O mun­do sofre mu­dan­ças cons­tan­tes. O êxito do pas­sa­do não ga­ran­te o su­ces­so fu­tu­ro

A par­ti­ci­pa­ção das mu­lhe­res na ad­mi­nis­tra­ção das pro­pri­e­da­des es­ti­mu­la a or­ga­ni­za­ção de even­tos es­pe­cí­fi­cos a es­se pú­bli­co

Folha de Londrina - - Primeira Página - AGRO­NE­GÓ­CIO RES­PON­SÁ­VEL

Onú­me­ro de mu­lhe­res no cam­po só vem au­men­tan­do no Bra­sil. De acor­do com o IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca) en­tre 2006 e 2017 o nú­me­ro de pro­du­to­ras ru­rais cres­ceu de 12,7% pa­ra 18,6%. A ca­pa­ci­ta­ção des­sas mu­lhe­res do cam­po vem ga­nha­do for­ça e re­sul­tan­do em even­tos Bra­sil afo­ra, co­mo 3º En­con­tro de Mu­lhe­res do Agro, re­a­li­za­do no dia 5 de ou­tu­bro em Lon­dri­na. E o Mul­ti Agro es­te­ve lá.

Pro­mo­vi­do pe­la Be­la­grí­co­la, o even­to te­ve co­mo te­ma “O mer­ca­do de grãos: co­mo co­mer­ci­a­li­zar a mi­nha sa­fra e qu­ais es­tra­té­gi­as ad­mi­tir na ho­ra da negociação?”. Se­gun­do a di­re­to­ra ad­mi­nis­tra­ti­va da em­pre­sa e or­ga­ni­za­do­ra do en­con­tro, Re­be­ca Lins, a abor­da­gem ofe­re­ci­da ao cli­en­te do agro­ne­gó­cio sem­pre foi mui­to vol­ta­do pa­ra o pú­bli­co mas­cu­li­no. “Que­ría­mos tam­bém tra­tar a pro­du­to­ra rural, sob o pon­to de vis­ta feminino”, ex­pli­ca. A pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia re­a­li­zou-se em mar­ço, no Dia da Mu­lher, e a re­cep­ti­vi­da­de foi mui­to boa. Além de pa­les­tras, as par­ti­ci­pan­tes tam­bém par­ti­ci­pa­ram de vi­si­tas téc­ni­cas e di­as de cam­po.

En­tre as pa­les­tran­tes do ter­cei­ro en­con­tro, Carla Ros­sa­to, que ad­mi­nis­tra qua­tro pro­pri­e­da­des ru­rais, trou­xe um pou­co de sua ex­pe­ri­ên­cia. “Sou res­pon­sá­vel pe­lo pla­ne­ja­men­to, de com­pra, de ven­das. Acom­pa­nho na fa­zen­da tam­bém os pe­río­dos de plan­tio e co­lhei­ta.” Ela cre­di­ta o su­ces­so do tra­ba­lho ao gru­po de co­la­bo­ra­do­res que a au­xi­lia. “A ad­mi­nis­tra­ção de uma propriedade pre­ci­sa de uma equi­pe, tal qu­al uma em­pre­sa. Ca­da um tem sua fun­ção, res­pon­sa­bi­li­da­de e é pe­ça fun­da­men­tal”, res­sal­ta.

Além da ad­mi­nis­tra­ção, as mu­lhe­res tam­bém es­tão mais pre­sen­tes no dia a dia do cam­po. Thay­lú Cas­ca­es, consultora téc­ni­ca da Be­la­grí­co­la, acom­pa­nha os pro­du­to­res du­ran­te to­do o pro­ces­so: na es­co­lha da va­ri­e­da­de que se­rá plan­ta­da, nos mé­to­dos de adu­ba­ção, na es­co­lha de de­fen­si­vos e até na comercialização. “Ain­da é uma área mui­to mas­cu­li­na, mas acre­di­to que is­so de­ve-se ao re­ceio de mui­tas mu­lhe­res de as­su­mir o tra­ba­lho no cam­po. Ti­ve es­se re­ceio e quan­do che­guei lá vi que é bem tran­qui­lo, mui­to mais do que a gen­te ima­gi­na”, con­ta.

A re­a­li­za­ção da ter­cei­ra edi­ção do En­con­tro de Mu­lhe­res do Agro foi elo­gi­a­da pe­las par­ti­ci­pan­tes. Pa­ra a ge­ren­te ad­mi­nis­tra­ti­va de um gru­po de fa­zen­das, Mar­ci­le­ne Bu­e­no, mais que um es­pa­ço pa­ra se mos­trar a com­pe­tên­cia fe­mi­ni­na pa­ra o agro, o even­to é uma opor­tu­ni­da­de de ad­qui­rir mais co­nhe­ci­men­to.

A pro­du­to­ra rural Gi­an­ne Bar­bi­e­ri des­ta­cou o en­fo­que da­do à comercialização e à equa­li­za­ção dos cus­tos de pro­du­ção. “A prin­ci­pal di­fi­cul­da­de do pro­du­tor rural, atu­al­men­te, é o pro­ces­so de tra­va­men­to de preço, equa­li­zar os cus­tos de pro­du­ção e a ren­ta­bi­li­da­de do ne­gó­cio”, afir­ma.

O Mul­ti Agro vai ao ar no do­min­go (14), às 8h na Mul­ti TV (ca­nal 20 e 520 da NET), com re­pri­ses diá­ri­as.

Re­pro­du­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.