Dod­ge emi­te ins­tru­ção pa­ra con­ter vi­o­lên­cia

Folha de Londrina - - Política - Lu­ci Ribeiro

Bra­sí­lia - A pro­cu­ra­do­ra-ge­ral elei­to­ral e da Re­pú­bli­ca, Raquel Dod­ge, edi­tou ins­tru­ção aos pro­cu­ra­do­res re­gi­o­nais elei­to­rais das 27 Unidades da Fe­de­ra­ção so­bre a apu­ra­ção e a res­pon­sa­bi­li­za­ção de au­to­res de ilí­ci­tos elei­to­rais. Na quin­ta-fei­ra, ela e o vi­ce-pro­cu­ra­dor-ge­ral elei­to­ral, Hum­ber­to Jac­ques, se reu­ni­ram pa­ra ava­li­ar a mul­ti­pli­ca­ção dos epi­só­di­os de agres­são en­tre elei­to­res que vêm ocor­ren­do em to­do o País por cau­sa da po­la­ri­za­ção en­tre Fer­nan­do Haddad (PT ) e Jair Bol­so­na­ro (PSL) nes­te se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al.

A ins­tru­ção bus­ca com­ba­ter si­tu­a­ções de ódio e vi­o­lên­cia que se es­pa­lham pe­lo Bra­sil e a dis­se­mi­na­ção de fa­ke news, que atin­gem in­clu­si­ve a ima­gem da Jus­ti­ça Elei­to­ral. O ca­so mais ex­tre­mo de vi­o­lên­cia ocor­reu em Salvador ho­ras de­pois da vo­ta­ção no pri­mei­ro tur­no. O mes­tre de ca­po­ei­ra Ro­mu­al­do Ro­sá­rio da Cos­ta, co­nhe­ci­do co­mo Moa do Ka­ten­dê, de 63 anos, foi as­sas­si­na­do a fa­ca­das den­tro de um bar, de­pois de se en­vol­ver em uma dis­cus­são na qu­al de­fen­dia o can­di­da­to pe­tis­ta. De acor­do com a Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca da Bahia, o au­tor das fa­ca­das ti­nha che­ga­do ao lo­cal gri­tan­do o no­me do can­di­da­to do PSL. O as­sas­si­no já foi pre­so.

Em no­ta, a PGR ex­pli­ca que a ins­tru­ção enu­me­ra me­di­das a ser ado­ta­das, in­clu­si­ve na es­fe­ra ju­di­ci­al, pa­ra que se­jam al­can­ça­dos cin­co ob­je­ti­vos: “res­guar­dar a li­vre manifestação de pen­sa­men­to e con­vic­ções po­lí­ti­cas por par­te dos ci­da­dãos, pro­mo­ver a res­pon­sa­bi­li­za­ção por ato de pro­pa­gan­da ir­re­gu­lar, pro­mo­ver a per­se­cu­ção de ilí­ci­tos que com­pro­me­tam a in­te­gri­da­de do pro­ces­so elei­to­ral e, na es­fe­ra pe­nal, de con­du­tas cri­mi­no­sas, além de as­se­gu­rar a duração ra­zoá­vel dos pro­ces­sos”.

Pe­la ori­en­ta­ção, os pro­cu­ra­do­res de­vem coi­bir, por exem­plo, a con­tra­ta­ção de pes­so­as ou gru­pos com o ob­je­ti­vo de emi­tir men­sa­gens ou co­men­tá­ri­os na in­ter­net pa­ra ofen­der a hon­ra ou atin­gir a ima­gem de can­di­da­to, par­ti­do ou co­li­ga­ção. Além dis­so, de­vem ser res­pon­sa­bi­li­za­dos aque­les que fi­ze­rem apo­lo­gia à guerra e a pro­ces­sos violentos ou pra­ti­ca­rem e es­ti­mu­la­rem pre­con­cei­to de ra­ça, ori­en­ta­ção se­xu­al, gê­ne­ro, cren­ça re­li­gi­o­sa, e ou­tros.

Os ilí­ci­tos elei­to­rais a se­rem apu­ra­dos e com­ba­ti­dos ain­da in­clu­em atos que con­fi­gu­rem abu­so de po­der po­lí­ti­co, econô­mi­co e dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, com­pra de vo­tos, ar­re­ca­da­ção e gas­tos lí­ci­tos de cam­pa­nha, e prá­ti­cas que com­pro­me­tam a in­te­gri­da­de do pro­ces­so elei­to­ral, so­bre­tu­do, as que en­vol­vam atos de vi­o­lên­cia gra­ve ou ame­a­ça a pes­soa, com o fim de ob­ter vo­tos.

Fa­bio Poz­ze­bom/Agên­cia Bra­sil

Raquel Dod­ge, pro­cu­ra­do­ra-ge­ral elei­to­ral e da Re­pú­bli­ca: com­ba­te a si­tu­a­ções de ódio e vi­o­lên­cia e a dis­se­mi­na­ção de fa­ke news

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.