Furacão Mi­cha­el dei­xa cer­ca de on­ze mor­tos nos EUA

Ao atin­gir co­mu­ni­da­des cos­tei­ras, furacão fez ví­ti­mas an­tes de se con­ver­ter num ci­clo­ne pós-tro­pi­cal

Folha de Londrina - - Mundo -

PANAMA CITY (EUA) -O furacão Mi­cha­el, uma tem­pes­ta­de de­vas­ta­do­ra que dei­xou um ras­tro de des­trui­ção no no­ro­es­te da Fló­ri­da, cau­sou a mor­te de 11 pes­so­as em três es­ta­dos em sua pas­sa­gem pe­lo ter­ri­tó­rio nor­te-ame­ri­ca­no, do qu­al saiu na ma­nhã de sex­ta-fei­ra (12), di­mi­nuí­do à con­di­ção de um ci­clo­ne pós-tro­pi­cal.

De­pois de atin­gir as co­mu­ni­da­des cos­tei­ras no Pa­nhan­dle da Fló­ri­da - co­mo es­ta área é co­nhe­ci­da na Cos­ta do Gol­fo -, a vi­o­lên­cia re­ma­nes­cen­te da tem­pes­ta­de ma­tou cin­co pes­so­as no es­ta­do da Vir­gí­nia.

Em um bo­le­tim do iní­cio de sex­ta-fei­ra, o De­par­ta­men­to de Ge­ren­ci­a­men­to de Emer­gên­ci­as da Vir­gí­nia es­cre­veu no Twit­ter: “Cin­co mortes con­fir­ma­das re­la­ci­o­na­das a Mi­cha­el, 520 mil sem ele­tri­ci­da­de, 1.200 es­tra­das fe­cha­das, cin­co su­pos­tos tor­na­dos”.

Des­sa for­ma, o nú­me­ro de mor­tos au­men­tou pa­ra 11, in­cluin­do qua­tro mortes no con­da­do de Gads­den, na Fló­ri­da, uma na vi­zi­nha Geór­gia e uma na Ca­ro­li­na do Nor­te.

O olho de Mi­cha­el to­cou a ter­ra na quar­ta-fei­ra per­to de Me­xi­co Be­a­ch, uma ci­da­de 30 km a su­des­te de Ci­da­de do Pa­na­má, co­mo um furacão de ca­te­go­ria 4 (de um má­xi­mo de 5 na es­ca­la Saf­fir-Simpson), de acor­do com o Cen­tro Na­ci­o­nal de Fu­ra­cões (NHC).

Mais tar­de, Mi­cha­el se de­gra­dou pa­ra uma tem­pes­ta­de tro­pi­cal e mu­dou de ru­mo pa­ra o Oce­a­no Atlân­ti­co, a les­te de Nor­folk, na Vir­gí­nia, de acor­do com o NHC.

Se­gun­do as au­to­ri­da­des, mais de 400 mil re­si­dên­ci­as e em­pre­sas es­ta­vam sem ener­gia na Fló­ri­da, e 20 mil fun­ci­o­ná­ri­os do ser­vi­ço pú­bli­co fo­ram mo­bi­li­za­dos pa­ra res­tau­rar os ser­vi­ços.

Além dis­so, mais de 2.000 sol­da­dos da Gu­ar­da Na­ci­o­nal da Fló­ri­da con­ti­nu­am a tra­ba­lhar nas ope­ra­ções de res­ga­te, pa­ra com a aju­da de cer­ca de 3 mil mem­bros da Agên­cia Fe­de­ral de Ge­ren­ci­a­men­to de Emer­gên­ci­as (FEMA).

O pre­si­den­te Do­nald Trump pro­me­teu aju­da às ví­ti­mas. “Nos­sos co­ra­ções es­tão com as mi­lha­res de pes­so­as que so­fre­ram da­nos ma­te­ri­ais, em mui­tos ca­sos a des­trui­ção foi to­tal”, dis­se o pre­si­den­te. “Não va­mos des­can­sar ou he­si­tar até que o tra­ba­lho es­te­ja con­cluí­do e a re­cu­pe­ra­ção es­te­ja com­ple­ta.”

CA­SAS FLUTUANDO

Os ven­tos de 250 quilô­me­tros por ho­ra ar­ran­ca­ram vá­ri­as ca­sas de su­as fun­da­ções em Me­xi­co Be­a­ch, que tem cer­ca de mil ha­bi­tan­tes, dei­xan­do pla­cas de con­cre­to ex­pos­tas.

As es­tra­das se en­con­tram in­tran­si­tá­veis e os ca­nais to­ma­dos pe­los es­com­bros.

Um re­si­den­te de Me­xi­co Be­a­ch des­cre­veu o im­pac­to das fortes ma­rés cau­sa­das pe­lo ci­clo­ne à CNN: “Quan­do a água en­trou, as ca­sas co­me­çam a flu­tu­ar”, con­tou o ho­mem identificado ape­nas co­mo Scott. “Não há mais na­da aqui. Nos­sa vi­da se foi, to­das as lo­jas, to­dos os res­tau­ran­tes, tu­do, é di­fí­cil de en­ten­der”, la­men­tou.

As ima­gens mos­tram bar­cos jo­ga­dos nos pá­ti­os e ru­as que fo­ram to­ma­das por ár­vo­res e li­nhas de ener­gia ar­ran­ca­das. A vi­zi­nha Ci­da­de do Pa­na­má tam­bém pa­re­cia um ce­ná­rio de guerra.

O go­ver­na­dor da Fló­ri­da, Rick Scott, cha­mou a si­tu­a­ção de “de­vas­ta­ção im­pen­sá­vel”, e dis­se que a pri­o­ri­da­de era pro­cu­rar so­bre­vi­ven­tes en­tre as pes­so­as não eva­cu­a­das.

“Es­tou mui­to pre­o­cu­pa­do com nos­sos ci­da­dãos que não fo­ram eva­cu­a­dos e es­pe­ro que não te­nha­mos mui­tas per­das de vi­das”, dis­se ele à ABC.

A ra­pi­dez com que a tem­pes­ta­de se for­mou e cres­ceu sur­pre­en­deu es­pe­ci­a­lis­tas e pe­gou os mo­ra­do­res des­pre­ve­ni­dos. O chefe da FEMA, Brock Long, des­cre­veu Mi­cha­el co­mo o furacão mais in­ten­so a atin­gir a área des­de 1851.

Ken Graham, di­re­tor do NHC, ha­via avi­sa­do: “In­fe­liz­men­te, es­ta é uma si­tu­a­ção his­tó­ri­ca, in­cri­vel­men­te pe­ri­go­sa e com ris­co de vi­da”.

Cal­cu­la-se que cer­ca de 375.000 pes­so­as de mais de 20 mu­ni­cí­pi­os re­ce­be­ram or­dens de eva­cu­a­ção, obri­ga­tó­ri­as ou vo­lun­tá­ri­as.

No ano pas­sa­do, uma ca­tas­tró­fi­ca sé­rie de fu­ra­cões atin­giu o Atlân­ti­co Oci­den­tal. Os mais de­vas­ta­do­res fo­ram Har­vey no Te­xas, Ir­ma no Ca­ri­be e Fló­ri­da, e Ma­ria, que atin­giu o Ca­ri­be e dei­xou qua­se 3 mil mor­tos no ter­ri­tó­rio ame­ri­ca­no de Por­to Ri­co.

A tem­po­ra­da de fu­ra­cões do Atlân­ti­co ter­mi­na em 30 de no­vem­bro.

Mark Wa­lhei­sen/ Getty Ima­ges/ AFP

De­pois de atin­gir as co­mu­ni­da­des cos­tei­ras no Pa­nhan­dle da Fló­ri­da, tem­pes­ta­de ma­tou cin­co pes­so­as no es­ta­do da Vir­gí­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.