Folha de S.Paulo

NAS RE­DES SO­CI­AIS, BRA­SI­LEI­RAS FA­LAM SO­BRE O DIA A DIA DAS MUÇULMANAS

- Diogo Ber­ci­to e An­ge­la Bol­dri­ni Religion · Instagram · Mary J. Blige · TikTok · Como · Saudi Arabia · Youtube · Mecca · New Zealand · Mary in Islam · Hercílio Luz · Florianopolis · Aquaman

A em­pre­sá­ria e in­flu­en­cer Ma­ri­am Cha­mi, 30, na Pon­te Her­cí­lio Luz, pon­to tu­rís­ti­co de Flo­ri­a­nó­po­lis, on­de mo­ra; com ví­de­os bem-hu­mo­ra­dos, ela fa­la so­bre o is­lã aos se­gui­do­res no Ins­ta­gram, que em sua mai­o­ria não se­guem a religião

washing­ton e bra­sí­lia Ma­ri­am Cha­mi es­pa­lha as mãos di­an­te da câ­me­ra, de­se­nhan­do um ar­co-íris. Sor­ri e ex­pli­ca que não to­ma ba­nho com hi­jab, o véu que co­bre o ca­be­lo. De­pois, a bra­si­lei­ra de 30 anos co­me­ça a sam­bar. “As­sim co­mo vo­cês tam­bém não to­mam ba­nho com rou­pa”, es­cre­ve.

Com ví­de­os bem-hu­mo­ra­dos co­mo es­se, Cha­mi fa­la so­bre o is­lã a seus 370 mil se­gui­do­res no Ins­ta­gram. Não dis­cu­te dog­ma nem ci­ta pas­sa­gens de li­vros sa­gra­dos. Em vez dis­so, en­fa­ti­za as se­me­lhan­ças en­tre as re­li­giões. A men­sa­gem, em re­su­mo, é que ela é uma bra­si­lei­ra co­mo as ou­tras. “Uma in­for­ma­ção que vai cho­car: nós to­ma­mos ba­nho pe­la­das!”, brin­ca.

Cha­mi é fi­lha de um mi­gran­te li­ba­nês e de uma mi­nei­ra con­ver­ti­da ao is­lã. Mo­ra em Flo­ri­a­nó­po­lis com o ma­ri­do e o fi­lho. For­ma­da em nu­tri­ção, vi­rou em­pre­sá­ria e é do­na da re­de de sor­ve­te­ri­as Lam­buz­za —tro­ca­di­lho com a pa­la­vra ára­be “bu­za”, sor­ve­te.

Ela co­me­çou a fa­lar so­bre o is­lã quan­do per­ce­beu que es­ta­va ga­nhan­do ca­da vez mais se­gui­do­res na re­de so­ci­al. A mai­or par­te de­les não eram mu­çul­ma­nos e ti­nham cu­ri­o­si­da­de pa­ra sa­ber mais so­bre a vi­da de uma mu­lher que se­gue o is­lã em um país de mai­o­ria cris­tã. Cha­mi res­pon­de às per­gun­tas em ví­de­os di­ver­ti­dos, às ve­zes cheios de sar­cas­mo. Uma gran­de par­te das dú­vi­das é so­bre o véu. Os se­gui­do­res que­rem sa­ber por que ela co­bre o ca­be­lo, se po­de ti­rar o véu na fren­te do ma­ri­do e se po­de to­mar ba­nho com ele —daí o ví­deo.

Não há in­tui­to de con­ven­cer ou con­ver­ter nin­guém, diz. “O ob­je­ti­vo é des­mis­ti­fi­car, ex­pli­car o que é o is­lã.” No meio do ca­mi­nho, cor­tar al­guns dos es­te­reó­ti­pos que ain­da fe­rem mu­lhe­res co­mo ela.

“As pes­so­as acham que a mu­lher mu­çul­ma­na não tem voz, que não po­de es­tu­dar, que é sub­mis­sa, que o ma­ri­do é so­be­ra­no”, afir­ma. Ela pró­pria so­freu com is­so. Con­ta, por exem­plo, que pe­nou em con­se­guir em­pre­go de­pois de se for­mar por­que usa o véu is­lâ­mi­co.

Vi­rou em­pre­sá­ria e in­flu­en­cer. En­con­trou, no Ins­ta­gram, um es­pa­ço pa­ra fa­lar so­bre ta­bus. Nes­sa re­de, Cha­mi diz que ra­ra­men­te tem de li­dar com agres­so­res vir­tu­ais, os cha­ma­dos “ha­ters”. “As pes­so­as são mui­to amo­ro­sas, edu­ca­das. Que­rem apren­der. Se des­cons­truir.”

Sha­dia Sa­la­mah é ou­tra que com­par­ti­lha a ro­ti­na com seus se­gui­do­res —são 235 mil no TikTok. Co­mo tem 18 anos, Sa­la­mah pre­ci­sou con­ven­cer os pais a dei­xá-la usar as re­des so­ci­ais en­quan­to se pre­pa­ra pa­ra o ves­ti­bu­lar. “Foi um pou­co di­fí­cil fa­zer meu pai en­ten­der a im­por­tân­cia do que eu es­ta­va fa­zen­do, que não era só por mim. De­pois, ele viu que eu con­se­guia es­tu­dar tam­bém.”

Co­mo o de Cha­mi, seu pú­bli­co é qua­se to­do de não mu­çul­ma­nos. Por is­so, par­te de su­as pu­bli­ca­ções são di­dá­ti­cas. Re­cen­te­men­te, ex­pli­cou por que as mu­lhe­res cos­tu­mam re­zar atrás dos ho­mens. Por res­pei­to, dis­se. Mu­çul­ma­nos se cur­vam, põem a ca­be­ça no chão, o jo­e­lho no pei­to. “Vo­cê ima­gi­na ter que fi­car nes­sa po­si­ção na fren­te de ho­mens que vo­cê não co­nhe­ce?”

Já o fo­co de Ca­ri­ma Or­ra é di­fe­ren­te: em su­as pos­ta­gens, pra­ti­ca­men­te não abor­da te­mas re­li­gi­o­sos. “Pre­fi­ro mos­trar o dia a dia, por­que é is­so que as pes­so­as que­rem ver. Elas que­rem sa­ber se tu­do que ou­vem é ver­da­de”, afir­ma. Mãe de três me­ni­nos, tem 158 mil se­gui­do­res —90% não-mu­çul­ma­nos, se­gun­do sua con­ta. “Não sou ex­pert, eu só si­go a religião. En­tão eu fi­co até meio re­ce­o­sa de fa­lar al­gu­ma coi­sa, por­que eu es­tou re­pre­sen­tan­do mi­lhões de mu­çul­ma­nos pa­ra es­se pú­bli­co.”

Ela diz que já foi al­vo de in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa, mas que nas re­des so­ci­ais os ata­ques são mui­to me­nos in­ten­sos. “Na épo­ca do 11 de Se­tem­bro foi mui­to ruim. Me cha­ma­vam de mu­lher-bom­ba. Ho­je eu sin­to que di­mi­nuiu, as pes­so­as es­tão me­nos pre­con­cei­tu­o­sas.”

Além de Cha­mi, Sa­la­mah e Or­ra, uma ou­tra bra­si­lei­ra mu­çul­ma­na tem atraí­do se­gui­do­res nas re­des: a ala­go­a­na Iris Ca­jé, 32, que vi­ve na Ará­bia Sau­di­ta. Mas ela tem uma abor­da­gem mais re­ser­va­da. No YouTu­be e no Ins­ta­gram, fa­la me­nos de sua vi­da. Fo­ca os cos­tu­mes sau­di­tas.

Há dois anos, con­ta, ela no­tou que ha­via di­ver­sos ca­nais no YouTu­be so­bre o Ori­en­te Mé­dio, só que com en­fo­que em ques­tões ne­ga­ti­vas co­mo ter­ro­ris­mo e extremismo re­li­gi­o­so. “Pen­sei: por que não apro­vei­tar que eu es­tou aqui e pos­so fa­lar com pro­pri­e­da­de so­bre o dia a dia?”.

Ca­jé vi­ve em Me­ca des­de 2014. Ha­via co­nhe­ci­do um ho­mem sau­di­ta du­ran­te um in­ter­câm­bio na No­va Ze­lân­dia. Dei­xou o cur­so de di­rei­to, con­ver­teu-se ao is­lã, ca­sou­se e te­ve dois fi­lhos. Diz que a con­ver­são não foi por in­fluên­cia de­le, e sim de uma ami­ga, uma ou­tra bra­si­lei­ra. Ti­nha ti­do uma cri­a­ção ca­tó­li­ca.

Co­mo as de­mais, Ca­jé diz que um dos ob­je­ti­vos do ca­nal é mu­dar a ideia que as pes­so­as têm so­bre a vi­da das muçulmanas. “Qu­e­ro aca­bar com es­sa coi­sa de que a mu­lher sau­di­ta é só um ob­je­to de de­co­ra­ção, que não po­de fa­zer na­da”, diz. E ela faz is­so com bas­tan­te bom hu­mor.

Em uma pu­bli­ca­ção re­cen­te, mos­tra uma fo­to de seu ma­ri­do com ves­tes tra­di­ci­o­nais sau­di­tas. Imi­tan­do um ví­deo que vi­ra­li­zou na in­ter­net, ela con­ta que che­gou a di­zer “des­sa água não be­be­reis” quan­do o co­nhe­ceu. De­pois, pas­sa ima­gens de­la de véu na Ará­bia Sau­di­ta. “Be­bi a água, me afo­guei na água, to­mei ba­nho na água, es­tou mo­ran­do em um con­ti­nen­te sub­mer­so na água, com­prei um maiô e fa­lei pa­ra os meus ami­gos me cha­ma­rem só de Aqua­man ago­ra.”

 ?? An­der­son Co­e­lho/Fo­lha­press ??
An­der­son Co­e­lho/Fo­lha­press
 ?? An­der­son Co­e­lho/Fo­lha­press ?? A bra­si­lei­ra Ma­ri­am Cha­mi faz sel­fie na Pon­te Her­cí­lio Luz, em Flo­ri­a­nó­po­lis, on­de mo­ra; fi­lha de li­ba­nês, fa­la com bom hu­mor so­bre o is­lã
An­der­son Co­e­lho/Fo­lha­press A bra­si­lei­ra Ma­ri­am Cha­mi faz sel­fie na Pon­te Her­cí­lio Luz, em Flo­ri­a­nó­po­lis, on­de mo­ra; fi­lha de li­ba­nês, fa­la com bom hu­mor so­bre o is­lã

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil