Atrás de fu­zis, PM no Rio ma­ta sem apre­en­der ar­ma

Es­ta­do usa con­fron­to de tá­ti­ca pa­ra apre­en­der fu­zil, o que fez STF fre­ar ações

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Íta­lo No­guei­ra, Jú­lia Bar­bon e Thai­za Pau­lu­ze RIO NA MI­RA

O ano de 2019, com re­cor­de nas mor­tes pro­vo­ca­das por po­li­ci­ais no Rio, te­ve 162 de­las sem apre­en­são de ar­ma de fo­go ou ex­plo­si­vo, mos­tra le­van­ta­men­to fei­to pe­la Fo­lha no pri­mei­ro ca­pí­tu­lo da sé­rie Rio na Mi­ra, uma par­ce­ria do jor­nal com a or­ga­ni­za­ção Co­nec­tas.

Da­ni­el, 17, es­ta­va es­con­di­do atrás de um car­ro na rua Mi­guel de Cer­van­tes, no Ca­cham­bi, zo­na nor­te do Rio de Ja­nei­ro, jun­to com dois ami­gos por vol­ta das 5h45 do dia 1º de ja­nei­ro de 2019. O trio, se­gun­do po­li­ci­ais, aca­ba­ra de par­ti­ci­par do rou­bo de um car­ro.

Fal­ta­vam ain­da três ho­ras pa­ra a ce­rimô­nia de pos­se de Wilson Wit­zel (PSC) no go­ver­no flu­mi­nen­se quan­do o ado­les­cen­te —o no­me pe­lo qual ele é iden­ti­fi­ca­do nes­ta re­por­ta­gem é fic­tí­cio, pa­ra res­guar­dar sua fa­mí­lia– foi atin­gi­do por um ti­ro nas cos­tas.

Os cin­co po­li­ci­ais que par­ti­ci­pa­ram da pri­mei­ra das 1.814 mor­tes em su­pos­tos con­fron­tos no es­ta­do em 2019 re­la­ta­ram que, ao avis­tar o trio sus­pei­to, fo­ram al­vo de dis­pa­ros. A pe­rí­cia da Di­vi­são de Ho­mi­cí­di­os (DH) iden­ti­fi­cou uma mar­ca de ti­ro na la­ta­ria da vi­a­tu­ra que usa­vam.

Na de­le­ga­cia, os cin­co agen­tes dis­se­ram ter dis­pa­ra­do, no to­tal, 3 ti­ros de fu­zil e 15 de pis­to­la. Da­ni­el foi atin­gi­do en­quan­to cor­ria, in­di­ca o lau­do da DH. Ne­nhu­ma ar­ma foi apre­en­di­da com o ado­les­cen­te. Jail­son Fran­ça, 23, foi pre­so, tam­bém sem ar­ma. A pes­soa que dis­pa­rou, se­gun­do os po­li­ci­ais, con­se­guiu fu­gir com a pro­va do cri­me.

Elei­to de­fen­den­do a mor­te de cri­mi­no­sos com fu­zis, Wit­zel dis­cur­sou na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va na­que­le dia com a con­ta­gem de ho­mi­cí­di­os por agen­tes do Es­ta­do já aber­ta. A de apre­en­sões de ar­mas nes­sas ocor­rên­ci­as, não.

O ano com re­cor­de his­tó­ri­co nas mor­tes pro­vo­ca­das por po­li­ci­ais te­ve 162 de­las sem apre­en­são de ar­ma de fo­go ou ex­plo­si­vo, con­for­me mos­tra le­van­ta­men­to fei­to pe­la Fo­lha a par­tir do cru­za­men­to de mi­cro­da­dos do ISP (Ins­ti­tu­to de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca) e da Po­lí­cia Ci­vil.

O nú­me­ro in­clui tan­to ocor­rên­ci­as sem apre­en­são co­mo ca­sos em que o to­tal de mor­tos é me­nor do que a quan­ti­da­de de ar­mas re­co­lhi­das nos su­pos­tos con­fron­tos.

Is­so re­pre­sen­ta 9% do to­tal de óbi­tos pe­lo Es­ta­do em 2019. Ou­tros 13% fo­ram mor­tos com apre­en­são de fu­zil, e 60% com pis­to­la, a ar­ma mais co­mum. A mor­te sem apre­en­são de ar­ma não é, por si só, pro­va de um ho­mi­cí­dio sem le­gí­ti­ma de­fe­sa pe­lo po­li­ci­al.

Po­li­ci­ais re­la­tam em al­guns re­gis­tros que a ví­ti­ma es­ta­va jun­to com ou­tra pes­soa ar­ma­da que fu­giu. Há ca­sos tam­bém em que, se­gun­do os agen­tes, a pro­va do cri­me foi le­va­da por ou­tros com­par­sas. A au­sên­cia da apre­en­são, po­rém, le­van­ta sus­pei­tas em al­gu­mas ocor­rên­ci­as.

Es­se é mais um da­do nas de­ze­nas de di­ag­nós­ti­cos so­bre a le­ta­li­da­de po­li­ci­al flu­mi­nen­se e su­as cau­sas, agra­va­das pe­lo apoio ofi­ci­al aos con­fron­tos por par­te de Wit­zel, ho­je afas­ta­do do go­ver­no.

En­tre as ra­zões elen­ca­das pa­ra o Rio de Ja­nei­ro ter a po­lí­cia que mais ma­ta e mais mor­re no país es­tão a fal­ta de trei­na­men­to, a au­sên­cia de apli­ca­ção dos pro­to­co­los de ação, ne­nhum con­tro­le in­ter­no e ex­ter­no e o es­go­ta­men­to dos po­li­ci­ais pa­ra, ao mes­mo tem­po, com­ba­ter fac­ções cri­mi­no­sas for­te­men­te ar­ma­das e aten­der ocor­rên­ci­as diá­ri­as.

A tra­je­tó­ria as­cen­den­te des­sa estatístic­a, que du­ra­va seis anos, foi in­ter­rom­pi­da em ju­nho, após de­ci­são li­mi­nar do mi­nis­tro Ed­son Fa­chin e pos­te­ri­or­men­te do ple­ná­rio do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral). Ele li­mi­tou a re­a­li­za­ção de ope­ra­ções po­li­ci­ais a si­tu­a­ções “ab­so­lu­ta­men­te ex­cep­ci­o­nais” du­ran­te a pan­de­mia do no­vo co­ro­na­ví­rus e obri­gou a co­mu­ni­ca­ção das ações ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

As no­vas exi­gên­ci­as pro­vo­ca­ram uma que­da abrup­ta no nú­me­ro de mor­tos por agen­tes do Es­ta­do, atin­gin­do em ju­nho o me­nor pa­ta­mar men­sal em qua­se cin­co anos. A re­du­ção nas ope­ra­ções tam­bém expôs a de­pen­dên­cia das in­cur­sões os­ten­si­vas pa­ra a re­ti­ra­da de cir­cu­la­ção de ar­mas: o nú­me­ro de apre­en­sões nes­te ano é o me­nor em 21 anos.

“A es­tra­té­gia de se­gu­ran­ça da po­lí­cia do Rio são as ope­ra­ções. Até a es­tra­té­gia de pre­ven­ção é o con­fron­to. Quan­do vo­cê fa­la com po­li­ci­ais so­bre pre­ven­ção, eles di­zem ‘a gen­te faz uma me­ga­o­pe­ra­ção’”, afir­ma a ci­en­tis­ta so­ci­al Te­ri­ne Hu­sek, da Uerj (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al do Rio de Ja­nei­ro), que tra­ba­lhou de 2013 a 2016 na Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça.

Os da­dos ob­ti­dos pe­la Fo­lha por meio da Lei de Aces­so à In­for­ma­ção tam­bém mos­tram o con­fron­to co­mo prin­ci­pal es­tra­té­gia de de­sar­ma­men­to do cri­me. Qua­se me­ta­de das apre­en­sões de fu­zis (47%) e 31% das apre­en­sões de pis­to­las em 2019 fo­ram fei­tas em ocor­rên­ci­as com mor­te.

Pes­qui­sa­do­res afir­mam que ain­da são ra­ras ações de in­te­li­gên­cia que im­pe­çam a en­tra­da de ar­mas, ou sua apre­en­são na che­ga­da ao es­ta­do. Ci­tam co­mo exem­plo os 117 fu­zis en­con­tra­dos nu­ma ca­sa li­ga­da a Ron­nie Les­sa, acu­sa­do pe­la mor­te da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co (PSOL), e ou­tros 60 acha­dos den­tro de um aque­ce­dor de pis­ci­na no Ae­ro­por­to do Ga­leão, em 2017.

A abor­da­gem das ope­ra­ções po­li­ci­ais pa­ra com­ba­ter o cri­me or­ga­ni­za­do, além de ele­var as mor­tes em ti­ro­tei­os, con­ta­mi­na a for­ma co­mo a po­lí­cia atua em ocor­rên­ci­as co­ti­di­a­nas, ge­ran­do ain­da mais ví­ti­mas, ar­gu­men­tam es­tu­di­o­sos da se­gu­ran­ça pú­bli­ca.

“Com uma de­man­da mui­to gran­de e o efe­ti­vo pe­que­no, vo­cê so­bre­car­re­ga os po­li­ci­ais. Quan­do faz es­sas me­ga­o­pe­ra­ções, a po­lí­cia mo­bi­li­za o ca­ra de fol­ga pa­ra não en­fra­que­cer o po­li­ci­a­men­to das ru­as. No dia se­guin­te, ele já vai en­ga­jar no ser­vi­ço de pa­tru­lha­men­to”, diz o an­tro­pó­lo­go Pau­lo Sto­ra­ni, ex­ca­pi­tão do Bo­pe (Ba­ta­lhão de Ope­ra­ções Es­pe­ci­ais).

“Ele quei­ma as eta­pas do uso pro­gres­si­vo da for­ça e apon­ta um fu­zil pa­ra um ca­ma­ra­da que ba­teu uma car­tei­ra. Faz is­so por­que es­tá num li­mi­te de es­go­ta­men­to que não tem mais pa­ci­ên­cia pa­ra na­da, só quer vol­tar pa­ra ca­sa.”

Es­tu­do de 2008 da Fi­o­cruz já in­di­ca­va o es­go­ta­men­to psi­co­ló­gi­co dos po­li­ci­ais. Mais da me­ta­de dos 1.120 po­li­ci­ais mi­li­ta­res en­tre­vis­ta­dos na pes­qui­sa “Mis­são Pre­ve­nir e Pro­te­ger” de­cla­rou que se sen­tia ner­vo­sa e agi­ta­da (53%), e mais de um quar­to (26%) as­sus­ta­va-se com fa­ci­li­da­de.

Um dos efei­tos co­la­te­rais des­se ce­ná­rio é a mor­te de ino­cen­tes co­mo o me­ni­no João Pe­dro, 14, ba­le­a­do em maio du­ran­te uma in­cur­são de po­li­ci­ais ci­vis na ca­sa on­de brin­ca­va com os pri­mos em

São Gon­ça­lo, na re­gião me­tro­po­li­ta­na do Rio. A in­ves­ti­ga­ção ain­da não foi con­cluí­da —a re­pro­du­ção si­mu­la­da do ca­so foi adi­a­da por cau­sa da de­ci­são do Su­pre­mo.

O Rio de Ja­nei­ro re­gis­trou no ano pas­sa­do 10,5 mor­tes nas mãos da po­lí­cia pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes , su­pe­ran­do a ta­xa de ho­mi­cí­di­os co­me­ti­dos por cri­mi­no­sos em São Pau­lo no mes­mo pe­río­do (7,2). É o mai­or ín­di­ce do país, con­si­de­ran­do os úl­ti­mos da­dos dis­po­ní­veis, de 2018 , quan­do o Rio ti­nha 8,9 mor­tes por 100 mil e o Pa­rá, vice lí­der, 7,9 por 100 mil.

Es­ses nú­me­ros le­va­ram a po­lí­cia do RJ a ser res­pon­sá­vel por uma a ca­da três mor­tes vi­o­len­tas no es­ta­do em 2019. Em al­guns lo­cais, es­ses óbi­tos su­pe­ra­ram os ho­mi­cí­di­os co­muns. É o ca­so da área do 6º Ba­ta­lhão da PM (que abran­ge bair­ros co­mo Gra­jaú, Vi­la Isa­bel e Ti­ju­ca, na zo­na nor­te), on­de 32 pes­so­as fo­ram mor­tas por agen­tes pú­bli­cos, e 27 em ho­mi­cí­di­os do­lo­sos.

En­tre os mor­tos pe­la po­lí­cia flu­mi­nen­se, 79% eram ne­gros, 13% eram bran­cos e pa­ra 9% es­sa in­for­ma­ção não foi re­gis­tra­da. As ví­ti­mas se con­cen­tram em re­giões com atu­a­ção de fac­ções do trá­fi­co. Áre­as de mi­lí­cia, que con­tam com a par­ti­ci­pa­ção de agen­tes do Es­ta­do, apre­sen­tam um nú­me­ro de ca­sos me­nor.

O pe­di­do foi fei­to por­que o nú­me­ro de mor­tos em su­pos­tos con­fron­tos su­bia mes­mo com as de­ter­mi­na­ções de iso­la­men­to so­ci­al em ra­zão da pan­de­mia do no­vo co­ro­na­ví­rus. A Cor­te aten­deu à so­li­ci­ta­ção e impôs ou­tras res­tri­ções, co­mo proi­bir o uso de he­li­cóp­te­ros co­mo pla­ta­for­ma de ti­ro e de es­co­las e hos­pi­tais co­mo ba­se ope­ra­ci­o­nal.

Na prá­ti­ca, po­li­ci­ais mi­li­ta­res ou­vi­dos pe­la Fo­lha re­la­tam en­ges­sa­men­to do tra­ba­lho. O co­man­dan­te de um ba­ta­lhão da Bai­xa­da Flu­mi­nen­se, que não quis se iden­ti­fi­car, diz que tem cru­za­do os bra­ços ao re­ce­ber cha­ma­dos do 190. Ele re­la­ta que to­dos os di­as pe­de au­to­ri­za­ção pa­ra in­cur­sões an­tes ro­ti­nei­ras, co­mo re­ti­ra­da de bar­ri­ca­das, mas tem seus pe­di­dos ne­ga­dos pe­lo co­man­do da área.

Mes­mo ca­sos mais sé­ri­os vêm dei­xan­do de ser aten­di­dos, ar­gu­men­ta: “Se tem uma mu­lher que pre­ci­sa de me­di­da pro­te­ti­va, não pos­so man­dar uma pa­tru­lha lá pa­ra ga­ran­tir que o ho­mem não vai ba­ter ne­la. Te­ve um ca­ra que ta­va de­ven­do na bo­ca, foi tor­tu­ra­do e a gen­te não pô­de en­trar pa­ra ave­ri­guar”.

Em re­la­tó­ri­os en­vi­a­dos ao STF, tan­to a Po­lí­cia Mi­li­tar e quan­to a Ci­vil ale­ga­ram que as res­tri­ções cri­am uma “zo­na de pro­te­ção” pa­ra as or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas que, “em pou­cos me­ses, de­vem cau­sar au­men­to re­cor­de nos in­di­ca­do­res de cri­mi­na­li­da­de”.

A PM diz que seu pro­to­co­lo vi­sa a pre­ser­va­ção da vi­da e que não bus­ca o con­fron­to, “sen­do tal op­ção uma de­ci­são do opo­si­tor das ações po­li­ci­ais”. Afir­ma tam­bém que já dis­po­ni­bi­li­za ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, des­de 2018, re­la­tó­ri­os com de­ta­lhes das ope­ra­ções, e cri­ti­ca a inér­cia do ór­gão.

An­tes das res­tri­ções, só a Po­lí­cia Mi­li­tar fez em mé­dia 372 ope­ra­ções por mês nes­te ano. De ju­nho até o iní­cio de ou­tu­bro, foi co­mu­ni­ca­do um to­tal de 154 ações à Pro­mo­to­ria, que não in­for­mou em quan­tas de­las so­li­ci­tou ex­pli­ca­ções às du­as cor­po­ra­ções.

A Po­lí­cia Ci­vil, por sua vez, ques­ti­o­na o que se­ria ex­cep­ci­o­nal “di­an­te da re­a­li­da­de de guer­ra do Rio de Ja­nei­ro”: “Dis­pu­ta ter­ri­to­ri­al en­tre fac­ções, com mor­tes de mo­ra­do­res e cri­an­ças, é ex­cep­ci­o­nal ou nor­mal? As­sas­si­na­tos de de­sa­fe­tos, es­quar­te­ja­men­tos e quei­ma de cor­pos são ex­cep­ci­o­nais ou nor­mais?”. O Su­pre­mo não de­fi­niu o que de­ve ser con­si­de­ra­do ex­cep­ci­o­nal.

Pa­ra jus­ti­fi­car a ne­ces­si­da­de de ope­ra­ções e a al­ta le­ta­li­da­de po­li­ci­al, a cor­po­ra­ção diz ain­da que há ho­je no es­ta­do 1.413 lo­cais con­tro­la­dos por gru­pos ar­ma­dos e, “com ba­se na ex­pe­ri­ên­cia po­li­ci­al”, cal­cu­la em mé­dia 40 cri­mi­no­sos com pis­to­las ou fu­zis em ca­da um. Apon­ta tam­bém a re­du­ção na ta­xa de ho­mi­cí­di­os, de 20% no ano pas­sa­do co­mo pro­va de su­ces­so da po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça.

Um es­tu­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co flu­mi­nen­se, con­tu­do, con­tes­ta o vín­cu­lo en­tre o au­men­to das mor­tes por po­li­ci­ais e a re­du­ção dos as­sas­si­na­tos. O le­van­ta­men­to in­di­ca que a que­da dos ho­mi­cí­di­os ocor­reu tan­to em áre­as com cres­ci­men­to co­mo em áre­as com di­mi­nui­ção de ví­ti­mas de agen­tes do Es­ta­do.

O so­ció­lo­go Da­ni­el Hi­ra­ta, do Ge­ni/UFF (Gru­po de Es­tu­dos dos No­vos Ile­ga­lis­mos da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral Flu­mi­nen­se), res­pon­sá­vel por es­tu­dos que em­ba­sa­ram a ADPF, diz que a de­ci­são do STF per­mi­te ope­ra­ções com ob­je­ti­vos de­fi­ni­dos, que ten­dem a ter me­nos efei­tos co­la­te­rais.

“As ope­ra­ções cu­ja mo­ti­va­ção é o cum­pri­men­to de man­da­do ju­di­ci­al ou a re­cu­pe­ra­ção pa­tri­mo­ni­al, via de re­gra, são me­nos le­tais do que as de­mais”, afir­ma Hi­ra­ta. Ele tam­bém res­sal­ta que os crimes con­tra a vi­da não su­bi­ram após as res­tri­ções.

A pro­mo­to­ra An­dréa Amin, co­or­de­na­do­ra do Ga­esp (Gru­po de Atu­a­ção Es­pe­ci­a­li­za­da em Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca) do

Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio, afir­ma que a mai­or par­te das mor­tes em con­fron­to no RJ não ocor­re em ope­ra­ções pla­ne­ja­das, mas em in­cur­sões em fa­ve­las com pou­cos po­li­ci­ais.

“Se vo­cê não es­tá com uma for­ça su­pe­ri­or ao ris­co do lo­cal, vo­cê po­de ter que usar, mui­tas ve­zes, uma for­ça mai­or pa­ra con­se­guir re­a­li­zar aque­la mis­são que foi pas­sa­da. A in­cur­são não é a ati­vi­da­de fim da Po­lí­cia Mi­li­tar, ela de­ve ser ci­rúr­gi­ca”, diz a pro­mo­to­ra.

O Rio já foi con­de­na­do em 2017 pe­la Cor­te In­te­ra­me­ri­ca­na de Di­rei­tos Hu­ma­nos a es­ta­be­le­cer me­tas e po­lí­ti­cas pa­ra re­du­zir a le­ta­li­da­de po­li­ci­al. A de­ter­mi­na­ção in­te­gra a sen­ten­ça que con­de­nou o Bra­sil pe­la fal­ta de res­pos­tas a du­as cha­ci­nas que dei­xa­ram 26 mor­tos nos anos 1990 no Com­ple­xo do Ale­mão.

”Os in­di­ca­do­res de­mons­tram que o que es­tá sen­do fei­to é in­su­fi­ci­en­te. As res­pos­tas não se mos­tra­ram po­si­ti­vas. A Po­lí­cia Ci­vil foi lacô­ni­ca. A PM apre­sen­tou uma res­pos­ta mais con­cre­ta, mas sem in­di­car re­sul­ta­dos po­si­ti­vos”, diz a co­or­de­na­do­ra do Ga­esp, que pre­pa­ra uma ação ci­vil pú­bli­ca pa­ra bus­car na Jus­ti­ça o cum­pri­men­to da de­ci­são da Cor­te.

Ela atri­bui a al­ta le­ta­li­da­de po­li­ci­al tam­bém à fal­ta de es­tru­tu­ra e or­ga­ni­za­ção da PM pa­ra con­tro­lar ações de seus agen­tes e da Po­lí­cia Ci­vil ao in­ves­ti­gar ca­da ca­so.

“Es­se ti­po de in­ves­ti­ga­ção [pe­la Po­lí­cia Ci­vil] acon­te­ce no ata­ca­do. A for­ma co­mo as pes­so­as são ou­vi­das é meio que sem­pre a mes­ma. Co­mo a le­ta­li­da­de po­li­ci­al já acom­pa­nha a his­tó­ria do Rio de Ja­nei­ro, hou­ve uma na­tu­ra­li­za­ção na for­ma de in­ves­ti­gar.”

Amin ad­mi­te tam­bém que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ain­da não tem um mo­de­lo con­so­li­da­do pa­ra cum­prir sua atri­bui­ção de con­tro­le ex­ter­no da ati­vi­da­de po­li­ci­al. O gru­po es­pe­ci­a­li­za­do co­or­de­na­do por ela tem 14 pro­mo­to­res e pe­ri­tos e atua ape­nas com au­to­ri­za­ção do pro­mo­tor na­tu­ral do ca­so e em in­ves­ti­ga­ções com­ple­xas.

En­tre as 1.814 mor­tes por po­li­ci­ais ocor­ri­das em 2019, o Ga­esp é res­pon­sá­vel pe­la apu­ra­ção de 147, se­gun­do cru­za­men­to fei­to pe­la Fo­lha en­tre to­dos os inqué­ri­tos da Po­lí­cia Ci­vil e o an­da­men­to no MP-RJ.

O inqué­ri­to da mor­te de Da­ni­el, a pri­mei­ro pe­la po­lí­cia em 2019 sem apre­en­são de ar­ma, não é al­vo do gru­po. A in­ves­ti­ga­ção não fo­ra con­cluí­da até a pu­bli­ca­ção des­te tex­to.

Jail­son Fran­ça, pre­so na ocor­rên­cia, não foi ou­vi­do no inqué­ri­to so­bre a mor­te do ado­les­cen­te. Ele de­cla­rou à Jus­ti­ça, no pro­ces­so em que foi con­de­na­do por rou­bo, que a ar­ma le­va­da pe­lo com­par­sa que fu­giu era de brin­que­do.

O juiz Ro­ber­to Bran­dão o con­de­nou con­si­de­ran­do sua ver­são fal­sa, ten­do por ba­se o depoimento dos po­li­ci­ais que o pren­de­ram, os mes­mos en­vol­vi­dos na mor­te de Da­ni­el.

A DH ou­viu os cin­co po­li­ci­ais e a mãe da ví­ti­ma. Há nos au­tos in­di­ca­ção de que co­mér­ci­os e edi­fí­ci­os da re­gião ti­nham câ­me­ras de vigilância, mas não há re­fe­rên­cia ne­nhu­ma à bus­ca por es­sas ima­gens.

Tér­cio Tei­xei­ra/Fo­lha­press

Po­li­ci­ais mi­li­ta­res fa­zem re­for­ço no pa­tru­lha­men­to em tor­no do Com­ple­xo do Ale­mão, zo­na nor­te do Rio de Ja­nei­ro

*% dos que têm in­for­ma­ção | Fon­te: ISP Fon­te: "A vi­ti­mi­za­ção po­li­ci­al no RJ", de Te­ri­ne Hu­sek (UERJ), com ba­se nos nú­me­ros de PMs mor­tos em ser­vi­ço e ci­vis mor­tos por po­li­ci­ais en­tre 2010 e 2015

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.