Ca­suís­mo re­for­mis­ta

Ar­ti­cu­la­da pe­los par­ti­dos, pro­pos­ta de vo­to em lis­ta fe­cha­da vi­sa di­fi­cul­tar a re­no­va­ção da clas­se po­lí­ti­ca acos­sa­da pe­la La­va Ja­to

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Pro­je­tos de re­for­ma po­lí­ti­ca ja­mais são mo­de­los teó­ri­cos, abs­tra­ções imu­nes ao in­te­res­se de po­der da­que­les que pro­põem a re­gra do jo­go. Tan­to de­fi­ni­ções co­me­zi­nhas de dis­tri­tos de vo­ta­ção quan­to prin­cí­pi­os co­mo o da se­pa­ra­ção de Po­de­res têm raí­zes mais ou me­nos pro­fun­das no con­fron­to de for­ças so­ci­ais ou par­ti­dá­ri­as.

Is­so con­si­de­ra­do, as mu­dan­ças que ora se de­ba­tem nas re­gras elei­to­rais do Bra­sil se en­qua­dram, sem dú­vi­da, nos ca­sos mais ras­tei­ros.

A cú­pu­la do Le­gis­la­ti­vo pre­ten­de apro­var, a ga­lo­pe, no­vo mo­do de ele­ger de­pu­ta­dos e ve­re­a­do­res. O ob­je­ti­vo evi­den­te é fa­ci­li­tar a re­e­lei­ção e a re­con­quis­ta do pri­vi­lé­gio de fo­ro pa­ra a mas­sa de par­la­men­ta­res às vol­tas com a La­va Ja­to e ou­tros ris­cos ju­di­ci­ais.

Pe­la ma­no­bra que se en­saia, o elei­tor pas­sa­ria a vo­tar ape­nas na le­gen­da, não mais em ca­da can­di­da­to. A de­pen­der da pro­por­ção de vo­tos ob­ti­dos, ca­da agre­mi­a­ção te­ria di­rei­to a pro­por­ção cor­res­pon­den­te de ca­dei­ras le­gis­la­ti­vas.

Os con­tem­pla­dos se­ri­am aque­les es­co­lhi­dos pe­los par­ti­dos, pe­la or­dem em que apa­re­çam na re­la­ção de no­mes pre­vi­a­men­te de­fi­ni­da —ou lis­ta fe­cha­da, co­mo se ba­ti­zou tal sis­te­ma.

Ca­mu­fla­dos na lis­ta, os can­di- da­tos de­pen­de­ri­am mais de su­as afi­ni­da­des com a bu­ro­cra­cia par­ti­dá­ria do que de sua acei­ta­ção pe­lo pú­bli­co vo­tan­te.

Re­cor­de-se que tal pro­pos­ta já foi exa­mi­na­da pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos em 2015, qu­an­do so­freu der­ro­ta ve­xa­tó­ria. Ape­nas o PT e seus sa­té­li­tes mais fiéis a de­fen­de­ram na épo­ca.

Ago­ra, a te­se vol­ta à bai­la em reu­niões su­pra­par­ti­dá­ri­as que en­vol­ve­ram os pre­si­den­tes das du­as Ca­sas le­gis­la­ti­vas, o do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral, Gilmar Men­des, e o pró­prio pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer (PMDB).

Ar­gu­men­tam os re­for­mis­tas de oca­sião que as re­gras são ne­ces­sá­ri­as pa­ra a ins­tau­ra­ção do fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nha com pre­do­mí­nio do di­nhei­ro pú­bli­co. Pe­lo ra­ci­o­cí­nio, cai­ri­am os cus­tos da elei­ção pa­ra os con­tri­buin­tes.

Nes­se ca­so, se­ria tam­bém pre­ci­so acre­di­tar que os po­lí­ti­cos bra­si­lei­ros de sú­bi­to aban­do­na­ri­am a prá­ti­ca do cai­xa dois e dis­pu­ta­ri­am o plei­to ape­nas com as ver­bas au­to­ri­za­das no Or­ça­men­to.

Es­ta Folha de­fen­de a ado­ção de um sis­te­ma mis­to, pe­lo qual o elei­tor vo­ta­ria em lis­ta aber­ta, de for­ma a for­ta­le­cer os par­ti­dos sem per­der o di­rei­to de es­co­lha no­mi­nal, e tam­bém em um can­di­da­to de seu dis­tri­to, fa­vo­re­cen­do a apro­xi­ma­ção com os re­pre­sen­tan­tes.

Ha­ve­rá, em ou­tras de­mo­cra­ci­as, si­tu­a­ções em que a lis­ta se­ja fun­ci­o­nal. Aqui, não pas­sa­ria de ca­suís­mo que di­fi­cul­ta­ria a ur­gen­te ta­re­fa de re­no­var o Con­gres­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.