Mi­nis­tro da Edu­ca­ção ne­ga plá­gio, e Bol­so­na­ro o de­fen­de

Bol­so­na­ro diz que cur­rí­cu­lo de mi­nis­tro tem ‘ina­de­qua­ções’; par­ce­la da cú­pu­la mi­li­tar já re­cua de apoio à no­me­a­ção

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Gus­ta­vo Uri­be e Pau­lo Saldaña

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Car­los Al­ber­to De­co­tel­li, ne­gou que te­nha co­me­ti­do plá­gio em sua te­se de mes­tra­do e afir­mou que con­ti­nua à fren­te do car­go.

Após en­con­tro com Jair Bol­so­na­ro, ele não dis­se pa­ra quan­do se­rá re­mar­ca­da sua ce­rimô­nia de pos­se, que on­tem foi sus­pen­sa.

O pre­si­den­te es­cre­veu em re­de so­ci­al que De­co­tel­li so­fre um pro­ces­so de des­le­gi­ti­ma­ção em ra­zão de “ina­de­qua­ções cur­ri­cu­la­res” e que o mi­nis­tro já “es­tá ci­en­te de seu equí­vo­co”.

Ape­sar do apa­ren­te apoio, Bol­so­na­ro pe­diu a de­pu­ta­dos e as­ses­so­res in­di­ca­ções de subs­ti­tu­tos.

BRASÍLIA Após en­con­tro com o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Car­los Al­ber­to De­co­tel­li, ne­gou que te­nha co­me­ti­do plá­gio em sua te­se de mes­tra­do e dis­se que con­ti­nua à fren­te do car­go.

Em se­gui­da, Bol­so­na­ro es­cre­veu em re­de so­ci­al que “por ina­de­qua­ções cur­ri­cu­la­res o pro­fes­sor vem en­fren­tan­do to­das as for­mas de des­le­gi­ti­ma­ção pa­ra o mi­nis­té­rio”.

“O Sr. De­co­tel­li não pre­ten­de ser um pro­ble­ma pa­ra a sua pas­ta (Go­ver­no), bem co­mo, es­tá ci­en­te de seu equí­vo­co”, dis­se o pre­si­den­te. “To­dos aque­les que con­vi­ve­ram com ele com­pro­vam sua ca­pa­ci­da­de pa­ra cons­truir uma Edu­ca­ção in­clu­si­va e de opor­tu­ni­da­des pa­ra to­dos”, afir­mou.

Ape­sar das de­cla­ra­ções que in­di­cam apoio ao mi­nis­tro, o pre­si­den­te pe­diu nes­ta se­gun­da (29) a de­pu­ta­dos e as­ses­so­res in­di­ca­ções de subs­ti­tu­tos.

Cons­ta­va no cur­rí­cu­lo de De­co­tel­li um dou­to­ra­do pe­la Uni­ver­si­da­de Na­ci­o­nal de Ro­sa­rio, da Ar­gen­ti­na, mas o rei­tor da ins­ti­tui­ção, Fran­co Bar­to­lac­ci, ne­gou que ele te­nha ob­ti­do o tí­tu­lo, in­for­ma­ção an­te­ci­pa­da pe­la co­lu­na Mô­ni­ca Ber­ga­mo. Há ain­da si­nais de plá­gio na sua dis­ser­ta­ção de mes­tra­do.

Além dis­so, a Uni­ver­si­da­de de Wup­per­tal, na Ale­ma­nha, in­for­mou que De­co­tel­li não pos­sui tí­tu­lo da ins­ti­tui­ção, ao con­trá­rio do que cons­ta­va em seu cur­rí­cu­lo, que men­ci­o­na­va um cur­so de pós-dou­to­ra­do.

Em fren­te ao Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, o mi­nis­tro não dis­se pa­ra quan­do se­rá re­mar­ca­da a ce­rimô­nia de pos­se, que foi sus­pen­sa nes­ta se­gun­da­fei­ra. Afir­mou que es­sa é uma ques­tão de pro­to­co­lo da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

“Eu sou mi­nis­tro e te­nho tra­ba­lhos ago­ra. Vou fi­car até de noi­te sa­be pa­ra quê? Pa­ra ten­tar cor­ri­gir os ajus­tes de Enem e de Si­su. E das de­man­das gran­des”, dis­se no iní­cio da noi­te des­ta se­gun­da-fei­ra.

Se­gun­do ele, Bol­so­na­ro o ques­ti­o­nou so­bre in­con­sis­tên­ci­as em seu cur­rí­cu­lo. “Não hou­ve plá­gio, por­que o plá­gio é con­si­de­ra­do quan­do o se­nhor faz Cl­tr+C e Cl­tr+V. Não foi is­so [que acon­te­ceu]”, dis­se. “No mes­tra­do, não hou­ve plá­gio”, res­sal­tou.

O mi­nis­tro re­co­nhe­ceu que se re­fe­riu em seu tra­ba­lho de mes­tra­do na FGV (Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas) a tre­chos de um re­la­tó­rio da CVM (Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os), mas que res­pei­tou o per­cen­tu­al per­mi­ti­do de ci­ta­ções.

Ir­ri­ta­do com as re­ve­la­ções, o pre­si­den­te pas­sou a ava­li­ar des­de a tar­de des­ta se­gun­da uma tro­ca na di­re­ção da pas­ta.

Du­ran­te a ma­nhã, após a sus­pen­são da ce­rimô­nia de pos­se, a cú­pu­la mi­li­tar, que ban­cou a es­co­lha, ain­da ten­ta­va re­ver­ter a demissão do no­vo mi­nis­tro. Ali­a­dos do pre­si­den­te pró­xi­mos do ex-mi­nis­tro Abraham Wein­traub en­tra­ram em con­ta­to com Bol­so­na­ro pa­ra con­ven­cê-lo a in­di­car ou­tro no­me pa­ra a pas­ta.

A pres­são foi re­for­ça­da por de­pu­ta­dos bol­so­na­ris­tas, ali­a­dos dos fi­lhos do pre­si­den­te, que su­ge­ri­ram que ele fa­ça uma no­va ro­da­da de son­da­gens. Com o mo­vi­men­to de Bol­so­na­ro, par­ce­la do nú­cleo far­da­do, que apa­dri­nhou a no­me­a­ção De­co­tel­li, in­di­cou re­cu­ar à sua per­ma­nên­cia.

Pa­ra evi­tar que o gru­po de Wein­traub em­pla­que o no­vo mi­nis­tro, mi­li­ta­res pa­la­ci­a­nos pas­sa­ram a ar­ti­cu­lar uma al­ter­na­ti­va e su­ge­ri­ram o no­me de Mar­cus Vi­ni­cius Rodrigues, ex-pre­si­den­te do Inep (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Edu­ca­ci­o­nais).

Já o gru­po pró­xi­mo ao ex­mi­nis­tro vol­tou a de­fen­der os no­mes do se­cre­tá­rio de Al­fa­be­ti­za­ção do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, Car­los Na­da­lim, e do pre­si­den­te da Ca­pes (Co­or­de­na­ção de Aper­fei­ço­a­men­to de Pes­so­al de Ní­vel Su­pe­ri­or), Be­ne­di­to Agui­ar.

O pri­mei­ro che­gou ao car­go por in­di­ca­ção do es­cri­tor Ola­vo de Car­va­lho, gu­ru dos fi­lhos do pre­si­den­te. O se­gun­do tem for­te res­pal­do da ban­ca­da evan­gé­li­ca, um dos pi­la­res de sus­ten­ta­ção do go­ver­no.

Ape­sar de já ter pe­di­do su­ges­tões, o pre­si­den­te si­na­li­zou que só irá ofi­ci­a­li­zar uma tro­ca quan­do for con­cluí­do pen­te­fi­no fei­to pe­la Abin (Agên­cia Bra­si­lei­ra de In­te­li­gên­cia) no cur­rí­cu­lo de De­co­tel­li.

A cú­pu­la mi­li­tar fi­cou de­cep­ci­o­na­da com as evi­dên­ci­as de equí­vo­cos no cur­rí­cu­lo do mi­nis­tro. Um ge­ne­ral lem­brou que a ho­nes­ti­da­de é um dos va­lo­res mais ca­ros no có­di­go de con­du­ta mi­li­tar.

A no­me­a­ção de De­co­tel­li foi pu­bli­ca­da em edi­ção ex­tra do Diá­rio Ofi­ci­al da União na quin­ta-fei­ra (25), após anún­cio fei­to pe­lo pre­si­den­te.

O go­ver­no pla­ne­ja­va uma so­le­ni­da­de de pos­se nes­ta ter­ça­fei­ra (30), mas a re­a­li­za­ção do evento foi adi­a­da. Se­gun­do re­la­tos fei­tos à Fo­lha, Bol­so­na­ro fi­cou in­co­mo­da­do com a re­per­cus­são ne­ga­ti­va das fal­si­da­des no cur­rí­cu­lo do mi­nis­tro e com as acu­sa­ções de plá­gio.

O man­da­tá­rio se qu­ei­xou de que não hou­ve a re­per­cus­são po­si­ti­va es­pe­ra­da com a no­me­a­ção de um no­me téc­ni­co e que, nas re­des so­ci­ais, o te­ma se con­ver­teu em no­vo flan­co de des­gas­te pa­ra o go­ver­no.

De­co­tel­li foi es­co­lhi­do pa­ra su­ce­der Wein­traub, que dei­xou o car­go após uma sé­rie de po­lê­mi­cas com o STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral).

A no­va aná­li­se no cur­rí­cu­lo do mi­nis­tro, or­de­na­da por Bol­so­na­ro, ser­ve pa­ra apu­rar se há mais in­con­sis­tên­ci­as. O pró­prio De­co­tel­li de­mons­trou nes­ta se­gun­da-fei­ra (29) pre­o­cu­pa­ção com sua per­ma­nên­cia e iden­ti­fi­cou per­se­gui­ção da im­pren­sa. A Fo­lha so­li­ci­tou en­tre­vis­ta com o mi­nis­tro, mas não ob­te­ve re­tor­no.

A ava­li­a­ção nos bas­ti­do­res é de que, mes­mo que se­ja man­ti­do no car­go, o no­vo mi­nis­tro che­ga en­fra­que­ci­do à pas­ta, pal­co de dis­pu­tas en­tre gru­pos di­ver­gen­tes do go­ver­no.

A as­ses­so­ria de im­pren­sa do MEC dis­se na sex­ta (26) que De­co­tel­li con­cluiu os cré­di­tos das dis­ci­pli­nas ne­ces­sá­ri­as pa­ra a ob­ten­ção do tí­tu­lo de dou­tor na Uni­ver­si­da­de Na­ci­o­nal de Ro­sá­rio.

“Em ne­nhum mo­men­to a Se­com con­fir­mou o evento à im­pren­sa e, até ago­ra, não há pre­vi­são pa­ra es­sa ce­rimô­nia”, afir­mou nes­ta se­gun­da-fei­ra o Pla­nal­to so­bre o adi­a­men­to da pos­se do no­vo mi­nis­tro.

Re­pro­du­ção/Glo­bo­news

Car­los Al­ber­to De­co­tel­li con­ver­sa com jor­na­lis­tas em fren­te ao MEC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.