tra­di­ci­o­nal­men­te uni­la­te­ral. O pa­ci­en­te é o me­nos im­por­tan­te e es­tá na ho­ra dis­so mu­dar! Pre­ci­sa­mos co­lo­car o pa­ci­en­te no cen­tro do pro­ces­so, pre­ci­sa­mos nos en­vol­ver co­mo co­mu­ni­da­de pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas que nos afli­gem ao in­vés de es­pe­rar que al­guém o fa­ça por nós. Es­tá na ho­ra de en­trar­mos na era da eco­no­mia do aces­so.

Pa­ra en­con­trar­mos a so­lu­ção, de­ve­mos olhar mais pa­ra as pes­so­as, pa­ra a so­ci­e­da­de”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.