O anal­fa­be­to po­li­ti­za­do

Folha de Londrina - - Mundo - por Pau­lo Bri­guet Fale com o colunista: ave­ni­da­pa­ra­na@fo­lha­de­lon­dri­na.com.br

No en­saio “Co­ra­ção de Ge­lo”, o his­to­ri­a­dor in­glês Paul John­son tra­ça um de­vas­ta­dor per­fil biográfico de Ber­tolt Bre­cht, nar­ran­do a coleção de trai­ções, mentiras, hi­po­cri­si­as e res­sen­ti­men­tos que ca­rac­te­ri­zam a vi­da pú­bli­ca e pri­va­da do es­cri­tor alemão. Ao fi­nal do en­saio, John­son con­fes­sa com fran­que­za: “Du­ran­te es­te re­la­to, eu me es­for­cei bas­tan­te pa­ra di­zer al­go a fa­vor de Bre­cht. Mas ele é o úni­co in­te­lec­tu­al en­tre os que es­tu­dei, que não pa­re­ce pos­suir uma úni­ca ca­rac­te­rís­ti­ca que o re­di­ma.”

Pes­so­al­men­te, acho que John­son exa­ge­ra; em ter­mos de al­truís­mo e amor ao pró­xi­mo, é re­al­men­te di­fí­cil en­con­trar uma qua­li­da­de em Bre­cht. Mas, pe­lo que li de­le até ho­je, pos­so di­zer que ele foi tam­bém um ta­len­to­sís­si­mo es­cri­tor. Gos­to es­pe­ci­al­men­te de seus po­e­mas e le­tras de can­ções (em par­ce­ria com Kurt Weil). Re­co­nhe­ço tam­bém que “Mãe Co­ra­gem” é uma gran­de pe­ça te­a­tral.

Há 25 anos, quan­do eu tra­ba­lha­va em um sindicato, ha­via na pa­re­de da sa­la prin­ci­pal um pôs­ter com um fa­mo­so po­e­ma de Bre­cht: “O Anal­fa­be­to Po­lí­ti­co”. Ba­si­ca­men­te, o texto pro­cu­ra di­fa­mar a pes­soa co­mum que não gos­ta de se en­vol­ver com po­lí­ti­ca. Sem­pre de­tes­tei aque­le po­e­ma; mes­mo na mi­nha épo­ca de es­quer­dis­ta, acha­va-o ar­ro­gan­te, pri­má­rio, de­ma­gó­gi­co.

Mas eis que o tem­po pas­sou e ago­ra te­mos, gra­ças aos bons prés­ti­mos da nos­sa es­quer­da, o sur­gi­men­to de uma per­so­na­gem não pre­vis­ta por Bre­cht: o anal­fa­be­to po­li­ti­za­do.

Nem o co­ra­ção de ge­lo de Bre­cht po­de­ria es­pe­rar ta­ma­nha aber­ra­ção cul­tu­ral. Mas ho­je ela é uma re­a­li­da­de na edu­ca­ção bra­si­lei­ra, es­pe­ci­al­men­te no meio uni­ver­si­tá­rio.

*******

To­da di­ta­du­ra é ruim. Mas há al­gu­mas di­ta­du­ras que são, di­ga­mos as­sim, in­com­pa­ra­vel­men­te cruéis. Em ge­ral, os re­gi­mes socialistas en­qua­dram-se nes­sa ca­te­go­ria de pa­ro­xis­mo do mal.

Fa­ça­mos o exer­cí­cio de com­pa­rar o nú­me­ro de ví­ti­mas fa­tais da di­ta­du­ra mi­li­tar bra­si­lei­ra (434 mor­tos pe­lo re­gi­me, mais 150 mor­tos pe­los es­quer­dis­tas) e da di­ta­du­ra cu­ba­na (115.127 - sen­do 77.824 mor­tos ou de­sa­pa­re­ci­dos em ten­ta­ti­vas de fu­gas do país; 5.621 fu­zi­la­dos, 1.123 as­sas­si­na­dos ex­tra­ju­di­ci­al­men­te, 14 mil sol­da­dos mor­tos em mis­sões no ex­te­ri­or, e as­sim por di­an­te).

A po­pu­la­ção de Cu­ba é 18 ve­zes me­nor que a do Bra­sil. Em es­ca­la, os 115.127 mor­tos cu­ba­nos se tor­na­ri­am al­go em tor­no de 2 mi­lhões de pes­so­as se a mes­ma mor­tan­da­de acon­te­ces­se no Bra­sil. Por­tan­to, guar­da­das as de­vi­das pro­por­ções po­pu­la­ci­o­nais, a di­ta­du­ra bra­si­lei­ra ma­tou cer­ca de 4.774 ve­zes me­nos se­res hu­ma­nos do que a di­ta­du­ra de Cu­ba.

Pre­ci­sa­mos mos­trar es­sas ver­da­des aos nos­sos fi­lhos ou cor­re­re­mos de que eles se tor­nem, tam­bém, anal­fa­be­tos po­li­ti­za­dos nas mãos de ideó­lo­gos sem es­crú­pu­los.

So­ci­a­lis­mo nun­ca mais!

Em ter­mos com­pa­ra­ti­vos, a di­ta­du­ra de Cu­ba ma­tou 4.774 ve­zes mais do que a di­ta­du­ra bra­si­lei­ra

Shut­ters­tock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.