Idei­as e no­mes

Fo­lha con­ti­nu­a­rá a pre­fe­rir o de­ba­te crí­ti­co e plu­ral, sem atre­lar-se a par­ti­dos nem a go­ver­nos

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

So­bre prin­cí­pi­os se­gui­dos pe­lo jor­na­lis­mo da Fo­lha.

Em con­so­nân­cia com a pro­pos­ta de um jor­na­lis­mo crí­ti­co, apar­ti­dá­rio e plu­ra­lis­ta, es­ta Fo­lha não en­dos­sa gru­pos po­lí­ti­cos ou can­di­da­tu­ras, tra­di­ção que se man­te­rá inal­te­ra­da no plei­to mu­ni­ci­pal des­te ano. Em tem­pos de po­la­ri­za­ção ide­o­ló­gi­ca e pa­tru­lhas es­tri­den­tes nas re­des so­ci­ais, ca­be re­vi­si­tar os fun­da­men­tos des­sa es­co­lha.

Ou­tros veí­cu­los de im­pren­sa, co­mo se sa­be, fa­zem re­co­men­da­ções de vo­to aos lei­to­res. Em exem­plo no­tó­rio e re­cen­te, o diá­rio The New York Ti­mes de­cla­rou apoio ao de­mo­cra­ta Joe Bi­den na cor­ri­da à Ca­sa Bran­ca; tra­ta-se de po­si­ção le­gí­ti­ma e am­pa­ra­da pe­lo di­rei­to ine­go­ciá­vel à li­ber­da­de de ex­pres­são.

Es­te jor­nal, no en­tan­to, op­ta por man­ter-se de­sa­tre­la­do de le­gen­das e go­ver­nos. En­ten­de que as­sim de­sem­pe­nha­rá com mai­o­res de­sen­vol­tu­ra e cre­di­bi­li­da­de o pa­pel de re­gis­trar e es­cru­ti­nar a con­du­ta do po­der —quais­quer que se­jam as for­ças ins­ta­la­das no Es­ta­do.

O exer­cí­cio in­tran­si­gen­te da crí­ti­ca não ra­ro é er­rô­nea ou in­te­res­sa­da­men­te to­ma­do por ati­tu­de per­se­cu­tó­ria, co­mo ale­gam se­to­res bol­so­na­ris­tas e pe­tis­tas, en­tre ou­tros gru­pos mi­li­tan­tes. To­da­via a Fo­lha, sem des­co­nhe­cer even­tu­ais equí­vo­cos e ex­ces­sos que de­ve cor­ri­gir com trans­pa­rên­cia, não faz nem fez opo­si­ção.

De­fen­de, sim, prin­cí­pi­os —de­mo­cra­cia,

Es­ta­do de Di­rei­to, li­ber­da­des in­di­vi­du­ais, eco­no­mia de mer­ca­do— e as po­lí­ti­cas pú­bli­cas que en­ten­de se­rem as mais ade­qua­das, in­de­pen­den­te­men­te da ad­mi­nis­tra­ção que as con­duz.

Tam­pou­co se de­ve confundir apar­ti­da­ris­mo com neu­tra­li­da­de. As di­fe­ren­ças per­ce­bi­das en­tre can­di­da­tos e en­tre go­ver­nos, in­cluin­do seus as­pec­tos mais de­le­té­ri­os, de­vem ser apon­ta­das, sem dei­xar de res­pei­tar a op­ção dos elei­to­res.

É o que se dá no ca­so do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e de seu fler­te ina­cei­tá­vel com te­ses au­to­ri­tá­ri­as, de­nun­ci­a­do des­de an­tes da cam­pa­nha elei­to­ral. A ex­cep­ci­o­na­li­da­de de sua ges­tão tam­bém se re­fle­te na de­fe­sa da saí­da de mi­nis­tros, prá­ti­ca ra­ra na his­tó­ria do jor­nal.

Ad­vo­gou-se nes­te ano a de­mis­são de Abraham Wein­traub, que já dei­xou o MEC após ata­ques gol­pis­tas ao Su­pre­mo, e de Ri­car­do Sal­les, co­mo pas­so ines­ca­pá­vel pa­ra re­ver­ter a de­vas­ta­ção pa­tro­ci­na­da na pas­ta do Meio Am­bi­en­te. É la­men­tá­vel que pro­vi­dên­ci­as des­sa or­dem pre­ci­sem ser co­bra­das em tão cur­to pe­río­do de tem­po.

Es­te jor­nal con­ti­nu­a­rá a pre­fe­rir o de­ba­te de idei­as ao de no­mes, sem omi­tir-se di­an­te de ati­tu­des con­trá­ri­as aos va­lo­res que abra­ça —e sem so­ne­gar es­pa­ço ao ou­tro la­do. Es­pe­ra, com is­so, ser­vir a lei­to­res de to­das as pre­fe­rên­ci­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.