Das au­las de quí­mi­ca pa­ra o YouTu­be

Pro­fes­sor de Lon­dri­na foi um dos par­ti­ci­pan­tes da se­gun­da edi­ção do En­con­tro Na­ci­o­nal do YouTu­be Edu, que tem o ob­je­ti­vo de reu­nir edu­ca­do­res que uti­li­zam a pla­ta­for­ma pa­ra dis­se­mi­nar co­nhe­ci­men­to

Folha de Londrina - - Gente - Re­por­ta­gem Lo­cal

Opro­fes­sor de quí­mi­ca Ri­car­do Marx, do cur­so Pri­me em Lon­dri­na, faz par­te do se­le­to gru­po dos edu­tu­bers, que são you­tu­bers que se des­ta­cam por usar a pla­ta­for­ma de ví­de­os on-line pa­ra am­pli­ar o aces­so à edu­ca­ção. Mais co­nhe­ci­do nas re­des so­ci­ais co­mo pro­fes­sor Marx, ele man­tém o ca­nal Mun­do da Quí­mi­ca, que uti­li­za pa­ra de­mo­cra­ti­zar o aces­so aos con­teú­dos de ensino mé­dio pa­ra es­tu­dan­tes de to­do o Bra­sil.

A po­pu­la­ri­da­de do edu­ca­dor em um uni­ver­so de mais de 60 mil se­gui­do­res ren­deu o con­vi­te pa­ra par­ti­ci­par, pe­lo se­gun­do ano, do En­con­tro Na­ci­o­nal do YouTu­be Edu, even­to pro­mo­vi­do pe­lo YouTu­be cu­jo ob­je­ti­vo é reu­nir edu­ca­do­res que uti­li­zam a pla­ta­for­ma pa­ra dis­se­mi­nar co­nhe­ci­men­to. O even­to foi no dia 29 de se­tem­bro no Rio de Ja­nei­ro. Na edi­ção do ano pas­sa­do, Marx par­ti­ci­pou pe­la pri­mei­ra vez do en­con­tro que reu­niu cem ca­nais com per­fil edu­ca­ti­vo. “Fui um dos dez me­di­a­do­res de uma con­ver­sa so­bre YouTu­be e edu­ca­ção”, con­ta.

Na edi­ção de 2018, ele ob­ser­vou que a ideia bra­si­lei­ra de cri­ar uma pla­ta­for­ma de edu­ca­ção im­pac­tou o YouTu­be em ou­tros paí­ses. “Ti­ve­mos a pre­sen­ça de ca­nais es­tran­gei­ros, co­mo o ‘Smar­ter every day’”, co­men­ta, des­ta­can­do que o YouTu­be tem se tor­na­do a mai­or fon­te de pes­qui­sa pa­ra quem qu­er apren­der a fa­zer al­go. “Is­so in­clui es­tu­dar”, di­ver­te-se.

A his­tó­ria des­te edu­ca­dor que já é um su­ces­so na in­ter­net re­mon­ta à ado­les­cên­cia pas­sa­da em As­sis, no in­te­ri­or de São Pau­lo, on­de in­clu­si­ve mo­rou na zo­na rural. “Quan­do eu es­ta­va no ensino mé­dio, o que eu mais que­ria na vi­da era pas­sar no ves­ti­bu­lar. Eu ti­nha me­do de não con­se­guir, de de­cep­ci­o­nar meus pais, de me sen­tir um fra­cas­sa­do”, re­cor­da o pro­fes­sor, que te­ve a mai­or par­te da for­ma­ção em es­co­la pú­bli­ca.

Por is­so, di­an­te das ad­ver­si­da­des en­fren­ta­das pe­la fal­ta de ba­se pa­ra al­can­çar o so­nho de en­trar na uni­ver­si­da­de, ele pas­sou a es­tu­dar so­zi­nho em ca­sa. “Lia os li­vros de te­o­ria, ten­ta­va re­sol­ver os exer­cí­ci­os e, co­mo mui­tas ve­zes não con­se­guia, ia aos plan­tões de dú­vi­das ten­tan­do ter uns mi­nu­ti­nhos de aten­ção do pro­fes­sor. Eu per­dia ho­ras por al­guns mi­nu­tos de aten­ção”, con­ta ele, que após mui­ta de­di­ca­ção, es­for­ço e dis­ci­pli­na foi apro­va­do em Quí­mi­ca na Unesp (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al Pau­lis­ta) de Ara­ra­qua­ra.

O que se se­guiu de­pois foi uma ma­ra­to­na pa­ra al­can­çar o pro­je­to de ter­mi­nar a gra­du­a­ção. “Aban­do­nei a faculdade uma vez por fal­ta de con­di­ções financeiras e vol­tei pa­ra As­sis, on­de mi­nha fa­mí­lia mo­ra­va, pa­ra tra­ba­lhar em um car­ro de som”, re­la­ta ele, que re­to­mou os es­tu­dos, con­se­guiu uma bol­sa de ini­ci­a­ção ci­en­tí­fi­ca e, as­sim, ini­ci­ou a car­rei­ra na do­cên­cia.

Pou­co tem­po após a for­ma­tu­ra, co­me­çou a dar au­las de quí­mi­ca pa­ra o ensino mé­dio em ci­da­des co­mo As­sis, Pal­mi­tal, Ou­ri­nhos, Ma­rí­lia, Gar­ça, Ibi­tin­ga, Pom­peia e Lon­dri­na. Co­mo eram mui­tos alu­nos, Marx con­ta que de­ci­diu pos­tar re­so­lu­ções de exer­cí­ci­os no YouTu­be pa­ra aten­der pe­di­dos da­que­les que o pro­cu­ra­vam de­pois da au­la pa­ra re­sol­ver dú­vi­das. “Co­mo eram as mes­mas ex­pli­ca­ções pa­ra alu­nos di­fe­ren­tes, co­me­cei a usar ví­de­os pa­ra aten­der a to­dos”, diz.

O tem­po pas­sou e ele co­me­çou a per­ce­ber que ti­nha mais se­gui­do­res do que a quan­ti­da­de de alu­nos pa­ra quem da­va au­las pre­sen­ci­ais. “Era des­pre­ten­si­o­so, mas cres­ceu. Os es­tu­dan­tes co­me­ça­ram a pe­dir pa­ra eu apa­re­cer e as­sim o ca­nal se con­fi­gu­rou”, re­la­ta ele, que ho­je re­ce­be apoio de um ge­ren­te do YouTu­be pa­ra gra­var os ví­de­os. Tu­do é fei­to em par­ce­ria com a es­po­sa, a em­pre­en­de­do­ra di­gi­tal Patrícia Marx.

Além do ca­nal Mun­do da Quí­mi­ca, ele man­tém a pla­ta­for­ma de cur­sos www.pro­fes­sor­marx.com.br , on­de ofe­re­ce cur­sos de quí­mi­ca com con­teú­do de ensino mé­dio. “É uma ex­pe­ri­ên­cia in­crí­vel. Pe­la in­ter­net con­si­go che­gar a lo­cais mui­to dis­tan­tes, já ti­ve alu­no de um vi­la­re­jo da Amazô­nia es­tu­dan­do co­mi­go. Fi­co fe­liz por des­mis­ti­fi­car o es­tu­do da quí­mi­ca”, re­la­ta.

As ideias de Marx tam­bém es­tão no ima­gi­ná­rio dos es­tu­dan­tes atra­vés da mú­si­ca “Ba­ti­dão da Es­te­qui­o­me­tria”, que foi se­le­ci­o­na­da pe­lo con­cur­so For­mu­la Songs, da Spri­te, pa­ra ajudar alu­nos ins­cri­tos no ENEM.

O pro­fes­sor se pre­pa­ra, ago­ra, pa­ra cum­prir uma no­va mis­são: dis­se­mi­nar co­nhe­ci­men­tos so­bre pro­du­ção de ví­deo-au­las e uso da in­ter­net pa­ra ou­tros edu­ca­do­res atra­vés da pla­ta­for­ma Tec­noP­rof - Tec­no­lo­gia pa­ra Professores (www.cur­so­tec­no­prof.com.br). “Com a tec­no­lo­gia, é pos­sí­vel nos apro­xi­mar­mos da lin­gua­gem dos alu­nos, além de atin­gir mais pes­so­as”, acre­di­ta.

No cur­so on­de atua em Lon­dri­na, o pro­fes­sor Marx uti­li­za as tec­no­lo­gi­as de for­ma ain­da mais di­re­ci­o­na­da. Além de res­pon­der dú­vi­das que sur­gem em sa­la de au­la no ca­nal, tam­bém tem uma lis­ta de trans­mis­são no WhatsApp por on­de en­ca­mi­nha di­cas e re­so­lu­ções de exer­cí­ci­os. “É um atendimento per­so­na­li­za­do que só a tec­no­lo­gia per­mi­te”, diz.

“É uma ex­pe­ri­ên­cia in­crí­vel. Pe­la in­ter­net con­si­go che­gar a lo­cais mui­to dis­tan­tes”, diz Ri­car­do Marx

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.