Pró­xi­mo man­da­to de­ve ser de­ci­si­vo pa­ra pla­ne­ja­men­to ur­ba­no

Qu­a­dri­ê­nio 2021-2024, com no­vos man­da­tos no Exe­cu­ti­vo e na Câ­ma­ra, de­ve ser de­ci­si­vo pa­ra de­fi­nir co­mo se­rá o fu­tu­ro de Lon­dri­na

Folha de Londrina - - Primeira Página - Lú­cio Flá­vio Mou­ra

Qu­a­dri­ê­nio 2021-2024 de­ve mar­car a con­so­li­da­ção do no­vo re­gra­men­to do de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no, com a apro­va­ção da Lei Ge­ral do Pla­no Di­re­tor. Es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­la FOLHA co­men­tam pri­o­ri­da­des pa­ra as pró­xi­mas ges­tão e le­gis­la­tu­ra

Te­ma pou­co dis­cu­ti­do na cam­pa­nha elei­to­ral e que ocu­pa espaço pe­ri­fé­ri­co no de­ba­te pú­bli­co, o pla­ne­ja­men­to ur­ba­no de­ve vi­ver uma era de ou­ro en­tre 2021 e 2024, o qu­a­dri­ê­nio dos no­vos man­da­tos de pre­fei­to e ve­re­a­do­res.

O pe­río­do de­ve mar­car a con­so­li­da­ção do no­vo re­gra­men­to do de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no, com a apro­va­ção da Lei Ge­ral do Pla­no Di­re­tor e de le­gis­la­ção com­ple­men­tar, vas­to con­jun­to que abar­ca re­gu­la­men­ta­ção am­bi­en­tal de di­ver­sas na­tu­re­zas, des­de pre­ser­va­ção do pa­trimô­nio cul­tu­ral, pos­tu­ras e par­ce­la­men­to do so­lo até pe­rí­me­tro ur­ba­no, sis­te­ma viá­rio e ou­tor­ga one­ro­sa.

As dis­cus­sões da Lei Ge­ral avan­çam len­ta­men­te nas co­mis­sões e es­tão na fa­se de ab­sor­ver emen­das - até ago­ra são mais de uma cen­te­na. Há um ris­co con­si­de­rá­vel de que a atu­al le­gis­la­tu­ra não con­si­ga ace­le­rar o trâ­mi­te nas co­mis­sões, tam­pou­co fa­zer to­dos os ajus­tes ne­ces­sá­ri­os ao tex­to ori­gi­nal, um ca­lha­ma­ço de 2,6 mil pá­gi­nas. Ain­da é pre­ci­so for­mar con­sen­so em al­guns pon­tos pa­ra o pro­je­to che­gar com so­li­dez ao ple­ná­rio. O mais pro­vá­vel, se­gun­do quem tra­fe­ga aten­to nos cor­re­do­res do Le­gis­la­ti­vo e Exe­cu­ti­vo, é que a apro­va­ção da Lei Ge­ral se­ja con­su­ma­da ape­nas na no­va le­gis­la­tu­ra. Quan­to às leis com­ple­men­ta­res, o pra­zo é ain­da mais im­pre­vi­sí­vel. O que se sa­be é que o as­sun­to não de­ve sair de pau­ta nos pró­xi­mos anos, opor­tu­ni­da­de ím­par pa­ra a so­ci­e­da­de lon­dri­nen­se de­fi­nir quais ca­rac­te­rís­ti­cas a ci­da­de te­rá até o seu cen­te­ná­rio em 2034.

Ou­tra no­vi­da­de que de­ve ser im­ple­men­ta­da no pró­xi­mo ci­clo ad­mi­nis­tra­ti­vo do mu­ni­cí­pio é o Mas­ter­plan, me­ca­nis­mo que es­ta­be­le­ce me­tas e di­re­tri­zes pa­ra cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos nos mais di­fe­ren­tes se­to­res, in­clu­si­ve pa­ra as po­lí­ti­cas ur­ba­nas. Es­te mês, foi con­cluí­do o pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio pa­ra a es­co­lha da em­pre­sa que vai ela­bo­rar o pla­no - a vi­to­ri­o­sa foi a ca­ri­o­ca Ma­cro­plan, que pres­ta ser­vi­ços si­mi­la­res em mui­tos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. O con­tra­to pre­vê a con­clu­são do tra­ba­lho em até 13 me­ses.

PARTICIPAÇ­ÃO POPULAR

“Os pla­nos nor­te­a­do­res da po­lí­ti­ca ur­ba­na são fun­da­men­tais. Po­rém, se os ór­gãos mu­ni­ci­pais não es­ti­ve­rem bem es­tru­tu­ra­dos pa­ra im­ple­men­tá-los, pou­co se avan­ça”, ava­lia o ur­ba­nis­ta Jo­sé Luís Fa­ra­co, pro­fes­sor da UEL e dou­tor em Es­tru­tu­ras Am­bi­en­tais Ur­ba­nas pe­la USP. “A pró­xi­ma ges­tão de­ve for­ta­le­cer o Ip­pul, a Se­ma, a CMTU e a Cohab”, afir­ma. “Além dis­so, os ór­gãos co­le­gi­a­dos de­vem ser ca­pa­zes de as­se­gu­rar a participaç­ão popular nas de­ci­sões e a trans­pa­rên­cia nos pro­ces­sos”.

Fa­ra­co de­fen­de que nos pró­xi­mos qua­tro anos a ci­da­de con­te­nha sua ex­pan­são e ex­pli­ca os mo­ti­vos. “Te­nho ain­da a ex­pec­ta­ti­va de que Lon­dri­na ve­nha a se tor­nar uma ci­da­de mais com­pac­ta e den­sa”, diz. “Ci­da­des com es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas re­du­zem os cus­tos pú­bli­cos de ma­nu­ten­ção e me­lho­ram as re­cei­tas do mu­ni­cí­pio. Tam­bém oti­mi­zam o uso dos equi­pa­men­tos ur­ba­nos e co­mu­ni­tá­ri­os e va­lo­ri­zam o espaço edi­fi­ca­do, me­lho­ran­do as con­di­ções pa­ra di­ver­si­fi­ca­ção e dis­tri­bui­ção das ati­vi­da­des econô­mi­cas no ter­ri­tó­rio ur­ba­no. Tu­do is­so fa­vo­re­ce a vi­ta­li­da­de dos es­pa­ços ur­ba­nos, di­mi­nuin­do as chan­ces de ter­ri­tó­ri­os es­tag­na­dos e de­ca­den­tes”, es­cla­re­ce.

INDUSTRIAL­IZAÇÃO

O ve­re­a­dor Edu­ar­do To­mi­na­ga (DEM), vi­ce-pre­si­den­te da Co­mis­são de Po­lí­ti­ca Ur­ba­na e Meio Am­bi­en­te, acre­di­ta que uma das pri­o­ri­da­des do pró­xi­mo pre­fei­to, além da con­clu­são do no­vo Pla­no Di­re­tor e dos com­ple­men­tos, se­ja vi­a­bi­li­zar a ofer­ta de no­vas áre­as in­dus­tri­ais. “As mar­gens do no­vo tre­cho du­pli­ca­do da PR445, na re­gião sul, têm a van­ta­gem da in­fra­es­tru­tu­ra, o que atrai os in­ves­ti­do­res”.

O em­pre­sá­rio Ary Su­dam, que co­or­de­nou um tra­ba­lho so­bre Pla­ne­ja­men­to Es­tra­té­gi­co pa­ra o Fó­rum De­sen­vol­ve Lon­dri­na, con­cor­da que os so­nhos da industrial­ização ho­je es­bar­ram no pro­ble­ma es­pa­ci­al e que por is­so a pri­o­ri­da­de é pla­ne­jar a ex­pan­são in­dus­tri­al. “A Ci­da­de In­dus­tri­al que de­ve ser en­tre­gue no pró­xi­mo man­da­to não se­rá su­fi­ci­en­te por­que é vol­ta­da pa­ra plan­tas me­no­res. Pre­ci­sa­mos de ter­re­nos pa­ra em­pre­sas mai­o­res e acre­di­to que a me­lhor op­ção se­ja na re­gião sul”, afir­ma, re­fe­rin­do-se tam­bém ao cor­re­dor da PR-445.

O pre­si­den­te do Clu­be de En­ge­nha­ria e Ar­qui­te­tu­ra de Lon­dri­na (Ce­al), Car­los Jo­sé Mar­ques da Cos­ta Bran­co, acre­di­ta que o gran­de avan­ço na ado­ção do Mas­ter­plan é que a ci­da­de ga­nha um olhar con­cei­tu­al, que con­tem­pla um de­sen­vol­vi­men­to ge­ral e co­e­so. “Mas, sem dú­vi­da, o gran­de pas­so que da­re­mos se­rá a apro­va­ção do Pla­no Di­re­tor”, opi­na. “A com­bi­na­ção das du­as coi­sas é al­go mui­to pro­mis­sor”.

“Te­nho ain­da a ex­pec­ta­ti­va de que Lon­dri­na ve­nha a se tor­nar uma ci­da­de mais com­pac­ta e mais den­sa”

AE­RO­POR­TO

A ca­pa­ci­da­de do ae­ro­por­to, sua lo­ca­li­za­ção e seu pa­pel co­mo ve­tor de de­sen­vol­vi­men­to tam­bém de­vem ser de­ba­ti­dos no pró­xi­mo qu­a­dri­ê­nio, se­gun­do os en­tre­vis­ta­dos. “É pre­ci­so pla­ne­jar. Se

não se pla­ne­ja, não se con­se­gue fa­zer. No ca­so do ae­ro­por­to, te­mos du­as op­ções. Tor­nar a atu­al es­tru­tu­ra mais ro­bus­ta ou cons­truir ou­tra es­tru­tu­ra mai­or. O im­por­tan­te é que te­mos que in­cre­men­tar nos­sa lo­gís­ti­ca”, ava­lia Cos­ta Bran­co.

Ary Su­dam acre­di­ta que é pre­ci­so re­ser­var áre­as pró­xi­mas ao ae­ro­por­to pa­ra em­pre­sas de ma­triz tec­no­ló­gi­ca, que se­jam ca­pa­zes de ga­nhar com­pe­ti­ti­vi­da­de usu­fruin­do da es­tru­tu­ra ae­ro­por­tuá­ria e pen­sar no mer­ca­do glo­bal.

GLEBA PALHANO

Em re­la­ção a um dos te­mas mais de­ba­ti­dos con­cer­nen­te ao am­bi­en­te ur­ba­no, o trá­fe­go en­tre a área cen­tral pa­ra a re­gião do Ca­tu­aí Shop­ping nos ho­rá­ri­os de pi­cos, há uma ex­pec­ta­ti­va po­si­ti­va so­bre obras es­tru­tu­ran­tes no pró­xi­mo man­da­to. “Não há o que fa­zer se­não au­men­tar as op­ções de trans­po­si­ção dos la­gos. Além do vi­a­du­to no fi­nal da Ave­ni­da Ma­rin­gá, há um ou­tro pro­je­to mui­to bo­ni­to so­bre o Iga­pó I, com uma pon­te es­tai­a­da, que se­ria um no­vo mar­co ar­qui­tetô­ni­co”, diz Su­dam. To­mi­na­ga, por sua vez, men­ci­o­na a am­pli­a­ção da Ave­ni­da Cons­tan­ti­no Pi­a­la­ris­si, que for­ma­ria um cor­re­dor pa­ra­le­lo à Ave­ni­da Má­bio Palhano, par­tin­do da PR-445, que tam­bém po­de­ria de­sa­fo­gar o trá­fe­go na Gleba.

PAN­DE­MIA E POBREZA

O pro­fes­sor Fa­ra­co ad­ver­te pa­ra a pos­sí­vel se­que­la da pan­de­mia no am­bi­en­te ur­ba­no e que po­de ser ou­tro gran­de de­sa­fio pa­ra os no­vos man­da­tos: o au­men­to da pobreza, a pro­li­fe­ra­ção de in­va­sões e o cres­ci­men­to das fa­ve­las.

“Creio que de­ve­ría­mos dar mais ce­le­ri­da­de a uma po­lí­ti­ca ha­bi­ta­ci­o­nal que, pa­ra além da pro­du­ção de no­vas uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais, avan­ce de for­ma de­ci­si­va na re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria, es­pe­ci­al­men­te àque­la vol­ta­da à po­pu­la­ção mais vul­ne­rá­vel, de­vi­do ao con­se­quen­te au­men­to da pobreza e de­man­da por mo­ra­dia”, su­ge­re. “A pan­de­mia tam­bém nos mos­trou o quan­to faz fal­ta usu­fruir dos es­pa­ços pú­bli­cos de uso co­le­ti­vo. Ao fi­car­mos iso­la­dos, per­ce­be­mos a im­por­tân­cia des­ses lo­cais em nos­so dia-a-dia. Pa­ra o pró­xi­mo qu­a­dri­ê­nio, pen­so que es­ses es­pa­ços po­de­ri­am ser am­pli­a­dos e ur­ba­ni­za­dos, com des­ta­que pa­ra os fun­dos de va­les que, em ge­ral, per­ma­ne­cem sem con­di­ções ade­qua­das de uso”.

A FOLHA pro­cu­rou o Ip­pul pa­ra fa­lar so­bre o pla­ne­ja­men­to ur­ba­no da ci­da­de pa­ra os pró­xi­mos anos, mas não ob­te­ve res­pos­ta.

“Além do vi­a­du­to no fi­nal da Ma­rin­gá, há um ou­tro pro­je­to mui­to bo­ni­to so­bre o Iga­pó I, com uma pon­te es­tai­a­da”

ELEI­ÇÕES 2020

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.