Fal­tam cos­tu­rei­ras em po­lo têx­til de Per­nam­bu­co

Bai­xa re­mu­ne­ra­ção e con­di­ções de tra­ba­lho pre­cá­ri­as em con­fec­ções do agres­te afas­tam pro­fis­si­o­nais; em­pre­sá­ri­os cul­pam o au­xí­lio

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Thais Car­ran­ça

Po­lo têx­til do agres­te per­nam­bu­ca­no en­fren­ta fal­ta sem pre­ce­den­tes de mão de obra em meio à re­to­ma­da após o afrou­xa­men­to da qua­ren­te­na e di­an­te da de­man­da aque­ci­da. Bai­xa re­mu­ne­ra­ção e con­di­ção de tra­ba­lho pre­cá­ri­as em con­fec­ções afas­tam pro­fis­si­o­nais.

“Era tra­ba­lhar de do­min­go ado­min­go, dia enoi­te, sem pa­rar um se­gun­do pa­ra d ar­con­ta­das pe­ças. Eu pe­ga­va 4h 30, 5hd ama­nhã eia até meia-noi­te, 1h da ma­nhã. Che­guei afa­zer pe­ça por R $1, um ber­mu­dão feminino por R$ 1,20, uma cal­ça por R$ 2,20. Con­se­gui ati­ra rR $600, R $700 por mês, não co­bria to­da a des­pe­sa, sem­pre fi­ca­va de­ven­do um pe­da­ço do alu­guel.”

O re­la­to é de Fran­cis­mei­re Silva Me­lo ,42, mãe de três fi­lhos e mo­ra­do­ra de Ca­ru­a­ru, um dos dez mu­ni­cí­pi­os que fa­zem par­te do po­lo de con­fec­ções do agres­te de Per­nam­bu­co.

Cos­tu­rei­ra há mais de 20 anos, Fran­cis­mei­re é uma das pro­fis­si­o­nais da re­gião que dei­xa­ram a fun­ção co­mo ati­vi­da­de prin­ci­pal pa­ra abrir um ne­gó­cio por con­ta pró­pria.

Des­de 2017, ela pro­duz sa­bo­ne­tes ar­te­sa­nais e aro­ma­ti­za­do­res de am­bi­en­te. A ren­da épou­ca.C omo au­xí­lio emer­gen­ci­al re­du­zi­do aR $300, es­tá ga­nhan­do R $700 por mês.

“M as­par amim, avi­da ago­ra é me­lhor, não me ma­to tan­to co­mo na má­qui­na, te­nho meu ho­rá­rio de so­no e de al­mo­çar co ma­mi­nha fa­mí­lia, que an­tes eu não ti­nha”, afir­ma.

“Quem tra­ba­lha com cos­tu­ra em ca­sa não tem ho­ra de la­zer, de pa­rar. É uma ex­plo­ra­ção e não va­lo­ri­zam o tra­ba­lho da gen­te. Por mais que agen­te tra­ba­lhe dia enoi­te, o que pa­gam é mui­to bai­xo.”

Ca­sos co­mo oda em­pre­en­de­do­ras e mul­ti­pli­cam na re­gião. E a si­tu­a­ção é tal que o po­lo têx­til do agres­te en­fren­ta fal­ta sem pre­ce­den­tes de mão de obra, se­gun­do em­pre­sá­ri­os lo­cais, em meio à re­to­ma­da da pro­du­ção após o afrou­xa­men­to da qua­ren­te­na e di­an­te da de­man­da aque­ci­da —efei­to do au­xí­lio emer­gen­ci­al so­bre a ren­da­das clas­se sC e D, pú­bli­co-al­vo da pro­du­ção lo­cal.

Em­pre­sá­ri­os não con­se­guem pre­en­cher va­gas , ape­sar de a ta­xa de de­sem­pre­go ter che­ga doa 13,8% no país em ju­lho, re­cor­de na sé­rie do IBGE. Em Per­nam­bu­co, es­ta­va em 15% em ju­nho (úl­ti­mo da­do es­ta­du­al), aci­ma da na­ci­o­nal.

A pes­qui­sa Pnad Co­vid trou­xe na sex­ta (16) de­sem­pre­go de 17,5% no Nor­des­te na úl­ti­ma se­ma­na de se­tem­bro. O da­do, po­rém, não é com­pa­rá­vel com a Pnad Con­tí­nua, que me­de a ta­xa ofi­ci­al do país.

“Par­te de­las es­tá re­ce­ben­do o au­xí­lio emer­gen­ci­al e diz que não quer tra­ba­lhar, par­te ain­da tem re­ceio do ví­rus e mui­tas, com a pan­de­mia, co­me­ça­ram a tra­ba­lhar em ca­sa e não que­rem mais vol­tar”, diz Ar­nal­do Xa­vi­er, pre­si­den­te da Ro­ta do Mar, con­fec­ção de mo­da ca­su­al e mo­da praia com cin­co fá­bri­cas e se­de em Santa Cruz do Ca­pi­ba­ri­be.

“Pe­dem de­mis­são da em­pre­sa de mai­or por­te, pe­gam os re­cur­sos do acer­to e pas­sam a tra­ba­lhar por con­ta pró­pria”.

Se­gun­do o em­pre­sá­rio, que diz pre­ci­sar de 45 a 60 cos­tu­rei­ras e não en­con­tra no mer­ca­do, a fal­ta de mão de obra é sa­zo­nal, mas o qua­dro es­tá mui­to pi­or nes­te ano.

Os em­pre­sá­ri­os lo­cais cos­tu­mam ter di­fi­cul­da­de pa­ra con­tra­tar nos me­ses de maio e ju­nho, quan­do par­te dos tra­ba­lha­do­res se ocu­pa com ta­re­fas li­ga­das às fes­tas ju­ni­nas, que têm gran­de pe­so na eco­no­mia do Nor­des­te. Tam­bém cos­tu­ma fal­tar pro­fis­si­o­nais em no­vem­bro e de­zem­bro, com as fes­tas de fim de ano.

“A de­man­da é tan­ta que abri­mos uma es­co­la na fá­bri­ca pa­ra en­si­nar o tra­ba­lha­dor sem qu­a­li­fi­ca­ção. Nor­mal­men­te, ati­va­mos es­sa es­co­la nes­ses pe­río­dos de es­cas­sez, mas ago­ra es­tá com uma in­ten­si­da­de fo­ra da nor­ma­li­da­de. Co­me­ça­mos em agos­to, o que nun­ca ti­nha ocor­ri­do an­tes.”

Com a de­man­da aque­ci­da pe­lo au­xí­lio emer­gen­ci­al, o em­pre­sá­rio diz que agos­to foi o me­lhor mês em fa­tu­ra­men­to nos 24 anos da em­pre­sa. “Tu­do que es­ta­mos fa­zen­do, es­ta­mos ven­den­do, num pe­río­do em que is­so não é cos­tu­mei­ro. Em ge­ral, nes­sa épo­ca, co­me­ça­mos a es­to­car pa­ra no­vem­bro e de­zem­bro, mas es­se ano não es­ta­mos con­se­guin­do.”

O em­pre­sá­rio en­fren­ta tam­bém es­cas­sez de ma­té­ri­as pri­mas, co­mo te­ci­dos de al­go­dão e em­ba­la­gens, em fal­ta em to­do o país. “A pre­o­cu­pa­ção é co­mo va­mos aten­der o cli­en­te no fi­nal de ano e ja­nei­ro, mês for­te de mo­da praia. Va­mos fa­tu­rar 30% a me­nos do que po­de­ría­mos pe­la fal­ta de mão de obra e ma­té­ria pri­ma.”

Em­pre­sas co­mo a Ro­ta do Mar, com cer­ca de 500 fun­ci­o­ná­ri­os, são mi­no­ria no po­lo do Agres­te, o se­gun­do mai­or do país, atrás só de São Pau­lo.

Dos mais de 18 mil em­pre­en­di­men­tos do se­tor têx­til na re­gião, me­nos de 4% em­pre­gam mais de 14 pes­so­as, se­gun­do le­van­ta­men­to do Se­brae.

A mai­o­ria (88%) em­pre­ga até qu­a­tro pes­so­as eé­com­post ade ofi­ci­nas fa­mi­li­a­res in­for­mais, que pres­tam ser­vi­ços a ou­tras em­pre­sas, sen­do re­mu­ne­ra­das por pe­ça. São as cha­ma­das fac­ções.

Bru­no Be­zer­ra, pre­si­den­te da CDL (Câ­ma­ra de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas) de Santa Cruz do Ca­pi­ba­ri­be, diz que a fal­ta de mão de obra afe­ta to­dos os mo­de­los de ne­gó­ci­os.

Cris­ti­na Fi­liz­zo­la, co­or­de­na­do­ra do pro­gra­ma Te­cen­do So­nhos, da ONG Ali­an­ça Em­pre­en­de­do­ra, que de­sen­vol­ve tra­ba­lho de es­tí­mu­lo ao em­pre­en­de­do­ris­mo com mu­lhe­res da re­gião, dis­cor­da da ava­li­a­ção de Xa­vi­er de que par­te da fal­ta de mão de obra se de­ve ao au­xí­lio emer­gen­ci­al.

“O au­xí­lio tem va­lor mui­to bai­xo, não ve­jo ne­nhu­ma ofi­ci­na ou em­pre­en­de­dor que es­tá re­ce­ben­do o be­ne­fí­cio op­tan­do por não tra­ba­lhar”, diz.

“Oque acon­te­ceéqu emu itas ofi­ci­nas que­bra­ram na pan­de­mia. En­tão as mar­ca sa­cha­rem que vão aper­ta rum bo­tão e as coi­sas vão vol­ta­ra fun­ci­o­nar, nãoéa re­a­li­da­de .”

A Ali­an­ça Em­pre­en­de­do­ra fez em de­zem­bro um Di­ag­nós­ti­co do Po­lo Têx­til do Agres­te Per­nam­bu­ca­no. Oes­tud omos­tra­que, na re­gião ,30% da po­pu­la­ção vi­ve em si­tu­a­ção de po­bre­za ou ex­tre­ma po­bre­za, eque a in­for­ma­li­da­de va­ria de 23,9% em Ca­ru­a­ru, 39,8% em Santa Cruz do Ca­pi­ba­ri­be, até 57,3% em To­ri­ta­ma,os prin­ci­pais pro­du­to­res do po­lo.

Se­gun­do o le­van­ta­men­to, 70% das cos­tu­rei­ras autô­no­mas ga­nham até um sa­lá­rio mí­ni­mo por mês e 38% re­ce­bem ape­nas um quar­to des­se va­lor, em jor­na­das exaus­ti­vas de 10 a 15 ho­ras por dia.

“Ca­da pe­que­no ne­gó­cio é mui­to se­to­ri­za­do. Is­so faz com que a ca­deia te­nha mui­tos in­ter­me­diá­ri­os e os pre­ços se­jam di­mi­nuí­dos”, diz Fi­liz­zo­la.

“Quem tra­ba­lha em con­fec­ções re­ce­be um va­lor mui­to bai­xo, por is­so pre­ci­sam tra­ba­lhar mui­tas ho­ras pa­ra con­se­guir ter al­gum re­tor­no fi­nan­cei­ro. Por con­ta dis­so, mui­tas têm pre­fe­ri­do tra­ba­lhar por con­ta pró­pria.”

Di­vul­ga­ção/Ro­ta do Mar

Área de pro­du­ção em fá­bri­ca do po­lo têx­til do agres­te de Per­nam­bu­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.