Folha de S.Paulo

PEC ex­tin­gue pi­so de gas­tos pa­ra saú­de e edu­ca­ção

Ver­são do tex­to pre­vê tam­bém ex­tin­ção de trans­fe­rên­cia do FAT pa­ra o BNDES

- Thi­a­go Re­sen­de, Re­na­to Ma­cha­do e Le­an­dro Co­lon Health · Federal government of Brazil · Party of the Brazilian Democratic Movement · Partido Progressista · Brazil · Brazilian Social Democracy Party · Federal District · Assassin's Creed · Democrats · File Allocation Table · Brazilian Development Bank

Ver­são pre­li­mi­nar do re­la­tó­rio da PEC (Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção) Emer­gen­ci­al pre­vê a ex­tin­ção de va­lo­res mí­ni­mos a se­rem apli­ca­dos em edu­ca­ção e saú­de. O fim do pi­so va­le­ria pa­ra União, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os.

O tex­to, que de­ve ser vo­ta­do no Se­na­do na quin­ta, vi­sa vi­a­bi­li­zar no­va ro­da­da do au­xí­lio a in­for­mais e de­sem­pre­ga­dos.

bra­sí­lia A ver­são pre­li­mi­nar do re­la­tó­rio da PEC (pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção) Emer­gen­ci­al pre­vê a ex­tin­ção dos va­lo­res mí­ni­mos a se­rem apli­ca­dos em edu­ca­ção e saú­de. O fim do pi­so va­le­ria pa­ra União, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os.

Is­so faz par­te do pa­co­te de me­di­das em ava­li­a­ção pe­lo re­la­tor da PEC, se­na­dor Már­cio Bit­tar (MDB-AC). O ob­je­ti­vo do pro­je­to é apre­sen­tar um con­jun­to de ações de re­du­ção de des­pe­sas pa­ra o ajus­te das con­tas pú­bli­cas e, além dis­so, vi­a­bi­li­zar uma no­va ro­da­da do au­xí­lio emer­gen­ci­al, em 2021, a tra­ba­lha­do­res in­for­mais e de­sem­pre­ga­dos.

Pa­ra aca­bar com o gas­to mí­ni­mo pa­ra saú­de e edu­ca­ção, é ne­ces­sá­rio aval do Con­gres­so, on­de há uma re­sis­tên­cia his­tó­ri­ca a es­sa ideia. O pre­si­den­te do Se­na­do, Ro­dri­go Pa­che­co (DEM-MG), por exem­plo, não apoio a ex­tin­ção to­tal dos pi­sos cons­ti­tu­ci­o­nais. De­pu­ta­dos e se­na­do­res das ban­ca­das de saú­de, edu­ca­ção e li­ga­dos ao ser­vi­ço pú­bli­co tam­bém ten­ta­rão bar­rar a mu­dan­ça.

Nos bas­ti­do­res, a equi­pe econô­mi­ca apoia a des­vin­cu­la­ção dos pi­sos so­bre saú­de e edu­ca­ção. Na ava­li­a­ção do go­ver­no, o Con­gres­so pre­ci­sa as­su­mir com mais ên­fa­se a con­du­ção do Or­ça­men­to.

O go­ver­no de­fen­de a apro­va­ção da PEC com o dis­cur­so de que re­pre­sen­ta o que cha­ma de “pro­to­co­lo fis­cal fu­tu­ro”, que in­clui de­sin­de­xa­ções e des­vin­cu­la­ções obri­ga­tó­ri­as do Or­ça­men­to e com­pro­mis­sos de res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal.

Des­de 2018, o cál­cu­lo do pi­so pa­ra saú­de e edu­ca­ção pa­ra a União é com ba­se no va­lor de­sem­bol­sa­do em 2017 cor­ri­gi­do pe­la in­fla­ção do pe­río­do. Pa­ra 2021, es­ti­ma-se R$ 123,8 bi­lhões pa­ra a saú­de e R$ 55,6 bi­lhões pa­ra edu­ca­ção.

O pro­je­to de Or­ça­men­to de 2021 pre­vê a apli­ca­ção de R$ 98,9 bi­lhões em ma­nu­ten­ção e de­sen­vol­vi­men­to do en­si­no, e R$ 124,6 bi­lhões em ações e ser­vi­ços pú­bli­cos de saú­de, se­gun­do cál­cu­los da Con­sul­to­ria de Or­ça­men­to da Câ­ma­ra.

Pa­ra es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, o pi­so cons­ti­tu­ci­o­nal va­ria. Pa­ra edu­ca­ção, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os pre­ci­sam in­ves­tir 25% da re­cei­ta. No ca­so dos ser­vi­ços de saú­de, é de 12%, pa­ra es­ta­dos, e 15% pa­ra pre­fei­tu­ras.

O fim dos va­lo­res mí­ni­mos pre­vis­tos na Cons­ti­tui­ção já ha­via si­do de­fen­di­do por Bit­tar em ten­ta­ti­vas an­te­ri­o­res de des­tra­var a vo­ta­ção da PEC Emer­gen­ci­al. Ele ar­gu­men­tou, na épo­ca, que ca­da go­ver­nan­te de­ve ter a li­ber­da­de de de­ci­dir on­de apli­car o di­nhei­ro.

Em en­tre­vis­ta à Glo­boNews, o se­na­dor afir­mou nes­ta se­gun­da-fei­ra (22) que o apoio à des­vin­cu­la­ção dos gas­tos com saú­de e edu­ca­ção cres­ceu no Con­gres­so re­cen­te­men­te e ci­tou que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Arthur Lira (PP-AL), elei­to no iní­cio de fe­ve­rei­ro, tam­bém de­fen­de a pro­pos­ta.

“De­vol­ver aos mu­ni­cí­pi­os e aos es­ta­dos e à União o po­der de le­gis­lar uma das leis mais im­por­tan­tes que é a do Or­ça­men­to. Até por­que vin­cu­lar o

Or­ça­men­to da União, que é o úni­co país de­mo­crá­ti­co no mun­do que tem es­se grau de vin­cu­la­ção, não re­sol­veu na­da”, afir­mou.

No Se­na­do, Pa­che­co dis­se nes­ta se­gun­da que o me­lhor se­ria fle­xi­bi­li­zar os cri­té­ri­os de pi­so pa­ra saú­de e edu­ca­ção, mas pre­ser­van­do a ga­ran­tia de uma apli­ca­ção mí­ni­ma uni­fi­ca­da (um per­cen­tu­al pa­ra am­bas as áre­as).

“A des­vin­cu­la­ção, a par­tir des­ses cri­té­ri­os, pre­ser­van­do os in­ves­ti­men­tos na edu­ca­ção e na saú­de po­de ser um ca­mi­nho de meio ter­mo in­te­res­san­te pa­ra o Bra­sil, per­mi­tin­do, re­pi­to, uma fle­xi­bi­li­za­ção dos gas­tos, de acor­do com ca­da en­te fe­de­ra­do”, de­cla­rou Pa­che­co.

Es­sa ideia já che­gou a ser de­fen­di­da por téc­ni­cos da equi­pe econô­mi­ca. O ar­gu­men­to é que, por exem­plo, em ci­da­des com po­pu­la­ção mais ve­lha, o pre­fei­to pos­sa gas­tar mais em saú­de, pois não con­se­gue usar to­da a ver­ba pa­ra edu­ca­ção.

No en­tan­to, ali­a­dos de Lira não acre­di­tam que o fim do gas­to mí­ni­mo pa­ra es­sas áre­as irá ser apro­va­do. O de­pu­ta­do Dou­tor Lui­zi­nho (PPRJ) clas­si­fi­cou a pro­pos­ta co­mo “pés­si­ma”. Ele faz par­te da ban­ca­da da saú­de, que, as­sim co­mo par­ti­dos de es­quer­da da Câ­ma­ra e do Se­na­do, se mo­bi­li­zam pa­ra der­ru­bar es­se tre­cho da PEC.

No Se­na­do, mui­tos par­la­men­ta­res, in­clu­si­ve lí­de­res de ban­ca­da, con­si­de­ram di­fí­cil que avan­ce no Con­gres­so, es­pe­ci­al­men­te em um ri­tu­al ace­le­ra­do.

“Acho até um ab­sur­do que­rer vin­cu­lar uma pro­pos­ta de des­vin­cu­lar gas­tos com saú­de e edu­ca­ção nu­ma PEC Emer­gen­ci­al, que é pa­ra on­tem. Nós aca­ba­mos de apro­var o Fun­deb [fun­do com re­cur­sos pa­ra edu­ca­ção] e ago­ra vem uma pro­pos­ta pa­ra des­vin­cu­lar. Des­vin­cu­lar sig­ni­fi­ca re­du­zir os re­cur­sos da edu­ca­ção”, afir­ma o lí­der da ban­ca­da do PSDB, Izal­ci Lu­cas (DF).

A ver­são pre­li­mi­nar do re­la­tó­rio tam­bém pre­vê o fim da trans­fe­rên­cia de re­cur­sos do FAT (Fun­do de Am­pa­ro ao Tra­ba­lha­dor) pa­ra o BNDES (Ban­co Na­ci­o­nal do De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al). Is­so che­gou a ser pro­pos­to na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Es­ses re­cur­sos são fi­nan­ci­a­dos com o PIS/Pa­sep. A Cons­ti­tui­ção de­ter­mi­na que, pe­lo me­nos, 40% das re­cei­tas do PIS/Pa­sep se­rão des­ti­na­das ao BNDES pa­ra fi­nan­ci­ar os pro­gra­mas de de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co.

A vo­ta­ção da PEC Emer­gen­ci­al es­tá pro­gra­ma­da pa­ra quin­ta-fei­ra (25) no ple­ná­rio do Se­na­do.

Du­ran­te reu­nião de lí­de­res na quin­ta-fei­ra (18), ha­via fi­ca­do acer­ta­do a apre­sen­ta­ção de um re­la­tó­rio da PEC Emer­gen­ci­al de­si­dra­ta­do, sem as me­di­das po­lê­mi­cas que vem di­fi­cul­tan­do a sua tra­mi­ta­ção no Se­na­do, co­mo o cor­te no sa­lá­rio e jor­na­da de ser­vi­do­res pú­bli­cos.

A apro­va­ção da PEC, mes­mo nu­ma ver­são mais en­xu­ta que o pro­je­to ori­gi­nal, abri­ria o ca­mi­nho pa­ra o en­vio da pro­pos­ta de au­xí­lio emer­gen­ci­al.

O go­ver­no man­tém sua dis­po­si­ção ini­ci­al de pa­gar três par­ce­las de R$ 200 do au­xí­lio emer­gen­ci­al e acei­ta uma ne­go­ci­a­ção que che­gue ao li­mi­te de R$ 250 em qu­a­tro par­ce­las. Bit­tar, po­rém, tem de­fen­di­do uma fai­xa mais al­ta, en­tre R$ 250 e R$ 300. O se­na­dor tam­bém é re­la­tor da pro­pos­ta de Or­ça­men­to de 2021, que ain­da não foi apro­va­da pe­lo Con­gres­so.

A ex­pec­ta­ti­va do mi­nis­té­rio é edi­tar uma MP (me­di­da pro­vi­só­ria) ofi­ci­a­li­zan­do o no­vo au­xí­lio as­sim que a PEC for apro­va­da nas du­as Ca­sas. Há uma pos­si­bi­li­da­de de a me­di­da sair após a vo­ta­ção dos se­na­do­res, des­de que ha­ja per­mis­são pa­ra tan­to no tex­to a ser apre­ci­a­do. Pa­che­co con­cor­da com es­sa so­lu­ção pa­ra dar ce­le­ri­da­de à li­be­ra­ção do au­xí­lio.

O go­ver­no quer ini­ci­ar os pa­ga­men­tos em mar­ço e tra­ba­lha com a pos­si­bi­li­da­de de um acor­do com o co­man­do do Con­gres­so pa­ra que a MP se­ja pu­bli­ca­da com o va­lor de­fi­ni­do pa­ra o be­ne­fí­cio, sem ris­co de ser am­pli­a­do quan­do for vo­ta­da pe­los par­la­men­ta­res.

Se­gun­do in­te­gran­tes da equi­pe econô­mi­ca, a des­pe­sa com o au­xí­lio de­ve fi­car em R$ 30 bi­lhões, po­den­do che­gar a R$ 40 bi­lhões a de­pen­der do va­lor fi­nal e das par­ce­las.

A ver­são pre­li­mi­nar do re­la­tó­rio não de­ter­mi­na um va­lor pa­ra o au­xí­lio nem o cus­to do pro­gra­ma. O tex­to pro­põe que o gas­to não se­rá con­ta­bi­li­za­do na me­ta fis­cal do ano.

No iní­cio de fe­ve­rei­ro, Con­gres­so e a equi­pe econô­mi­ca ha­vi­am che­ga­do a um acor­do pa­ra uma no­va ro­da­da do au­xí­lio emer­gen­ci­al, que se­ria pa­go en­tre mar­ço e maio, com a pos­si­bi­li­da­de de pror­ro­gá-lo até ju­nho.

A con­di­ção se­ria jus­ta­men­te a apro­va­ção de uma PEC com me­di­das de ajus­te fis­cal.

A PEC pre­vê uma sé­rie de ações a se­rem ado­ta­das em ca­so de cri­se nas con­tas pú­bli­cas. No ca­so da União, os me­ca­nis­mos po­de­rão ser aci­o­na­dos a par­tir do mo­men­to em que a re­la­ção en­tre des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as su­jei­tas ao te­to de gas­tos so­bre as des­pe­sas to­tais su­jei­tas ao te­to su­pe­re 95%.

 ?? Ro­que de Sá/Agên­cia Se­na­do ?? O pre­si­den­te do Se­na­do, Ro­dri­go Pa­che­co (DEM-MG), du­ran­te en­tre­vis­ta nes­ta se­gun­da (22)
Ro­que de Sá/Agên­cia Se­na­do O pre­si­den­te do Se­na­do, Ro­dri­go Pa­che­co (DEM-MG), du­ran­te en­tre­vis­ta nes­ta se­gun­da (22)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil