É pre­ci­so pla­no de me­tas am­bi­en­tais

So­mos um país ri­co por na­tu­re­za e po­bre por es­co­lha

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Lu­ci­a­no Huck

Ho­je o Bra­sil não li­de­ra ne­nhu­ma agen­da glo­bal, além da tra­gé­dia da Co­vid-19, mas es­tou cer­to de que, com mu­dan­ça cla­ra de ro­ta, po­de­mos exer­cer mais rá­pi­do que o pe­río­do de uma ge­ra­ção o pa­pel de Po­tên­cia Ver­de, com­pro­me­ti­da com o meio am­bi­en­te.

Si­go achan­do que no es­pa­ço de uma ge­ra­ção não ire­mos pro­du­zir tê­nis mais ba­ra­tos que a Chi­na, tam­pou­co com­po­nen­tes ele­trô­ni­cos mais com­pe­ti­ti­vos que Taiwan. Mas si­go tam­bém acre­di­tan­do que ne­nhum ou­tro país no pla­ne­ta tem o po­ten­ci­al na­tu­ral que o nos­so.

So­mos um país ri­co por na­tu­re­za e po­bre por es­co­lha. As­sim sen­do, já es­tá mais do que na ho­ra de en­ten­der­mos que pen­sar ver­de, além de fa­zer bem pa­ra nos­sa cons­ci­ên­cia, fa­rá ain­da mais pe­los nos­sos bol­sos. Já che­guei a tra­tar des­te te­ma em ou­tro ar­ti­go aqui nes­ta Fo­lha, mas o no­ti­ciá­rio e a con­jun­tu­ra exi­gem que o de­ba­te vá adi­an­te.

Mi­nha cu­ri­o­si­da­de se di­vi­de en­tre os dois sé­cu­los e de tu­do o que o mun­do pas­sou nes­tas úl­ti­mas dé­ca­das.

Aca­bo de ler o li­vro “Bra­sil, Pa­raí­so Res­tau­rá­vel”, de Jor­ge Cal­dei­ra, Ju­lia Ma­ri­sa Se­ku­la e Lu­a­na Scha­bib. Ele traz po­si­ções que per­mi­tem am­pli­ar ain­da mais o pen­sa­men­to do fu­tu­ro do Bra­sil co­mo uma po­tên­cia ver­de.

Es­tá cla­ro que a bús­so­la mu­dou de­pres­sa na vi­ra­da do mi­lê­nio. Du­as dé­ca­das atrás, as na­ções gui­a­vam-se pe­las me­tas de cres­ci­men­to da pro­du­ção. Apren­de­mos a me­dir su­ces­so ou in­su­ces­so na eco­no­mia por meio das ta­xas de cres­ci­men­to do PIB.

Ho­je mui­to se dis­cu­te se es­sa mé­tri­ca já não de­ve­ria ter fi­ca­do no sé­cu­lo pas­sa­do. Ain­da não te­mos al­go con­fiá­vel e acei­to por to­das as eco­no­mi­as do pla­ne­ta co­mo um mar­ca­dor mais mo­der­no, mais co­nec­ta­do com os an­sei­os e ne­ces­si­da­des das so­ci­e­da­des, dos paí­ses e do pla­ne­ta co­mo um to­do. Mas va­le re­gis­trar o que já es­ta acon­te­cen­do —e re­fle­tir so­bre is­so.

Na Ale­ma­nha, por exem­plo, o ru­mo mu­dou de nor­te em 2005, quan­do o go­ver­no pas­sou a per­se­guir o ob­je­ti­vo cen­tral de tran­si­tar pa­ra uma eco­no­mia lim­pa. Des­de en­tão, to­do o pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co do país é mon­ta­do pa­ra cum­prir me­tas quan­ti­ta­ti­vas re­la­ci­o­na­das a com­ba­ter o aque­ci­men­to glo­bal. A União Eu­ro­peia pas­sou a se­guir o mo­de­lo a par­tir de 2007.

O cres­ci­men­to da pro­du­ção não foi es­que­ci­do, mas foi in­tei­ra­men­te su­bor­di­na­do ao Pla­no 20-20-20: 20% de au­men­to na pro­du­ção de ener­gia re­no­vá­vel; 20% de di­mi­nui­ção no con­su­mo de ener­gia; 20% me­nos emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa.

A me­ta, ado­ta­da em 2007, foi cum­pri­da an­tes do pra­zo de 2020. Nes­te ano, em ple­na cri­se da Co­vid-19, foi subs­ti­tuí­da por ou­tra, ain­da mais am­bi­ci­o­sa: o Gre­en De­al.

Es­sa me­ta cen­tral da União Eu­ro­peia já não é ape­nas um ins­tru­men­to de pla­ne­ja­men­to. Fo­ram alo­ca­dos 2 tri­lhões de eu­ros —to­do o pla­no de aju­da econô­mi­ca pa­ra ven­cer a re­ces­são— co­mo ins­tru­men­to pa­ra se al­can­çar uma eco­no­mia sem emis­sões po­si­ti­vas em 2050.

Em pouquís­si­mas pa­la­vras: o fu­tu­ro da eco­no­mia da União Eu­ro­peia es­tá sen­do as­so­ci­a­do à cri­a­ção de uma eco­no­mia lim­pa. To­do o di­nhei­mas ro, to­do o es­for­ço econô­mi­co, to­da a po­lí­ti­ca so­ci­al, to­do o de­se­nho de or­ga­ni­za­ção do mer­ca­do.

Mas is­so não é só um fenô­me­no eu­ro­peu. Ve­ja­mos a Chi­na. Se nas úl­ti­mas dé­ca­das foi a gran­de vi­lã no li­tí­gio pro­du­ção ver­sus sus­ten­ta­bi­li­da­de, ela tem ago­ra um ob­je­ti­vo cen­tral da ação econô­mi­ca a que cha­ma­ram de “Uma Ci­vi­li­za­ção Eco­ló­gi­ca”.

O ob­je­ti­vo nor­teia o Pla­no Quin­que­nal 2016/2021, que cen­tra­li­za a ação in­ter­na do go­ver­no: 10 das 13 gran­des me­tas na­ci­o­nais es­tão re­la­ci­o­na­das ao meio am­bi­en­te. Já a po­lí­ti­ca ex­ter­na tem co­mo nor­te o pro­gra­ma in­ti­tu­la­do Cin­tu­rão e Ro­ta —com o ob­je­ti­vo cen­tral de le­var ao mun­do a ci­vi­li­za­ção pro­pos­ta.

Es­sa no­va bús­so­la de gran­des go­ver­nos mos­trou-se ca­paz de dar su­por­te a uma mo­nu­men­tal mu­dan­ça na ava­li­a­ção pa­ra alo­ca­ção de ca­pi­tais pri­va­dos, em es­ca­la pla­ne­tá­ria. A es­ti­ma­ti­va atu­al é a de que exis­te al­go em tor­no de US$ 30 tri­lhões (o equi­va­len­te a cem ve­zes as re­ser­vas bra­si­lei­ras) de in­ves­ti­men­tos pri­va­dos que só po­dem ser apli­ca­dos em pro­je­tos que le­vem ao equi­lí­brio am­bi­en­tal.

O ro­tei­ro pa­ra apli­ca­ção tem o no­me de cláu­su­las ESG (En­vi­ron­men­tal, So­ci­al, Go­od Go­ver­nan­ce —bo­as prá­ti­cas Am­bi­en­tais, So­ci­ais e de Go­ver­nan­ça, em por­tu­guês). Ele é aca­ta­do pe­los mai­o­res fun­dos de pen­são, se­gu­ra­do­ras, gran­des fun­dos de in­ves­ti­men­to —e por uma in­fi­ni­da­de de ban­cos e em­pre­sas. To­dos op­tan­do vo­lun­ta­ri­a­men­te por apor­tar di­nhei­ro se­gun­do es­sas cláu­su­las.

Os fru­tos das apli­ca­ções na eco­no­mia re­al são ca­da vez mais vi­sí­veis. A pro­du­ção de ener­gia so­lar e eó­li­ca foi mul­ti­pli­ca­da por 150 en­tre 2000 e 2020. Nes­te ano, por cau­sa da re­ces­são, a pre­vi­são é de que as fon­tes re­no­vá­veis co­mo um to­do su­pe­rem o car­vão —a fon­te de ener­gia mais co­mum des­de o sé­cu­lo 18, além de ser a mais po­lu­en­te— na ma­triz elé­tri­ca mun­di­al.

Nos Es­ta­dos Uni­dos, a mu­dan­ça pa­ra o pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co a par­tir de me­tas am­bi­en­tais foi já ado­ta­da em 24 es­ta­dos. O go­ver­no fe­de­ral, sob Do­nald Trump, fi­cou de fo­ra. Mas va­le no­tar que o pon­to nú­me­ro um do pro­gra­ma do can­di­da­to de­mo­cra­ta Joe Bi­den é fa­zer exa­ta­men­te o mes­mo que a União Eu­ro­peia e a Chi­na fa­zem.

E o Bra­sil? O país vi­ve de opos­tos. De um la­do é o país on­de a na­tu­re­za pro­duz mais vi­da no mun­do —e on­de, ao lon­go dos sé­cu­los, em­pre­sá­ri­os, em­pre­en­de­do­res e pes­so­as de to­dos os es­tra­tos so­ci­ais mol­da­ram uma ma­triz ener­gé­ti­ca que é a mais lim­pa do mun­do.

Do ou­tro, é o país mais dis­tan­te da ado­ção das me­tas na­ci­o­nais de tran­si­ção pa­ra uma eco­no­mia lim­pa.

O go­ver­no fe­de­ral pla­ne­ja e —pi­or— exe­cu­ta na di­re­ção con­trá­ria. Go­ver­nos es­ta­du­ais he­si­tam em abra­çar es­sa agen­da. Os can­di­da­tos a pre­fei­to de­ve­ri­am ter em seus pro­gra­mas co­mo efe­ti­va­men­te pre­ten­dem me­lho­rar a si­tu­a­ção am­bi­en­tal de sua ci­da­de —mas em ge­ral não têm.

An­da­mos na con­tra­mão do mun­do por gos­to, não por pre­ci­são. Não na eco­no­mia re­al,

O fu­tu­ro da eco­no­mia da União Eu­ro­peia es­tá sen­do as­so­ci­a­do à cri­a­ção de uma eco­no­mia lim­pa; a Chi­na tem ago­ra um ob­je­ti­vo cen­tral da ação econô­mi­ca a que cha­ma­ram de ‘Uma Ci­vi­li­za­ção Eco­ló­gi­ca’. Es­tá cla­ro que a bús­so­la mu­dou e ho­je dá su­por­te a uma no­va ava­li­a­ção pa­ra alo­ca­ção de ca­pi­tais pri­va­dos

O Bra­sil, vi­ven­do de opos­tos, é on­de a na­tu­re­za mais pro­duz vi­da no mun­do, mas tam­bém é o país mais dis­tan­te da ado­ção das me­tas na­ci­o­nais de tran­si­ção pa­ra uma eco­no­mia lim­pa; es­ta­mos jo­gan­do pe­la ja­ne­la uma opor­tu­ni­da­de se­cu­lar de avan­çar­mos e ser­mos a gran­de Po­tên­cia Ver­de do pla­ne­ta

no qua­dro institucio­nal. A si­tu­a­ção só não é pi­or por­que, no se­tor pri­va­do, mui­tas gran­des em­pre­sas têm se mo­vi­men­ta­do, saí­do da ina­ção pa­ra ações con­cre­tas na ten­ta­ti­va de pro­te­ger nos­sa ima­gem mun­do afo­ra e a nos­sa eco­no­mia.

As­sim, es­ta­mos jo­gan­do pe­la ja­ne­la aque­la que é uma opor­tu­ni­da­de se­cu­lar pa­ra avan­çar. No sé­cu­lo 19, nos fal­tou car­vão. Na mai­or par­te do sé­cu­lo 20, nos fal­tou pe­tró­leo. Não fal­ta sol nem ven­to nem plan­tas que for­ne­cem com­bus­tí­vel que não pro­duz efei­to es­tu­fa. Te­mos tu­do pa­ra a eco­no­mia do sé­cu­lo 21.

A ma­triz ener­gé­ti­ca que a União Eu­ro­peia, a Chi­na e, de­pen­den­do das elei­ções, os Es­ta­dos Uni­dos que­rem pa­ra 2050 po­de ser al­can­ça­da no Bra­sil em me­nos de uma dé­ca­da. O país tem a ba­se re­al pa­ra ser a gran­de eco­no­mia lim­pa do pla­ne­ta.

Mas, no rit­mo que a ban­da to­ca, cor­re­mos um se­riís­si­mo ris­co de ser­mos en­qua­dra­dos pe­las três mai­o­res eco­no­mi­as do mun­do co­mo um país ir­res­pon­sá­vel na lu­ta pe­lo equi­lí­brio am­bi­en­tal.

Nos úl­ti­mos anos, de­ten­to­res de gran­des ca­pi­tais vêm ten­tan­do con­ven­cer as au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras que es­tão fa­zen­do o pi­or ne­gó­cio do mun­do ao chu­tar o di­nhei­ro ESG. Se hou­ver união dos go­ver­nos das três gran­des eco­no­mi­as nes­se jo­go de pres­são, res­tri­ções mun­di­ais à pro­du­ção bra­si­lei­ra en­tra­rão mui­to de­pres­sa no ho­ri­zon­te.

Te­mos de mu­dar, e mu­dar bem de­pres­sa. Não se tra­ta de pro­gra­ma pa­ra um go­ver­no, mas pa­ra a na­ção. Um so­nho mai­or, um pla­no de me­tas am­bi­en­tal. De bra­ços da­dos com o me­lhor do se­tor pri­va­do pa­ra exe­cu­tar seu pa­pel es­sen­ci­al pa­ra que a mu­dan­ça acon­te­ça. Eco­ar as bo­as idei­as.

Na União Eu­ro­peia e no pro­gra­ma de Joe Bi­den, o in­ves­ti­men­to em tran­si­ção am­bi­en­tal sur­ge co­mo fon­te de em­pre­gos e de uma eco­no­mia de ser­vi­ços na área ru­ral. De mai­or jus­ti­ça so­ci­al.

O Es­ta­do bra­si­lei­ro foi mon­ta­do pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas de de­sen­vol­vi­men­to de 1950, con­cen­tran­do ca­pi­tais pa­ra gran­des pro­je­tos. Es­se ob­je­ti­vo de fu­tu­ro já ruiu. Per­de­mos tem­po, mas —gra­ças à nos­sa na­tu­re­za fér­til, enor­me po­ten­ci­al ener­gé­ti­co re­no­vá­vel e di­ver­si­da­de de bi­o­mas— ain­da te­mos opor­tu­ni­da­de.

Te­mos a sor­te de ser­mos do­nos de um pas­se fun­da­men­tal pa­ra a no­va era. Não po­de­mos des­per­di­çar. Pre­ci­sa­mos mu­dar —pois nos in­te­res­sa e nos or­gu­lha— ou se­re­mos mu­da­dos à for­ça e com ver­go­nha.

In­fe­liz­men­te ho­je o Bra­sil não li­de­ra ne­nhu­ma agen­da glo­bal, além da tra­gé­dia da Co­vid-19, mas es­tou se­gu­ro de que, com uma mu­dan­ça cla­ra de ca­mi­nho, po­de­mos exer­cer mais rá­pi­do que o pe­río­do de uma ge­ra­ção o pa­pel de gran­de Po­tên­cia Ver­de do pla­ne­ta. Um país al­ta­men­te pro­du­ti­vo, de fa­to com­pro­me­ti­do com o meio am­bi­en­te e ge­ran­do ri­que­zas pa­ra com­ba­ter su­as de­si­gual­da­des. Eu acre­di­to.

Aman­da Pe­ro­bel­li 30.ago;20/Reuters

Fo­co de in­cên­dio no Pan­ta­nal de Ma­to Gros­so, na re­gião de Po­co­né

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.