Es­ta se­ma­na, a po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca apa­re­ceu no pal­co e di­vi­diu opi­niões in­fla­ma­das

Folha de Londrina - - Primeira Página - CÉLIA MUSILLI

Es­ta se­ma­na, a po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca apa­re­ceu no pal­co e di­vi­diu opi­niões in­fla­ma­das, so­bre­tu­do nas re­des so­ci­ais, de­pois que o ro­quei­ro Ro­ger Wa­ters, ex-Pink Floyd, fez shows de pro­tes­to em São Pau­lo, lis­tan­do li­de­ran­ças mun­di­ais de di­rei­ta, que con­si­de­ra au­to­ri­tá­ri­as, com o no­me de um can­di­da­to bra­si­lei­ro à pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Pe­la ati­tu­de foi vai­a­do por par­te de uma pla­teia al­vo­ro­ça­da por vá­ri­os mi­nu­tos. O Bra­sil an­da de um jei­to que bas­ta chu­tar uma la­ti­nha pa­ra que o ba­ru­lho te­nha o efei­to de uma bom­ba.

Par­te da pla­teia que foi ao show de Wa­ters de­cer­to des­co­nhe­cia su­as po­si­ções po­lí­ti­cas, pre­sen­tes em ál­buns len­dá­ri­os da ban­da Pink Floyd, co­mo “The Wall” e, es­pe­ci­al­men­te na mú­si­ca “Another brick in the wall”, que se trans­for­mou num hi­no de con­tes­ta­ção no fim dos anos 1970. A vi­bra­ção da mú­si­ca - di­vi­di­da em três par­tes - bem co­mo sua le­tra po­li­ti­za­da eco­am no tem­po co­mo um ex­po­nen­ci­al de ar­te en­ga­ja­da, sin­te­ti­za­da nu­ma es­té­ti­ca de al­ta vol­ta­gem.

Quem es­tra­nhou a po­si­ção po­lí­ti­ca de Wa­ters du­ran­te o show, e ten­tou ca­lá-lo com vai­as, de­cer­to des­co­nhe­ce sua his­tó­ria de ga­ro­to in­glês que per­deu o pai na Se­gun­da Guerra, mor­to pe­los na­zis­tas. É es­sa ci­ca­triz que ele car­re­ga na mú­si­ca, a exem­plo de ou­tros tan­tos ar­tis­tas que se en­vol­ve­ram com po­lí­ti­ca por ra­zões in­di­vi­du­ais ou co­le­ti­vas.

A ar­te sem­pre in­co­mo­dou pro­fun­da­men­te os par­ti­da­ris­mos, de es­quer­da e di­rei­ta, pe­lo seu con­teú­do li­ber­tá­rio. O na­zis­mo con­si­de­ra­va co­mo “ar­te de­ge­ne­ra­da” - a ser des­truí­da - o que era sim­ples­men­te o nas­ci­men­to da ar­te mo­der­na. O co­mu­nis­mo pren­deu e as­sas­si­nou ar­tis­tas que não com­pac­tu­a­vam com o au­to­ri­ta­ris­mo. Exem­plos con­tem­po­râ­ne­os de ar­te en­ga­ja­da te­mos em Bob Dy­lan, John Len­non ou Bo­no Vox, só pa­ra fi­car na mú­si­ca. Te­mos a ar­te en­ga­ja­da que não che­ga a ser pan­fle­tá­ria, mas in­co­mo­da pe­lo que re­pre­sen­ta co­mo ati­tu­de de li­ber­da­de sem amar­ras, so­bre­tu­do no cam­po dos cos­tu­mes.

Re­cen­te­men­te no Bra­sil, ti­ve­mos ca­sos de ex­po­si­ções fe­cha­das e per­for­man­ces cen­su­ra­das pe­lo fa­to de apre­sen­ta­rem nu­dez, vis­ta co­mo pro­pos­ta de­sa­fi­a­do­ra ao ‘es­ta­blish­ment’ de di­rei­ta. O cor­po nu in­co­mo­da co­mo um re­po­si­tó­rio cul­tu­ral de ma­ni­queís­mos mo­rais - o bem con­tra o mal, o pe­ca­do con­tra a vir­tu­de - quan­do de­ve­ria ser vis­to ape­nas co­mo pai­sa­gem na­tu­ral.

O cor­po nu vi­sa­do co­mo “eró­ti­co” ser­ve pro­fun­da­men­te aos dis­si­mu­la­dos que unem po­lí­ti­ca e con­tro­le - mes­mo quan­do não ex­pres­sa ero­tis­mo al­gum. Gos­to mui­to da frase “nem to­do nu é eró­ti­co e nem to­do ero­tis­mo é nu”, pe­lo que sin­te­ti­za de mentiras que que­rem trans­for­mar em ver­da­des a par­tir de um ble­fe mo­ral.

Pa­ra fi­car num exem­plo sim­ples, um de­co­te mui­tas ve­zes é mais eró­ti­co do que uma ná­de­ga ex­pos­ta. Mas nu­ma so­ci­e­da­de que va­lo­ri­za de­co­tes pro­fun­dos e co­bre pu­di­ca­men­te as ná­de­gas, o discurso po­lí­ti­co mo­ra­li­zan­te so­bre a nu­dez pe­ga des­pre­ve­ni­dos que não sa­bem dis­so­ci­ar o nu do pe­ca­do ou da ver­go­nha. Fal­ta in­ter­pre­ta­ção a quem lê to­do cor­po nu só co­mo ob­je­to eró­ti­co. Fal­ta in­ter­pre­ta­ção a quem con­si­de­ra o nu eró­ti­co não em sua na­tu­ra­li­da­de, mas co­mo ex­po­si­ção ve­xa­tó­ria.

De qual­quer mo­do, con­ti­nuo pre­fe­rin­do a “inu­ti­li­da­de” da ar­te à ar­te en­ga­ja­da. Gos­to da sub­je­ti­vi­da­de, do não ex­plí­ci­to, do que in­ci­ta a in­ter­pre­ta­ção num ter­re­no trans­for­ma­dor. Mas acre­di­to que ar­tis­tas co­mo Ro­ger Wa­ters, as­sim co­mo po­e­tas co­mo Ber­tolt Bre­cht - di­to de es­quer­da - ou En­za Pound - di­to de di­rei­ta - me­re­cem aplau­sos e con­si­de­ra­ção pe­lo que as­so­ci­am de ar­te e vi­da em al­tís­si­ma vol­ta­gem. Acre­di­to, so­bre­tu­do, no dis­cer­ni­men­to de quem co­lo­ca a qua­li­da­de das obras aci­ma das ide­o­lo­gi­as. Di­to is­so, me so­mo aos que aplau­dem Ro­ger Wa­ters, su­as mú­si­cas e su­as ati­tu­des. A ar­te é bem mai­or que as vai­as e as mor­da­ças po­lí­ti­cas, ela trans­bor­da pe­la for­ça es­té­ti­ca e sem­pre ul­tra­pas­sa o cer­ca­di­nho es­trei­to das fac­ções ide­o­ló­gi­cas.

Mar­co Ja­cob­sen

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.