Folha de S.Paulo

MI­NHA VI­DA DA­RIA UMA TRI­LO­GIA

Mu­sa do ci­ne­ma mar­gi­nal, a atriz Ma­ria Gladys fa­la da fal­ta de gra­na nas en­tres­sa­fras na TV, de se­xo e dro­gas e da ne­ta es­tre­la in­ter­na­ci­o­nal

-

A ca­sa de ti­jo­lo apa­ren­te, varanda com vis­ta pa­ra as mon­ta­nhas e guar­da­da por dois cães vi­ra- la­tas ( Ca­chor­ra e Sha­zan) são o ce­ná­rio e as com­pa­nhi­as mais cons­tan­tes de Ma­ria Gladys.

A atriz re­ce­beu a re­pór­ter Eli­a­ne Trindade no sí­tio em que vi­ve em San­ta Ri­ta do Ja­cu­tin­ga ( MG), a 170 km­doRio. Aos 74 anos, ela faz a pon­te ro­do­viá­ria en­tre as du­as ci­da­de, de ôni­bus, ao co­me­çar a gra­var “Se­xo & as Ne­gas”, se­ri­a­do de Miguel Fa­la­bel­la, que es­treia na Glo­bo dia 16.

De ca­mi­se­ta do Nir­va­na, a mu­sa do “ci­ne­ma mar­gi­nal” dos anos 1960/ 1970 mos­tra seu re­fú­gio. “Não ti­nha di­nhei­ro pa­ra pa­gar o apar­ta­men­to que mo­rei por 18 anos na ave­ni­da Atlân­ti­ca, em Co­pa­ca­ba­na.” Pa­ra se li­vrar do alu­guel de R$ 3.000, ar­ren­dou o sí­tio, nos ar­re­do­res de on­de mo­ra o fi­lho. “Os lu­ga­res que eu po­dia pa­gar no Rio eram ri­dí­cu­los de ca­ros. E hor­rí­veis.” En­con­trou uma vi­da mais ba­ra­ta e a qui­e­tu­de da lo­ca­li­da­de de 5.000 ha­bi­tan­tes.

O smo­ra­do­res se lem­bram de Gladys co­mo a do­més­ti­ca Lu­ci­mar de “Va­le Tu­do” ( 1988), no­ve­la de Gil­ber­to Bra­ga. Pou­cos sa­bem que atu­ou em fil­mes im­por­tan­tes de Ne­vil­le D’Al­mei­da (“Ma­tou a Fa­mí­lia e Foi ao Ci­ne­ma”, 1969), Jú­lio Bres­sa­ne (“O An­jo Nas­ceu”, 1969) e Ro­gé­rio Sgan­zer­la (“SemEs­sa Ara­nha”, 1970). “Tra­ba­lhei com to­dos os gê­ni­os da mi­nha ge­ra­ção.”

Dá uma ba­fo­ra­da em um ci­gar­ro ca­sei­ro. E vi­a­ja ci­tan­do ou­tras obras em que atu­ou, co­mo “Os Fu­zis” ( 1964), de Ruy Gu­er­ra, mar­co do ci­ne­ma no­vo. Con­ta, aos ri­sos, que até ho­je le­va a fa­ma in­de­vi­da de ter ga­nho um Ur­so de Pra­ta no Fes­ti­val de Ber­lim: “Acham que ga­nhei o prê­mio co­mo atriz. E não con­si­go des­men­tir: ‘ Não fui eu, foi o di­re­tor’”.

Di­ver­te- se tam­bém com ou­tra len­da da car­rei­ra de cin­co dé­ca­das: ter si­do di­ri­gi­da por Glau­ber Ro­cha. “Fi­cou a fa­ma por eu par­ti­ci­par da du­bla­gem de ‘ Deus e o Di­a­bo na Ter­ra do Sol’.”

Em sua ex­ten­sa fil­mo­gra­fia cons­ta “To­das as Mu­lhe­res do Mun­do” ( 1966), de Do­min­gos de Oliveira. Sem fal­sa mo­dés­tia, afir­ma: “Meu currículo é uma obra- pri­ma”. Do­min­gos trans­for­mou em pe­ça o fa­to de Gladys fa­zer de sua ca­sa cen­tral te­lefô­ni­ca. “Eu não ti­nha te­le­fo­ne e usa­va o de­le. Ou­via os pa­pos e um dia me man­dou sen­tar e con­tar mi­nhas his­tó­ri­as.” Nas­cia “Ri­ta For­mi­ga”, já en­ce­na­da por Ze­zé Po­les­sa.

Sua vi­da é mais que uma pe­ça ou um­fil­me. “Da­ria uma tri­lo­gia.” Nas­ci­da­em Ca­cham­bi, su­búr­bio do Rio, te­ve pa­ra­li­sia in­fan­til aos três anos. “Sou me­ni­na po­bre mi­ma­da. Usei bo­ti­nhas.” Fi­cou com al­gu­ma se­que­la na per­na es­quer­da. “Não te­nho for­ça ne­la e man­ca­va quan­do cor­ria.”

Na­da que a im­pe­dis­se de vi­rar bai­la­ri­na em um pro­gra­ma­de TV co­man­da­do por Car­los Im­pe­ri­al. Co­nhe­ceu a tur­ma­da jo­vem guar­da e te­ve um na­mo­ri­co com Roberto Car­los. “Não ve­nha me fa­lar des­sa gen­te. Pa­re­ce que que­ro apa­re­cer. Não se po­de fa­lar des­sa pes­soa [ Roberto]. Ele não fa­la de mim, não fa­lo de­le.”

Aos 16 anos, Gladys te­ve o pri­mei­ro fi­lho. Se­pa­rou- se um ano de­pois de Ed­son, pai de Glay­son. “Eu in­ven­tei o no­me. Sou uma po­e­ta”, brin­ca, so­bre a jun­ção do no­me de am­bos. “Quan­do mu­dei pra zo­na sul, mi­nhas ami­gas in­te­lec­tu­ais fa­la­vam: ‘ O no­me do fi­lho da Gladys é de mor­rer de rir’.” O fi­lho diz gos­tar.

A mãe de Glay­son dei­xou o ga­ro­to com os avós no su­búr­bio e co­me­çou a fa­zer te­a­tro e história. Em1959, es­tre­ou co­mo fi­gu­ran­te em “O Mam­bem­be”, es­tre­la­da por Fer­nan­da Mon­te­ne­gro. No mes­mo ano, apa­re­ceu com os sei­os à mos­tra em “O Chão dos Pe­ni­ten­tes”, pri­mei­ro nu no te­a­tro bra­si­lei­ro. “Nun­ca ti­ve pu­dor em fi­car nua.”

Abre- se, en­tão, o se­gun­do ca­pí­tu­lo de sua tri­lo­gia. En­tre 1971 e 1973, Gladys se uniu aos ami­gos que es­ca­pa­ram pa­ra Lon­dres de­pois do gol­pe mi­li­tar. “No­meio de to­da ale­gria e lou­cu­ra, ti­nha a lu­ta con­tra adi­ta­du­ra.” Vi­ra hip­pie. “Nos­sa ge­ra­ção era do ba­la­co­ba­co. To­mei mui­to áci­do. Se não fos­se o LSD não ti­nha des­co­ber­to a luz do ou­to­no. Pas­se­a­va no par­que e via as ár­vo­res cho­ran­do. To­do mun­do vi­a­ja­va. Era um con­tex­to cul­tu­ral.”

Con­fes­sa que sen­tia me­do. “Sou so­bre­vi­ven­te. Ti­ve ‘ bad trips’ ter­rí­veis. Uma ami­ga mui­to pró­xi­ma pi­rou e nun­ca mais vol­tou.” Foi nes­se cal­dei­rão que en­gra­vi­dou de Ra­chel ( é mãe tam­bém de Ma­ria Te­re­sa, fi­lha do do­cu­men­ta­ris­ta Os­car Ma­ron Fi­lho). O ro­tei­ro é “me­lhor do que qual­quer no­ve­la”, avi­sa, di­an­te da per­gun­ta de quem é o pai de sua fi­lha do meio, ho­je com 40 anos. “É Lee Jaf­fe, um mú­si­co e ci­ne­as­ta ame­ri­ca­no, mas até cin­co anos atrás achava que era um in­glês cha­ma­do John.”

Sem exa­mes de pa­ter­ni­da­de na épo­ca, re­cor­reu às con­tas im­pre­ci­sas de uma ami­ga pa­ra apos­tar no in­glês. Mas a dú­vi­da per­sis­tiu. “Eu via tre--

jei­tos do Lee na Ra­chel e pen­sa­va: ‘ Se­rá que é mes­mo do in­glês?’.” Che­gou a su­ge­rir que se fi­zes­se um DNA. O aca­so a fez re­en­con­trar a pai­xão da ju­ven­tu­de. “Es­ta­va em um bar em Co­pa, quan­do Ne­vil­le me cha­ma: ‘ Adi­vi­nha com quem es­tou fa­lan­do?’.”

Era Lee. Tro­ca­ram e- mails e fo­tos dos res­pec­ti­vos fi­lhos. Ra­chel era a ca­ra de Max Mar­ley, um dosher­dei­ros do ame­ri­ca­no, ba­ti­za­do emho­me­na­gem a Bob Mar­ley, com quem tra­ba­lhou. “Na ho­ra, ele quis fa­zer o DNA e li­gou pa­ra Ra­chel pe­din­do uma amos­tra de sa­li­va.” Con­fir­ma­da a pa­ter­ni­da­de, ela foi aos EUA co­nhe­cer o pai. De­ci­di­ram não con­tar na­da ao in­glês, que nun­ca a re­gis­tra­ra.

A se­guir ce­nas do ter­cei­ro ca­pí­tu­lo da tri­lo­gia, com par­ti­ci­pa­ção in­di­re­ta de Lars von Tri­er. O ci­ne­as­ta di­na­marquês re­ve­lou Mia Goth, atriz de “Ni­fo­ma­nía­ca: Vo­lu­me 2”, fi­lha de Ra­chel e ne­ta de Gladys. A mo­de­lo de 19 anos nas­ceu em Lon­dres, pa­ra on­de sua mãe se mu­dou pa­ra fi­car per­to do pai que não era pai. “Faz um ano e meio que John viu uma re­por­ta­gem da Mia fa­lan­do do avô ame­ri­ca­no. O bi­cho pe­gou. Foi na agên­cia de­la di­zer que era men­ti­ra e ia pro­ces­sá- la”, re­la­ta Gladys.

Ufa! É ho­ra de dar uma pa­ra­da pa­ra um café. Ape­sar do or­gu­lho de ver a ne­ta fa­zen­do su­ces­so, a avó con­fes­sa na co­zi­nha que não viu “Nin­fo­ma­nía­ca”. “Eu ta­va de mal com a Mia.” Por quê? “Pre­fi­ro não co­men­tar.” Ri e con­ta que a ne­ta fa­la por­tu­guês com so­ta­que e mo­rou no Rio com ela por dois anos.

“A me­ni­na es­tá se­guin­do os pas­sos da avó. Meus di­re­to­res são to­dos des­se ti­po de ci­ne­ma au­to­ral”, di­va­ga. Em se­gui­da, de­cre­ta: “Che­ga de Mia”. A ne­ta ho­je mo­ra em Los An­ge­les com o namorado, o ator Shia LaBe­ouf, com quem con­tra­ce­nou no fil­me.

A in­ter­rup­ção do papo ao ci­tar o as­tro de Hollywo­od po­de ter a ver com o Ré­veil­lon, quan­do LaBe­ouf veio ao Rio co­nhe­cer a fa­mí­lia de Mia. A che­ga­da de 2014 foi brin­da­da em um apar­ta­men­to em Co­pa alu­ga­do pe­lo ator mi­li­o­ná­rio. Com cham­pa­nhe Cris­tal. “Uma gar­ra­fa só. Uma afron­ta, co­mo diz um ami­go meu”, de­bo­cha. Um­mo­men­to de gla­mour em meio a di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras da atriz. “Ele fi­cou só três di­as e vol­tou cor­ren­do”, diz Gladys.

Gladys ba­ta­lha pa­ra se apo­sen­tar. Os ami­gos che­ga­ram a pro­por uma va­qui­nha no Fa­ce­bo­ok pa­ra pa­gar o que ela de­ve ao INSS. “Mi­nha vi­da sem­pre foi di­fí­cil de gra­na. Te­nho con­tra­to por obra. Aí a vi­da é boa, pa­go mi­nhas dí­vi­das. Quan­do es­tou qui­tan­do tu­do, aca­ba o con­tra­to e re­co­me­ça a lu­ta.” Con­ta com ami­gos, co­mo Miguel Fa­la­bel­la. “Te­nho or­gu­lho de ter fei­to to­das as no­ve­las de­le. É um lu­xo. Sou mui­to gra­ta.” Gladys vol­ta ao ar no se­ri­a­do no pa­pel de Fu­ma­ça, ano­ta­do­ra de jo­go do bi­cho tram­bi­quei­ra.

Con­ti­nua a atu­ar no ci­ne­ma. “Fa­ço fil­mes com no­vos di­re­to­res. Fiz ‘ Fe­bre do Ra­to’ [ Cláu­dio As­sis], en­ten­de? Não fiz ‘ Tro­pa de Eli­te’ [ José Pa­di­lha]. Na­da con­tra, mas meus tra­ba­lhos nun­ca são ‘ block­bus­ters’ [ lí­de­res de bi­lhe­te­ria]. Não dá di­nhei­ro. Dá pres­tí­gio. Sou es­sa atriz.”

 ?? Zô Guimarães/ Fo­lha­press ?? A atriz no sí­tio que alu­gou em San­ta Ri­ta do Ja­cu­tin­ga ( MG)
Zô Guimarães/ Fo­lha­press A atriz no sí­tio que alu­gou em San­ta Ri­ta do Ja­cu­tin­ga ( MG)
 ?? An­to­nio Guer­rei­ro ?? Ma­ria Gladys nua nos anos 1970 e Mia Goth, sua ne­ta, em “Nin­fo­ma­nía­ca: Vo­lu­me 2”
An­to­nio Guer­rei­ro Ma­ria Gladys nua nos anos 1970 e Mia Goth, sua ne­ta, em “Nin­fo­ma­nía­ca: Vo­lu­me 2”
 ??  ?? Em “Se­xo & as Ne­gas”, a atriz fa­rá o pa­pel de Fu­ma­ça
Em “Se­xo & as Ne­gas”, a atriz fa­rá o pa­pel de Fu­ma­ça
 ?? Di­vul­ga­ção ??
Di­vul­ga­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil