O SO­NHO DO ES­POR­TE CON­TI­NUA

A Olim­pía­da do Rio não cum­priu a promessa de aca­bar com a mo­no­ma­nia do fu­te­bol no Bra­sil. Mas quem se de­di­ca a ou­tras mo­da­li­da­des e tra­ba­lha pe­lo seu for­ta­le­ci­men­to não dei­xa de su­ar em bus­ca de di­as me­lho­res

Folha de Londrina - - Especial Transmídia - FÁ­BIO GALÃO EDITOR DE ES­POR­TE

Quan­do o Rio de Ja­nei­ro foi es­co­lhi­do em 2009 pa­ra ser a se­de dos Jo­gos Olím­pi­cos de 2016, os pri­mei­ros re­a­li­za­dos no Bra­sil e em to­da a Amé­ri­ca do Sul, os mais ufa­nis­tas dis­cur­sa­ram que o even­to se­ria o ata­lho pa­ra o País con­cre­ti­zar um so­nho de dé­ca­das: tor­nar-se uma po­tên­cia olím­pi­ca. Afi­nal, se­ri­am fei­tos gran­des in­ves­ti­men­tos pa­ra que os atle­tas bra­si­lei­ros bri­lhas­sem em ca­sa, e pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria te­ría­mos uma estrutura mul­ti­es­por­ti­va de al­tís­si­mo ní­vel.

O Bra­sil re­al­men­te fez no Rio sua me­lhor cam­pa­nha olím­pi­ca, com 19 me­da­lhas – se­te de ou­ro, seis de pra­ta e seis de bron­ze -, em­bo­ra o 13º lu­gar na clas­si­fi­ca­ção ge­ral te­nha fi­ca­do abai­xo da meta de ter­mi­nar en­tre os dez pri­mei­ros paí­ses. Mas àque­la al­tu­ra, com a cri­se econô­mi­ca re­ti­ran­do os pa­tro­cí­ni­os já es­cas­sos do es­por­te na­ci­o­nal, já se sa­bia que as di­fi­cul­da­des de sem­pre não ha­vi­am ces­sa­do. O Bra­sil se­gue sen­do o País do fu­te­bol, de cos­tas vi­ra­das pa­ra a mai­o­ria das ou­tras mo­da­li­da­des. A su­bu­ti­li­za­ção das be­las ins­ta­la­ções olím­pi­cas no Rio e os es­cân­da­los de cor­rup­ção en­vol­ven­do di­ver­sos car­to­las – en­tre eles o pre­si­den­te do COB (Co­mi­tê Olím­pi­co do Bra­sil) que ha­via tra­zi­do a Olim­pía­da pa­ra o País – só con­tri­buí­ram pa­ra a cons­ta­ta­ção de que a de­se­ja­da mu­dan­ça na nos­sa cul­tu­ra es­por­ti­va (o tal “legado”) não acon­te­ceu.

De 21 a 30 de se­tem­bro, Lon­dri­na vol­tou a se­di­ar a fa­se fi­nal dos JAP’s (Jo­gos Aber­tos do Pa­ra­ná), even­to cri­a­do na ci­da­de há mais de 60 anos e que não era re­a­li­za­do por aqui des­de 1997. Em qua­dras, gra­ma­dos, pis­ci­nas e pis­tas, mais de 4 mil atle­tas de 70 mu­ni­cí­pi­os pa­ra­na­en­ses re­pre­sen­ta­ram mi­lha­res de so­nhos – os pró­pri­os e os de trei­na­do­res, tor­ce­do­res, di­ri­gen­tes, ami­gos e fa­mi­li­a­res.

Ini­ci­an­tes ou ve­te­ra­nos, pro­fis­si­o­nais ou ama­do­res, do la­do de den­tro ou do la­do de fo­ra dos es­pa­ços de com­pe­ti­ção, es­ses per­so­na­gens se­guem se de­di­can­do ao es­por­te mes­mo so­fren­do com a fal­ta de in­cen­ti­vo e apoio fi­nan­cei­ro. Pa­ra es­te Es­pe­ci­al Trans­mí­dia, a FO­LHA en­tre­vis­tou al­guns dos en­vol­vi­dos no even­to e em to­dos en­con­trou o mes­mo sen­ti­men­to: o amor ao es­por­te cos­tu­ma ser a pró­pria re­com­pen­sa. É o mes­mo que mo­ti­va mi­lha­res de ou­tros atle­tas e pes­so­as a eles re­la­ci­o­na­das por to­do o País.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.