‘CRI­A­TI­VI­DA­DE PERSEVERANÇA’

Folha de Londrina - - Mais - ÉRIKA GONÇALVES RE­POR­TA­GEM LO­CAL (E.G.)

Fa­zer to­dos os di­as um de­se­nho di­fe­ren­te, que se­ja um re­tra­to dos acon­te­ci­men­tos do dia e que no dia se­guin­te tal­vez já não sig­ni­fi­que mui­to. Mar­car a pe­le de al­guém com um de­se­nho que irá per­ma­ne­cer pa­ra sem­pre na for­ma de uma ta­tu­a­gem. Se­ja na char­ge ou na ta­tu­a­gem, é pre­ci­so mui­ta cri­a­ti­vi­da­de pa­ra fa­zer tan­tas ilus­tra­ções, pa­ra pú­bli­cos mui­tas ve­zes com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes.

O ilus­tra­dor, char­gis­ta e ta­tu­a­dor Gus­ta­vo San­do­val Dan­tas, mais co­nhe­ci­do co­mo Sas­sá, tra­ba­lhou por mui­tos anos em um jor­nal diá­rio e ho­je se de­di­ca às ta­tu­a­gens e ilus­tra­ções pa­ra car­ta­zes e ma­te­ri­ais afins.

Ele con­ta que apren­deu a ta­tu­ar quan­do ain­da tra­ba­lha­va no jor­nal. Che­gou a abrir um es­tú­dio e atu­ar co­mo ta­tu­a­dor, mas as char­ges to­ma­vam mui­to tem­po e em al­guns di­as era com­pli­ca­do con­ci­li­ar as du­as ati­vi­da­des. “Eu fi­ca­va de olho nas pau­tas do dia, po­dia es­co­lher um ou mais as­sun­tos pa­ra as char­ges, que eram diá­ri­as. Eu pro­cu­ra­va fa­zer de­se­nhos que mis­tu­ras­sem vá­ri­as referências que eu ti­ves­se, mas de uma ma­nei­ra que as pes­so­as en­ten­des­sem aqui­lo. Eu te­nho que usar o que to­dos co­nhe­cem. Já na ta­tu­a­gem eu gos­to de ter mais prazo, es­tu­dar o de­se­nho, cri­ar al­go e era mui­to di­fí­cil fa­zer a char­ge jun­to com ou­tra coi­sa”, des­cre­ve.

De­pois que o jor­nal en­cer­rou su­as ati­vi­da­des, ele en­tão pô­de se de­di­car de for­ma mais in­ten­sa à ta­tu­a­gem. “Na ta­tu­a­gem que­rem coi­sas di­fe­ren­tes, é di­fe­ren­te o de­sa­fio. Na char­ge eu pre­ci­sa­va me pre­o­cu­par com a ideia, mas o es­ti­lo era o mes­mo. Já na ‘ta­too’ são es­ti­los va­ri­a­dos, po­de ser um re­tra­to, a re­pro­du­ção de um de­se­nho. Ne­la eu pre­ci­so al­gu­mas ve­zes es­tu­dar a téc­ni­ca, o es­ti­lo da ta­tu­a­gem. Mes­mo quan­do me tra­zem um de­se­nho pron­to eu pro­cu­ro não fa­zer tu­do igual, co­lo­car o meu tra­ço, fa­zer al­go atem­po­ral”, ex­pli­ca Sas­sá.

‘NEW SCHOLL’

Uma “sim­ples” ta­tu­a­gem pa­ra re­pre­sen­tar mãe e fi­lha, por exem­plo, po­de ir mui­to além de es­cre­ver o no­me de am­bas. Usan­do sua cri­a­ti­vi­da­de, ele ten­ta cri­ar de­se­nhos que se­jam re­la­ci­o­na­dos a ati- vi­da­des co­muns en­tre am­bas, mui­tas ve­zes al­go tão par­ti­cu­lar que se­ja co­nhe­ci­do ape­nas por elas, sem a ne­ces­si­da­de de es­cre­ver os no­mes.

Em­bo­ra pro­cu­re ta­tu­ar den­tro de di­ver­sos es­ti­los, Sas­sá con­ta que sua es­pe­ci­a­li­da­de é a ‘new scholl’. O pro­ces­so pa­ra cri­ar os de­se­nhos po­de le­var um dia ou mais, de­pen­den­do do que o cli­en­te de­se­ja.

BAGAGEM

Sas­sá diz que se con­si­de­ra cri­a­ti­vo, em­bo­ra al­gu­mas ve­zes pos­sa ter o fa­mo­so blo­queio. “A char­ge aju­dou a de­sen­vol­ver o ra­ci­o­cí­nio. Pa­ra de­sen­vol­ver a cri­a­ti­vi­da­de pro­cu­ro ler mui­to, ver fil­mes, de­se­nhos ani­ma­dos, qua­dri­nhos. Leia, veja te­le­vi­são, fil­mes, no­ve­las, vi­a­je. Tu­do is­so te dá bagagem”, en­si­na.

O pro­fis­si­o­nal acre­di­ta tam­bém que de­se­nho não é um dom e sim al­go que pos­sa ser de­sen­vol­vi­do. “É perseverança”, des­ta­ca. “A cri­a­ti­vi­da­de te aju­da a ser bom, mas vo­cê pre­ci­sa de­sen­vol­ver, es­tar por den­tro do mun­do, ter es­sa ba­se, sa­ber atin­gir as pes­so­as.”

Além de exer­ci­tar sua cri­a­ti­vi­da­de na for­ma de de­se­nhos, Sas­sá diz que tam­bém se con­si­de­ra cri­a­ti­vo em ou­tras áre­as, co­mo pa­ra con­ser­tar e cons­truir coi­sas em ca­sa. Ele tam­bém faz mi­xa­gens pe­gan­do uma ba­se so­no­ra e co­lo­can­do o vo­cal de ou­tra, no pro­ces­so co­nhe­ci­do co­mo “mashup”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.