Folha de S.Paulo

Acon­se­lha­do, Huck fler­ta com si­glas da es­quer­da à di­rei­ta

En­tu­si­as­tas de can­di­da­tu­ra do apre­sen­ta­dor ao Pla­nal­to se di­vi­dem en­tre pres­são por de­ci­são rá­pi­da e cau­te­la so­bre Bol­so­na­ro e ad­ver­sá­ri­os

- Jo­el­mir Ta­va­res Elections · Politics · Jair Bolsonaro · Rede Globo - Brazilian Television Network · Sao Paulo · João Doria Júnior · Brazilian Social Democracy Party · Lula da Silva · Partido dos Trabalhadores · Portugal · Fernando Haddad · Petrobras-Petroleo Brasil · Democrats · Social Democratic Party · Podemos · Rodrigo Maia · Prince Harry of Wales · Como · Party of the Brazilian Democratic Movement · Luciano Huck · Rio de Janeiro · Antônio Carlos Magalhães · Eduardo Leite · Fernando Henrique Cardoso

Com ce­ná­rio in­cer­to pa­ra 2022 no cam­po de opo­si­ção a Jair Bol­so­na­ro, Lu­ci­a­no Huck tem si­do ori­en­ta­do tan­to a es­pe­rar quan­to a apre­sen­tar even­tu­al can­di­da­tu­ra tão lo­go pos­sí­vel. Ele tem di­a­lo­ga­do com ao me­nos seis si­glas, à es­quer­da e à di­rei­ta.

são pau­lo A pos­sí­vel can­di­da­tu­ra do apre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck a pre­si­den­te en­trou em um mo­men­to de­ci­si­vo sem con­sen­so em seu en­tor­no so­bre pra­zos nem uma apro­xi­ma­ção par­ti­dá­ria de­fi­ni­ti­va.

Com as in­cer­te­zas no ce­ná­rio pa­ra 2022 e no cam­po de opo­si­ção ao pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (sem par­ti­do), o co­mu­ni­ca­dor da TV Glo­bo tem ou­vi­do con­se­lhos con­fli­tan­tes em re­la­ção ao ti­ming pa­ra uma ati­tu­de so­bre sua saí­da da emis­so­ra e sua fi­li­a­ção a uma le­gen­da.

Uma par­te do cír­cu­lo de po­lí­ti­cos, ami­gos e as­ses­so­res que acom­pa­nha Huck de­fen­de que ele man­te­nha até o se­gun­do se­mes­tre as con­ver­sas ini­ci­a­das nos úl­ti­mos três anos e es­pe­re o qua­dro elei­to­ral fi­car mais cla­ro an­tes de se re­sol­ver.

A jus­ti­fi­ca­ti­va é a de que é pre­ci­so aguar­dar os efei­tos que a pan­de­mia da Co­vid-19 e a cri­se econô­mi­ca te­rão so­bre a po­pu­la­ri­da­de do go­ver­no. Além dis­so, ob­ser­var os mo­vi­men­tos de ad­ver­sá­ri­os da­ria a ele ni­ti­dez mai­or so­bre as con­di­ções da dis­pu­ta.

O ex-mi­nis­tro Ser­gio Mo­ro (sem fi­li­a­ção par­ti­dá­ria, as­sim co­mo Huck) e o go­ver­na­dor de São Pau­lo, João Do­ria (PSDB), são vis­tos co­mo pré­can­di­da­tos que con­cor­re­ri­am com o co­mu­ni­ca­dor e em­pre­sá­rio na fai­xa do elei­to­ra­do mais ao cen­tro e mo­de­ra­do.

Ou­tro ra­ci­o­cí­nio que che­gou a Huck pre­ga te­se dis­tin­ta: a de que, se ele quer mes­mo se co­lo­car co­mo uma op­ção viá­vel, de­ve se apre­sen­tar tão lo­go se­ja pos­sí­vel.

En­tre os fa­to­res que pe­sam em fa­vor da ideia de bo­tar lo­go o bloco na rua es­tão a ur­gên­cia de or­ga­ni­zar um par­ti­do ou co­li­ga­ção em tor­no de seu pro­je­to, al­go que ine­xis­te ho­je, e a ne­ces­si­da­de de fa­zer a tran­si­ção da ima­gem de ar­tis­ta pa­ra a de po­lí­ti­co.

Um dos exem­plos usa­dos pa­ra en­dos­sar es­se pon­to de vis­ta é o pas­so da­do nes­te mês pe­lo ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT), que ori­en­tou o lan­ça­men­to da pré-can­di­da­tu­ra de Fer­nan­do Had­dad, pa­ra que o par­ti­do não per­des­se vi­si­bi­li­da­de nas dis­cus­sões so­bre 2022.

Em su­ma, a di­ver­gên­cia ao re­dor de Huck se dá en­tre, de um la­do, a vi­são cau­te­lo­sa e otimista de que ele ten­de a se fir­mar co­mo no­me com­pe­ti­ti­vo e ser “em­pur­ra­do” pe­las cir­cuns­tân­ci­as; e de ou­tro a cons­ta­ta­ção prag­má­ti­ca da au­sên­cia de par­ti­do e de uma mar­ca elei­to­ral for­te. O pra­zo de fi­li­a­ção pa­ra quem qui­ser dis­pu­tar as elei­ções ter­mi­na em abril de 2022.

En­quan­to o gru­po de en­tu­si­as­tas ana­li­sa o ti­ming, o co­mu­ni­ca­dor ado­ta dis­tân­cia re­gu­la­men­tar do de­ba­te so­bre sua pos­sí­vel can­di­da­tu­ra, su­as co­ne­xões po­lí­ti­cas e a or­ga­ni­za­ção da opo­si­ção. A atu­a­ção de­le tem se li­mi­ta­do a con­ver­sas de bas­ti­do­res e, em pú­bli­co, a ma­ni­fes­ta­ções pon­tu­ais em re­des so­ci­ais e na im­pren­sa so­bre te­mas co­mo a ges­tão da cri­se de saú­de e a in­ter­fe­rên­cia de Bol­so­na­ro na Pe­tro­bras.

O com­por­ta­men­to impôs tam­bém um com­pas­so de es­pe­ra aos par­ti­dos com os quais o apre­sen­ta­dor es­trei­tou la­ços nos úl­ti­mos tem­pos e que po­dem abri­gar sua even­tu­al cam­pa­nha ou apoiá-lo.

O ti­tu­lar do Cal­dei­rão do Huck tem pro­xi­mi­da­de, em di­fe­ren­tes ní­veis, com re­pre­sen­tan­tes de ao me­nos seis si­glas: Ci­da­da­nia, PSDB, DEM, PSB, PSD e Po­de­mos.

To­das elas fi­gu­ram em es­pe­cu­la­ções no uni­ver­so po­lí­ti­co co­mo su­pos­tos des­ti­nos do co­mu­ni­ca­dor, ca­so ele en­tre mes­mo na vi­da pú­bli­ca. Ofi­ci­al­men­te, na­da é con­fir­ma­do.

O Ci­da­da­nia, que até pou­co tem­po atrás era ti­do co­mo o mais for­te nes­sa bri­ga, per­deu es­pa­ço pro­gres­si­va­men­te pa­ra o DEM, que ha­via con­quis­ta­do ter­re­no a par­tir da re­la­ção amis­to­sa en­tre Huck e Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

O fler­te te­ve uma re­vi­ra­vol­ta com a cri­se aber­ta no par­ti­do a par­tir da elei­ção pa­ra o co­man­do da Ca­sa e os ace­nos que o ex-pre­fei­to de Sal­va­dor e pre­si­den­te na­ci­o­nal do DEM, ACM Ne­to, fez ao Pla­nal­to.

Os diá­lo­gos com le­gen­das mais à di­rei­ta, co­mo DEM e Po­de­mos, e mais à es­quer­da, ca­so do PSB, lan­ça­ram ques­ti­o­na­men­tos so­bre a am­pli­tu­de ide­o­ló­gi­ca dos in­ter­lo­cu­to­res do apre­sen­ta­dor.

Ali­a­dos, no en­tan­to, res­pon­dem que ele bus­ca fa­lar com lí­de­res de di­fe­ren­tes po­si­ções pa­ra com­pre­en­der o chão em que es­tá pi­san­do e ori­en­tar sua to­ma­da de de­ci­são, quan­do che­gar a ho­ra.

A es­tru­tu­ra par­ti­dá­ria da vir­tu­al can­di­da­tu­ra po­de­ria vir ain­da da fu­são de si­glas afins, ou­tra ja­ne­la que se abriu nas úl­ti­mas se­ma­nas.

Uma das pou­cas cer­te­zas nas fa­las de con­se­lhei­ros de Huck é a de que uma cam­pa­nha te­ria co­mo me­ta pri­o­ri­tá­ria co­lar ne­le o se­lo de po­lí­ti­co de cen­tro, em es­for­ço pa­ra fu­gir de ar­ma­di­lhas ide­o­ló­gi­cas.

Em­bo­ra se­ja con­si­de­ra­do obs­tá­cu­lo, o con­ges­ti­o­na­men­to do cha­ma­do cen­tro de­mo­crá­ti­co —com as pré-can­di­da­tu­ras de Mo­ro, Do­ria, Edu­ar­do Lei­te (PSDB) e Luiz Hen­ri­que Man­det­ta (DEM)— não é tra­ta­do co­mo im­pe­di­ti­vo, a pri­o­ri.

Sem­pre com a res­sal­va de que pes­qui­sas de opi­nião se­rão a baliza, pes­so­as que cer­cam o apre­sen­ta­dor di­zem ser pos­sí­vel que ele se dis­po­nha a en­fren­tar o ex-juiz da La­va Ja­to ou re­pre­sen­tan­te tu­ca­no no pri­mei­ro tur­no, com a pos­si­bi­li­da­de de união no se­gun­do.

Co­mo a Fo­lha re­ve­lou, Huck e Mo­ro ti­ve­ram en­con­tro em ou­tu­bro e dis­cu­ti­ram a for­ma­ção de uma ali­an­ça elei­to­ral. Do­ria tam­bém pro­cu­rou o ex­ma­gis­tra­do e ten­tou atrai-lo.

É pon­to pa­cí­fi­co en­tre os “huc­kis­tas” a pre­mis­sa de que sua hi­po­té­ti­ca cam­pa­nha se­ria de opo­si­ção a Bol­so­na­ro e de­ve­ria agre­gar for­ças con­trá­ri­as ao pre­si­den­te. Os cál­cu­los, no en­tan­to, in­di­cam uma ex­clu­são dos se­to­res mais à es­quer­da, no­ta­da­men­te o PT.

O nú­cleo com o qu­al o apre­sen­ta­dor de­ba­te seu fu­tu­ro reú­ne o ex-go­ver­na­dor do Es­pí­ri­to San­to Pau­lo Har­tung (ex-MDB, PSB e PSDB), os ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos Ilo­na Sza­bó e Le­an­dro Ma­cha­do (do Ago­ra!, apoi­a­do por Huck) e o em­pre­sá­rio Edu­ar­do Mu­fa­rej (da es­co­la de for­ma­ção de can­di­da­tos Re­no­vaBR).

O pre­si­den­te na­ci­o­nal do Ci­da­da­nia, Ro­ber­to Frei­re, é in­ter­lo­cu­tor fre­quen­te des­de 2017 e o mai­or in­te­res­sa­do em le­vá-lo pa­ra a le­gen­da. O ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so (PSDB), que cons­tan­te­men­te in­clui o no­va­to no rol de “out­si­ders” viá­veis, tam­bém é con­sul­ta­do.

Na se­a­ra econô­mi­ca, o gu­ru é o ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral Ar­mi­nio Fra­ga — que é co­lu­nis­ta da Fo­lha, as­sim co­mo Ilo­na.

Uma equa­ção que de­sem­bo­que em re­sul­ta­do di­fe­ren­te do de 2018 —quan­do Huck con­si­de­rou se­ri­a­men­te ser pre­si­den­ciá­vel, mas de­sis­tiu— en­vol­ve as­pec­tos pro­fis­si­o­nais, fi­nan­cei­ros e fa­mi­li­a­res, pa­ra além das va­riá­veis po­lí­ti­cas. An­tes de mais na­da, é pre­ci­so que ele quei­ra se can­di­da­tar.

Lar­gar a Glo­bo, on­de des­fru­ta de po­si­ção se­gu­ra em au­di­ên­cia e fa­tu­ra­men­to, e se jo­gar na im­pre­vi­si­bi­li­da­de das ur­nas são pas­sos que re­pre­sen­ta­ri­am uma mu­dan­ça ra­di­cal.

A pos­si­bi­li­da­de que sur­giu na TV com o anún­cio da saí­da do apre­sen­ta­dor Faus­to Sil­va da gra­de do­mi­ni­cal da Glo­bo, no fim des­te ano, tam­bém é men­ci­o­na­da na ór­bi­ta de Huck co­mo um as­sun­to pen­den­te, já que ele no pas­sa­do vis­lum­brou ocu­par o ho­rá­rio.

A Glo­bo in­for­mou, via as­ses­so­ria, que não de­ta­lha con­tra­tos nem co­men­ta pra­zos ou ne­go­ci­a­ções de re­no­va­ção. Dis­se que “a re­la­ção en­tre a Glo­bo e seus ta­len­tos é pri­va­da” e não res­pon­deu so­bre a even­tu­al can­di­da­tu­ra de Huck. Pro­cu­ra­do, o apre­sen­ta­dor não se ma­ni­fes­tou.

 ?? Bru­no Ro­cha - 25.set.2019/Fo­to­a­re­na ?? O apre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck du­ran­te even­to em SP
Bru­no Ro­cha - 25.set.2019/Fo­to­a­re­na O apre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck du­ran­te even­to em SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil