União põe pré­di­os sem uso à ven­da pa­ra re­du­zir dívida

Pri­mei­ro ar­ra­nha-céu da América La­ti­na, no cen­tro do Rio te­rá pre­ço mí­ni­mo de 90 mi­lhões

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ni­co­la Pam­plo­na

O his­tó­ri­co edi­fí­cio A Noi­te, no cen­tro do Rio, se­rá le­va­do a lei­lão pe­lo go­ver­no fe­de­ral, a um pre­ço mí­ni­mo de R$ 90 mi­lhões. Es­te e ou­tros imó­veis ho­je sem uso pe­lo Es­ta­do in­te­gram um pla­no alar­de­a­do por Pau­lo Gu­e­des de ven­da de ati­vos pa­ra re­du­ção da dívida pú­bli­ca.

No hall dos ele­va­do­res do an­dar mais al­to do edi­fí­cio Jo­seph Gi­re, no cen­tro do Rio de Ja­nei­ro, ain­da é pos­sí­vel ver, meio apa­ga­da, a mar­ca da Rá­dio Na­ci­o­nal, que tor­nou o pré­dio um dos mar­cos dos anos de ou­ro do rá­dio bra­si­lei­ro.

Atrás do que an­tes era um le­trei­ro, es­tão o que res­tou de au­di­tó­ri­os e es­tú­di­os que re­ce­be­ram ar­tis­tas co­mo Dal­va de Oli­vei­ra, Emi­li­nha Bor­ba, Or­lan­do Silva e Fran­cis­co Al­ves, sem­pre re­ce­bi­dos por hor­das de fãs na por­ta do edi­fí­cio.

A ou­tro­ra im­po­nen­te cons­tru­ção, con­si­de­ra­da o pri­mei­ro ar­ra­nha-céu da América La­ti­na quan­do foi inau­gu­ra­da, em 1929, es­tá fe­cha­da des­de 2018 e ho­je abri­ga ape­nas três fun­ci­o­ná­ri­os res­pon­sá­veis pe­la se­gu­ran­ça e ma­nu­ten­ção.

Tam­bém co­nhe­ci­do co­mo edi­fí­cio “A Noi­te”, por ter abri­ga­do o ves­per­ti­no ca­ri­o­ca em seus pri­mei­ros anos, ele se­rá le­va­do a lei­lão pe­lo go­ver­no fe­de­ral, a um pre­ço mí­ni­mo de R$ 90 mi­lhões, co­mo par­te de um pro­gra­ma de ven­da de imó­veis ho­je sem uso pe­la ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

O pro­gra­ma, que já iden­ti­fi­cou 3,8 mil imó­veis com va­lor es­ti­ma­do em R$ 30 bi­lhões, in­clui a ven­da de ou­tros edi­fí­ci­os mar­can­tes em su­as re­giões, co­mo o Edi­fí­cio João Pes­soa, con­si­de­ra­do o pri­mei­ro ar­ra­nha-céu da ca­pi­tal pa­rai­ba­na e tam­bém co­nhe­ci­do co­mo “18 an­da­res”.

As­sim co­mo o Jo­seph Gi­re, o João Pes­soa tem uma his­tó­ria li­ga­da à mú­si­ca: foi cons­truí­do on­de fun­ci­o­na­va a Or­ques­tra Sinfô­ni­ca da Pa­raí­ba, que pas­sou a ocu­par seu pri­mei­ro an­dar, após a inau­gu­ra­ção, em 1962.

Pro­je­ta­do pe­lo ar­qui­te­to Ulys­ses Pe­trô­nio Bur­la­mar­qui co­mo um edi­fí­cio mis­to en­tre co­mer­ci­al e re­si­den­ci­al, re­pre­sen­tou uma mu­dan­ça ur­ba­nís­ti­ca im­por­tan­te na ci­da­de, dan­do iní­cio ao pro­ces­so de ver­ti­ca­li­za­ção.

Em Bra­sí­lia, en­tre apar­ta­men­tos e ca­sas fun­ci­o­nais, a Se­cre­ta­ria do Pa­trimô­nio da União in­cluiu na lis­ta de ven­das a an­ti­ga es­ta­ção ro­do­fer­ro­viá­ria, pla­ne­ja­da pe­lo ar­qui­te­to Lú­cio Cos­ta pa­ra ser fer­ro­viá­ria e co­mo par­te do Pla­no Pi­lo­to da ca­pi­tal.

Pro­je­ta­da por Os­car Ni­e­meyer, fi­cou pron­ta em 1976 mas, por fal­ta de de­man­da, pas­sou a ope­rar tam­bém co­mo ro­do­viá­ria em 1981.

A es­tru­tu­ra de li­nhas re­tas dei­xou de ter uso co­mo ter­mi­nal de trans­por­tes em 2010, com a inau­gu­ra­ção da no­va ro­do­viá­ria da ca­pi­tal, no cen­tro do Pla­no Pi­lo­to, e pas­sou a abri­gar es­cri­tó­ri­os de ór­gãos pú­bli­cos.

O go­ver­no de Bra­sí­lia pro­je­ta um no­vo bair­ro na re­gião da ro­do­fer­ro­viá­ria, que fi­ca no ex­tre­mo Oes­te do Pla­no Pi­lo­to, o que po­de va­lo­ri­zar o in­te­res­se pe­lo imó­vel.

“Es­ses imó­veis sem uso pre­ci­sam de ma­nu­ten­ção, gu­ar­da... Nós pa­ga­mos pa­ra man­tê-los e, por ou­tro la­do, não re­tor­nam ne­nhum be­ne­fí­cio pa­ra a so­ci­e­da­de”, diz o se­cre­tá­rio da SPU, Fer­nan­do Bis­po.

“Quan­do ven­di­do ou per­mu­ta­do, os in­ves­ti­do­res vão de­sen­vol­ver aqui­lo, ge­ran­do im­pac­to po­si­ti­vo nas ci­da­des.”

Em Vi­tó­ria, po­rém, a pro­pos­ta de ven­da de an­ti­gos gal­pões do IBC (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro do Ca­fé) ge­ra po­lê­mi­ca. Foi uma das pri­mei­ras cons­tru­ções do Jar­dim da Pe­nha, pro­je­ta­do nos anos 1950 co­mo um bair­ro pla­ne­ja­do ins­pi­ra­do em Be­lo Ho­ri­zon­te.

São 33 mil me­tros qua­dra­dos, cons­truí­dos pa­ra aju­dar a re­gu­lar os es­to­ques bra­si­lei­ros de ca­fé, e ho­je per­ten­cen­tes à Co­nab. Mo­ra­do­res da ci­da­de te­mem que a área se­ja trans­for­ma­da em um com­ple­xo re­si­den­ci­al e pe­dem seu uso co­mo cen­tro cul­tu­ral e tu­rís­ti­co.

Tam­bém pla­ne­ja­do pa­ra ar­ma­ze­nar ca­fé, ou­tro imó­vel his­tó­ri­co da lis­ta é o an­ti­go pré­dio da Co­bec (Com­pa­nhia Bra­si­lei­ra de En­tre­pos­tos e Co­mér­cio), em Cam­pi­nas, con­si­de­ra­da uma das pri­mei­ras cons­tru­ções in­dus­tri­ais da ci­da­de, er­gui­da em 1938.

A ven­da de imó­veis vem sen­do alar­de­a­da pe­lo mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia) co­mo uma pos­si­bi­li­da­de pa­ra le­van­tar R$ 1 tri­lhão e re­du­zir a dívida pú­bli­ca do país, em­bo­ra o balanço do go­ver­no mos­tre que o nú­me­ro di­fi­cil­men­te se­rá al­can­ça­do.

No pri­mei­ro tri­mes­tre de 2020, os ati­vos imo­bi­liá­ri­os da União so­ma­vam R$ 1,3 tri­lhão, con­si­de­ran­do tam­bém os imó­veis ho­je em uso, par­ques na­ci­o­nais, ae­ro­por­tos, es­tra­das e fer­ro­vi­as, en­tre ou­tros.

Bis­po, diz que, além dos imó­veis de­so­cu­pa­dos, o pro­gra­ma de ven­das se­rá re­for­ça­do pe­lo re­ma­ne­ja­men­to de ór­gãos fe­de­rais pa­ra de­so­cu­par edi­fí­ci­os ho­je su­bu­ti­li­za­dos.

“Ao ana­li­sar os imó­veis, a gen­te viu que exis­tia uma cul­tu­ra no go­ver­no de acú­mu­lo de bens”, afir­ma ele. “Che­ga um mo­men­to em que o nú­me­ro de ati­vos é bem su­pe­ri­or à ne­ces­si­da­de, e is­so one­ra o go­ver­no de ma­nei­ra des­ne­ces­sá­ria”.

Até ago­ra, a SPU já ven­deu 13 imó­veis por R$ 220 mi­lhões. Boa par­te da ar­re­ca­da­ção veio de um gal­pão em Ba­ru­e­ri, na Gran­de São Pau­lo, ven­di­do a uma em­pre­sa de em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os por R$ 162,5 mi­lhões em de­zem­bro de 2019.

O mer­ca­do vê di­fi­cul­da­des na ali­e­na­ção de al­guns ati­vos, co­mo é o ca­so do Jo­seph Gi­re. Sua ven­da po­de ser pre­ju­di­ca­da pe­la cri­se no mer­ca­do imo­bi­liá­rio cor­po­ra­ti­vo da ci­da­de —o ín­di­ce de va­cân­cia no cen­tro, on­de se con­cen­tra a ofer­ta de imó­veis cor­po­ra­ti­vos, é ho­je de 30%.

“O mer­ca­do co­mer­ci­al e cor­po­ra­ti­vo vi­ve si­tu­a­ção mui­to de­li­ca­da, com ofer­ta mui­to gran­de e de­man­da re­traí­da des­de 2016, com a ques­tão do en­fra­que­ci­men­to econô­mi­co do Rio e a per­da de in­ves­ti­men­tos”, diz o vice-pre­si­den­te da Se­co­vi-Rio, Le­o­nar­do Sch­nei­der.

Ele ava­lia que o Edi­fí­cio A Noi­te tem po­ten­ci­al pa­ra atrair em­pre­en­di­men­to vol­ta­do ao mer­ca­do re­si­den­ci­al, que ain­da não des­lan­chou na re­gião. O mes­mo, diz, po­de­ria ocor­rer com ou­tro dos imó­veis ca­ri­o­cas na lis­ta de ven­das da União: a an­ti­ga se­de da RFFSA, na Ave­ni­da Pre­si­den­te Var­gas, tam­bém no cen­tro da ci­da­de.

“As au­to­ri­da­des de­ve­ri­am pe­gar es­ses dois pro­je­tos e fa­zer de tu­do pa­ra que se­jam um di­vi­sor de águas na ocu­pa­ção re­si­den­ci­al do cen­tro”, diz, lem­bran­do que com o mai­or uso de ho­me of­fi­ce, a ten­dên­cia é que a ne­ces­si­da­de de es­pa­ços cor­po­ra­ti­vos se­ja ca­da vez me­nor.

Pa­ra o go­ver­no, a lei san­ci­o­na­da em ju­nho me­lho­ra as con­di­ções de ven­da e po­de agi­li­zar a ali­e­na­ção dos ati­vos.

O tex­to es­ta­be­le­ce os lei­lões vir­tu­ais, au­men­ta de 10% pa­ra 25% o des­con­to em ca­so de fal­ta de in­te­res­sa­dos na pri­mei­ra ofer­ta e man­tém com a União pas­si­vos que ve­nham a sur­gir após a ali­e­na­ção do ati­vo.

Pe­dro La­dei­ra/Fo­lha­press

De­ta­lhe do te­to da ro­do­fer­ro­viá­ria de Bra­sí­lia; pro­je­ta­da por Os­car Ni­e­meyer, ocu­pa 4,2 mi­lhões de m² ava­li­a­dos em R$ 14 bi­lhões

Pe­dro La­dei­ra e Zo Gui­ma­ra­es/ Fo­lha­press

A pla­ta­for­ma de em­bar­que 1 da an­ti­ga fer­ro­viá­ria de Bra­sí­lia não re­ce­be pas­sa­gei­ros des­de 1991. A área de­ve dar lu­gar a um no­vo bair­ro na ca­pi­tal fe­de­ral. No cen­tro do Rio 2 , o edi­fí­cio Jo­seph Gi­re, tam­bém cha­ma­do de A Noi­te, es­tá va­zio 3 . Só três pes­so­as fre­quen­tam o lo­cal, os fun­ci­o­ná­ri­os que fa­zem a se­gu­ran­ça e ma­nu­ten­ção do pri­mei­ro ar­ra­nha-céu da América La­ti­na 2

1

3

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.