Sem Evo, Bolívia vol­ta às ur­nas pa­ra ten­tar fin­dar cri­se

Qua­se um ano após plei­to trau­má­ti­co, can­di­da­to de Evo li­de­ra as pes­qui­sas

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Syl­via Co­lom­bo

A dois di­as de com­ple­tar um ano do plei­to de 2019, a Bolívia vol­ta às ur­nas ho­je pa­ra ten­tar pôr fim à cri­se de­cor­ren­te da vi­tó­ria de Evo Mo­ra­les e sua pos­te­ri­or re­nún­cia. Sem ele no pá­reo, pro­je­ta-se 2º tur­no en­tre Luis Ar­ce, ex-mi­nis­tro de Evo, e o ex-pre­si­den­te Car­los Me­sa.

A dois di­as de com­ple­tar um ano des­de a eleição pre­si­den­ci­al de 2019, os bo­li­vi­a­nos re­tor­nam às ur­nas nes­te do­min­go (18) pa­ra ten­tar pôr um pon­to fi­nal a um lon­go, vi­o­len­to e ins­tá­vel pro­ces­so de su­ces­são.

O ce­ná­rio, cla­ro, é in­de­fi­ni­do. A di­fi­cul­da­de pa­ra re­a­li­zar pes­qui­sas con­fiá­veis, que al­can­cem to­do o país —a mai­o­ria é fei­ta por te­le­fo­ne, de­vi­do ao pe­no­so aces­so às re­giões an­di­na e amazô­ni­ca—, faz com que a Bolívia não cos­tu­me ter pro­je­ções pre­ci­sas.

Gran­de par­te dos ins­ti­tu­tos su­ge­re que ha­ve­rá um se­gun­do tur­no en­tre o can­di­da­to do MAS (Mo­vi­men­to ao So­ci­a­lis­mo), Luis Ar­ce, ex-mi­nis­tro da eco­no­mia de Evo Mo­ra­les, e o seu prin­ci­pal ri­val no plei­to, o ex-pre­si­den­te Car­los Me­sa.

Os le­van­ta­men­tos, por ou­tro la­do, não des­car­tam a pos­si­bi­li­da­de de Ar­ce ga­nhar já no pri­mei­ro tur­no. Mas, se hou­ver um se­gun­do em­ba­te, no dia 29 de no­vem­bro, a mai­o­ria das pes­qui­sas in­di­ca mai­or chan­ce de vi­tó­ria pa­ra Me­sa.

“Tra­ba­lha­mos mui­to pa­ra que es­sa eleição se­ja trans­pa­ren­te e in­con­tes­tá­vel. Já es­tão no país os ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais da OEA [Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos], da União Eu­ro­peia, do Cen­tro Car­ter e das Na­ções Uni­das”, diz à Fo­lha a chan­ce­ler bo­li­vi­a­na, Ka­ren Lon­ga­ric.

“Não vi­e­ram na quan­ti­da­de que de­se­já­va­mos, de­vi­do à pan­de­mia, pa­ra co­brir as re­giões mais afas­ta­das, mas é um gru­po ex­tre­ma­men­te téc­ni­co, ca­paz de le­gi­ti­mar o re­sul­ta­do de mo­do rá­pi­do,” afir­ma.

A di­vul­ga­ção ágil do re­sul­ta­do é es­sen­ci­al pa­ra dar cre­di­bi­li­da­de ao pro­ces­so e man­ter as ru­as da Bolívia pa­cí­fi­cas.

Por te­mor de que ocor­ram dis­túr­bi­os após o fe­cha­men­to das ur­nas nes­te do­min­go, mui­tos bo­li­vi­a­nos com­pra­ram ali­men­tos em quan­ti­da­des ex­tras e abas­te­ce­rem seus veí­cu­los de com­bus­tí­vel nos úl­ti­mos di­as. O cli­ma nas ru­as em La Paz na noi­te des­te sá­ba­do (17), po­rém, era de apa­ren­te tran­qui­li­da­de.

O ce­ná­rio era bem di­fe­ren­te em 2019. Pri­mei­ro, o ho­je ex-pre­si­den­te Evo con­cor­ria de mo­do con­tro­ver­so a um quar­to man­da­to, con­tra o que diz a Cons­ti­tui­ção bo­li­vi­a­na e con­tra um re­fe­ren­do po­pu­lar.

Se­gun­do, com as ur­nas fe­cha­das, a con­ta­gem rá­pi­da dos vo­tos foi sus­pen­sa no mo­men­to em que a apu­ra­ção, em 80% do to­tal, apon­ta­va pa­ra um se­gun­do tur­no en­tre ele e Me­sa. O ór­gão elei­to­ral só vol­tou a con­tar no dia se­guin­te, usan­do ou­tro mé­to­do, que deu vi­tó­ria ain­da no pri­mei­ro tur­no ao en­tão pre­si­den­te.

Na noi­te des­te sá­ba­do (17), o tri­bu­nal elei­to­ral bo­li­vi­a­no de­ci­diu que não se­rá re­a­li­za­da a con­ta­gem rá­pi­da. A cor­te ale­gou que so­men­te ha­ve­rá a con­ta­gem vo­to a vo­to, que “ge­ra mais cer­te­za”. Com is­so, não ha­ve­rá re­sul­ta­do na noi­te des­te do­min­go (18).

Car­los Me­sa apoi­ou a de­ci­são, en­quan­to o MAS anun­ci­ou que fa­rá uma con­ta­gem pa­ra­le­la pró­pria e con­vo­cou os jor­na­lis­tas pa­ra uma en­tre­vis­ta nes­te do­min­go pe­la ma­nhã.

No ano pas­sa­do, a ten­são to­mou con­ta das ru­as de­pois do im­pas­se com a apu­ra­ção de vo­tos. Opo­si­to­res do MAS apon­ta­vam frau­de, en­quan­to mi­li­tan­tes e apoi­a­do­res do par­ti­do de­fen­di­am Evo. Os con­fron­tos en­tre mi­li­ta­res e ma­ni­fes­tan­tes pró-Evo dei­xa­ram mais de 30 mor­tos.

Em 10 de no­vem­bro, o lí­der in­dí­ge­na, pres­si­o­na­do por pro­tes­tos po­pu­la­res e pe­las For­ças Ar­ma­das, re­nun­ci­ou, as­sim co­mo o vice, Ál­va­ro Gar­cía Li­ne­ra, e a pre­si­den­te do Se­na­do, Adri­a­na Sal­va­ti­er­ra, os dois pró­xi­mos na li­nha su­ces­só­ria pre­vis­ta no país.

Evo e Li­ne­ra se exi­la­ram, pri­mei­ro no México, de­pois, na Ar­gen­ti­na, on­de vi­vem.

Após uma ma­no­bra con­tro­ver­sa, o Con­gres­so pôs na Pre­si­dên­cia, in­te­ri­na­men­te, a se­gun­da vice-pre­si­den­te do Se­na­do, Je­a­ni­ne Añez, que as­su­miu se­gu­ran­do uma Bí­blia e co­lo­can­do o Exér­ci­to nas ru­as. Pro­me­tia fi­car ape­nas al­guns me­ses, se­gun­do ela, pa­ra ga­ran­tir a su­ces­são elei­to­ral.

Um no­vo tri­bu­nal elei­to­ral foi es­co­lhi­do, e as elei­ções, mar­ca­das pa­ra maio. A pan­de­mia do co­ro­na­ví­rus, po­rém, adi­ou o pla­no du­as ve­zes, le­van­do o plei­to pa­ra se­tem­bro e, de­pois, pa­ra es­te do­min­go.

Añez não cum­priu o pro­me­ti­do. Can­di­da­tou-se, o que fez com que as críticas à sua ges­tão, es­pe­ci­al­men­te du­ran­te a cri­se sa­ni­tá­ria, au­men­tas­sem. No­mes de di­ver­sas co­res do es­pec­tro po­lí­ti­co con­de­na­ram as me­di­das ado­ta­das pa­ra ten­tar con­ter a dis­se­mi­na­ção da Co­vid-19 e apon­ta­ram es­cân­da­los de cor­rup­ção.

Sem tra­ção nas pes­qui­sas, Añez de­sis­tiu da can­di­da­tu­ra em 18 de se­tem­bro. Foi se­gui­da por ou­tro mem­bro da di­rei­ta bo­li­vi­a­na, o ex-pre­si­den­te Jor­ge “Tu­to” Qui­ro­ga.

Um efei­to co­la­te­ral das saí­das de Añez e Qui­ro­ga foi o for­ta­le­ci­men­to do ul­tra­di­rei­tis­ta Luis Fer­nan­do Ca­ma­cho, em ter­cei­ro lu­gar nas son­da­gens. Fi­gu­ra cen­tral na que­da de Evo, ele con­cen­tra apoio do se­tor em­pre­sa­ri­al e con­ser­va­dor de Santa Cruz de la Si­er­ra e reú­ne pou­co me­nos de 15% das in­ten­ções de vo­to, o que o põe co­mo um pe­so de­ci­si­vo se hou­ver se­gun­do tur­no.

“O que va­mos ver no pró­xi­mo do­min­go é o co­me­ço do fim do ci­clo que se abriu em 2016, quan­do hou­ve um re­fe­ren­do em que a po­pu­la­ção de­ci­diu que não que­ria Mo­ra­les dis­pu­tan­do um no­vo man­da­to”, afir­ma à Fo­lha o ana­lis­ta po­lí­ti­co Pa­blo Ste­fa­no­ni.

Pa­ra Ste­fa­no­ni, olhar pa­ra 2014, quan­do Evo se re­e­le­geu com mais de 60% dos vo­tos, con­quis­tan­do até o em­pre­sa­ri­a­do de Santa Cruz, dei­xa cla­ro que o pon­to de vi­ra­da ocor­reu dois anos mais tar­de. “Em 2016 Evo mos­trou que que­ria se eter­ni­zar no po­der, e a so­ci­e­da­de não en­go­liu.”

Pa­ra con­se­guir se can­di­da­tar ou­tra vez, o ex-pre­si­den­te ar­gu­men­tou que ne­gar-lhe a pos­si­bi­li­da­de de dis­pu­tar a Pre­si­dên­cia era con­tra­ri­ar um di­rei­to hu­ma­no. O Tri­bu­nal Elei­to­ral à épo­ca con­cor­dou.

Em um pro­ces­so tão con­tur­ba­do e eclip­sa­do por uma fi­gu­ra que pas­sou qua­se 14 anos no po­der, o atu­al lí­der nas pes­qui­sas pas­sa qua­se des­per­ce­bi­do. No even­to de en­cer­ra­men­to da cam­pa­nha, na noi­te de quar­ta (14), Ar­ce, um ho­mem cal­mo, sem pin­ta de gran­de ora­dor, ten­tou mos­trar um la­do mais “co­ol”. Exi­biu-se jo­gan­do bas­que­te e até fa­zen­do pro­pa­gan­da pe­lo apli­ca­ti­vo TikTok.

Em El Al­to, na re­gião me­tro­po­li­ta­na de La Paz, cu­ja po­pu­la­ção é, em sua mai­o­ria, de tra­ba­lha­do­res, Ar­ce apa­re­ceu ves­ti­do com uma ja­que­ta com a es­tam­pa de Tu­pac Ka­pa­ri — he­rói ai­ma­ra das lu­tas con­tra os es­pa­nhóis no sé­cu­lo 18— e com seu ape­li­do, “Lu­cho”, nas cos­tas. Ao la­do do seu vice, Da­vid Cho­quehu­an­ca, dan­çou pa­ra uma mul­ti­dão.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o ex­mi­nis­tro da Eco­no­mia re­a­giu a uma cer­ta di­vi­são que há no MAS e se des­co­lou da fi­gu­ra do ex-pre­si­den­te.

Ele de­fen­deu a li­ber­da­de de ex­pres­são lo­go após Evo su­ge­rir um au­men­to de con­tro­le da im­pren­sa e se mos­trou mais dis­pos­to ao diá­lo­go com a opo­si­ção.

Me­sa se apre­sen­ta co­mo a op­ção mais viá­vel pa­ra der­ro­tar o par­ti­do de Evo. Ain­da con­vi­ve com a ima­gem de pre­si­den­te que, em 2005, re­nun­ci­ou após a pres­são de sin­di­ca­lis­tas do se­tor de gás de El Al­to que que­ri­am na­ci­o­na­li­zar os re­cur­sos na­tu­rais.

Em seu even­to fi­nal de cam­pa­nha, foi a Santa Cruz, ci­da­de que con­cen­tra a opo­si­ção ao MAS e é re­du­to de Ca­ma­cho, pa­ra ten­tar con­ven­cer o elei­to­ra­do de que o vo­to útil de­ve ser da­do no pri­mei­ro, e não ape­nas no se­gun­do tur­no. Aca­bou co­me­ten­do ga­fes e se viu num mo­men­to em­ba­ra­ço­so quan­do gri­tou, em in­glês: “Evo Mo­ra­les ne­ver in the li­fe”.

Di­vul­ga­ção

O can­di­da­to à Pre­si­dên­cia da Bolívia pe­lo MAS, Luis Ar­ce, du­ran­te even­to de en­cer­ra­men­to da cam­pa­nha em El Al­to, re­gião me­tro­po­li­ta­na de La Paz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.