No co­lé­gio in­ter­no

Folha de Londrina - - Folha Rural -

Hou­ve uma épo­ca dé­ca­das de 1950 e 1960 - em que as fa­mí­li­as co­lo­ca­vam su­as fi­lhas in­ter­nas em co­lé­gio de frei­ras e os fi­lhos em se­mi­ná­ri­os pa­ra es­tu­dar. Era en­tão ja­nei­ro de 1962, quan­do meus pais che­ga­ram pa­ra mim e dis­se­ram que eu iria pa­ra o in­ter­na­to em Agu­dos (SP), on­de mi­nhas pri­mas Ven­tu­ro­sa, Car­mem e Ci­di­nha, de Cor­né­lio Pro­có­pio, ha­vi­am se for­ma­do pro­fes­so­ras. Não se dis­cu­tia, ape­nas obe­de­cia. A ma­mãe, com a lis­ta do en­xo­val em mãos, co­me­çou a pre­pa­rá-lo, apli­can­do meu nú­me­ro 64 nas rou­pas pes­so­ais, de ca­ma, ba­nho, até no véu bran­co que ain­da se usa­va na épo­ca pa­ra ir à igre­ja. Tu­do pron­to, eu pre­ci­sa­va es­tar no co­lé­gio no fi­nal de fe­ve­rei­ro por­que as au­las co­me­ça­ri­am em mar­ço.

Era o Ins­ti­tu­to Nos­sa Se­nho­ra do Sa­gra­do Co­ra­ção, di­ri­gi­do pe­las Ir­mãs Fran­cis­ca­nas. Fun­ci­o­na­va o in­ter­na­to - uma mé­dia de 150 alu­nas - o ex­ter­na­to e tam­bém ali es­tu­da­vam as me­ni­nas que iam se tor­nar frei­ras, as can­di­da­tas. Ha­via dois dor­mi­tó­ri­os pa­ra as alu­nas do cur­so nor­mal, dois pa­ra nós do gi­ná­sio e um pa­ra as fu­tu­ras frei­ras. Em ca­da dor­mi­tó­rio, ha­via mais ou me­nos de 40 a 50 ca­mas e uma ce­la on­de dor­mia a ir­mã res­pon­sá­vel por ele. As­sis­tía­mos à mis­sa na ca­pe­la um dia sim, ou­tro não, re­ve­zan­do com as mai­o­res; mas aos do­min­gos, ía­mos to­das. Du­ran­te a se­ma­na, de­pois do ca­fé da ma­nhã, as­sis­tía­mos às au­las.

Al­mo­çá­va­mos,

des­can­sá­va­mos um pou­co no pá­tio in­ter­no e, em se­gui­da, ía­mos pa­ra a sa­la de es­tu­dos on­de ca­da uma ti­nha sua car­tei­ra pra guardar to­do o ma­te­ri­al es­co­lar. Fi­cá­va­mos a tar­de to­da, fa­zen­do ta­re­fa, es­tu­dan­do. Co­mo sem­pre gos­tei de ler, eu lia Machado de As­sis, Jo­sé Lins do Re­go, Gra­ci­li­a­no Ra­mos, Jor­ge Ama­do e fa­zia ficha de lei­tu­ra de ca­da li­vro. Du­as ve­zes por mês, tí­nha­mos que es­cre­ver pa­ra ca­sa e dei­xá­va­mos as car­ti­nhas na me­sa da Ma­dre Jo­a­qui­na que fi­ca­va co­nos­co na sa­la de es­tu­dos. Lá pe­las 15 ho­ras, uma ir­mã ia até a sa­la e or­ga­ni­za­va as me­ni­nas pa­ra ir to­mar ba­nho. Es­te ti­nha que du­rar no má­xi­mo dez mi­nu­tos, de­pois ela já fi­ca­va ba­ten­do na por­ta.

Às 17h30, era o jan­tar; em se­gui­da, re­zá­va­mos o ter­ço na

gru­ta de Nos­sa Se­nho­ra que ha­via na en­tra­da do co­lé­gio. Fi­cá­va­mos pas­se­an­do por ali até che­gar a ho­ra de dor­mir. Às 19h30, na mi­nha ca­ma, eu ou­via emo­ci­o­na­da, a lin­da mú­si­ca Mo­on­light Se­re­na­de, com o Glenn Mil­ler e Or­ques­tra; era o iní­cio dos ser­vi­ços de al­to-fa­lan­te do ci­ne­ma de Agu­dos. A Ir­mã fi­ca­va co­nos­co, no dor­mi­tó­rio, an­dan­do pra lá e pra cá e, às 20 ho­ras, ela apa­ga­va as lu­zes.

Aos sá­ba­dos, tí­nha­mos fil­mes no Sa­lão No­bre; era a épo­ca de Romy Sch­nei­der (a Sis­si), San­dra Dee, Troy

Do­nahue, etc. O fil­me Ben Hur com o Charl­ton Hes­ton, as­sis­ti­mos em Bau­ru. Aos do­min­gos, tí­nha­mos mú­si­ca. As me­ni­nas mai­o­res dan­ça­vam rock, twist, ao som de Bill Ha­ley e seus Co­me­tas, Chubby Chec­ker, El­vis Pres­ley, en­quan­to nós sen­tá­va­mos no chão e jo­gá­va­mos da­mas, do­mi­nó, va­re­tas, cin­co sa­qui­nhos, ba­ra­lho. Nos fe­ri­a­dos pro­lon­ga­dos, as me­ni­nas que mo­ra­vam em ci­da­des per­to de Agu­dos, iam pa­ra su­as ca­sas e nós que mo­rá­va­mos lon­ge, fi­cá­va­mos no co­lé­gio. Mas o pa­pai sem­pre me

vi­si­ta­va por­que ia bus­car cer­ve­ja Brah­ma na fá­bri­ca em Agu­dos pa­ra le­var pra Ser­ta­ne­ja.

Nos pri­mei­ros di­as de co­lé­gio, eu cho­ra­va to­das as noi­tes de sau­da­des de ca­sa, dos meus pais, dos meus ir­mãos e das nos­sas brin­ca­dei­ras. Mais tar­de, re­co­nhe­ci que foi um tem­po bom. Agra­de­ço a Deus po­der es­tu­dar num óti­mo co­lé­gio, que me deu uma boa for­ma­ção, po­der con­vi­ver com tan­tas pes­so­as ba­ca­nas que pas­sa­ram na mi­nha vi­da: as ir­mãs, as co­le­gas, as fu­tu­ras frei­ras...

Nos pri­mei­ros di­as de co­lé­gio, eu cho­ra­va to­das as noi­tes de sau­da­des de ca­sa, dos meus pais, dos meus ir­mãos e das nos­sas brin­ca­dei­ras. Mais tar­de, re­co­nhe­ci que foi um tem­po bom”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.