Li­be­rou ge­ral

Folha De S.Paulo - - Opinião -

RIO DE JA­NEI­RO - O ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Cardoso, o juiz do STF Luís Ro­ber­to Bar­ro­so e ou­tros emi­nen­tes pal­pi­tei­ros na ques­tão das dro­gas devem ter sa­bi­do da tra­gé­dia do me­ni­no João Vic­tor, 13 anos, mor­to à por­ta de uma lan­cho­ne­te em São Pau­lo. A pe­rí­cia con­cluiu que a cau­sa foi um ata­que car­día­co pro­vo­ca­do pe­lo con­su­mo de chei­ri­nho da loló —uma dro­ga ina­lan­te à ba­se de clo­ro­fór­mio (daí a cor­rup­te­la loló), éter e, ago­ra, pa­ra fa­zer vo­lu­me, sol­ven­tes co­mo ga­so­li­na, in­se­ti­ci­da, de­ter­gen­tes, de­sin­fe­tan­tes.

To­dos es­ses pro­du­tos são le­gais e es­tão à ven­da no co­mér­cio. Ne­nhum foi con­ce­bi­do pa­ra ser usado co­mo dro­ga, mas sua ina­la­ção pe­lo na­riz ou bo­ca pro­vo­ca uma su­a­ve e qua­se ins­tan­tâ­nea —se­te a dez se­gun­dos— se­da­ção. O efei­to se dis­si­pa em mi­nu­tos, obri­gan­do o usuá­rio a no­va apli­ca­ção. Em um ou dois me­ses de uso re­gu­lar, a de­pen­dên­cia é ine­vi­tá­vel, ex­ce­to se in­ter­rom­pi­da pe­la mor­te sú­bi­ta, co­mum no uni­ver­so da loló. O pre­ço em con­ta —tu­bi­nho de 25 ml a R$ 5, no tra­fi­can­te da es­qui­na —res­pon­de pe­la po­pu­la­ri­da­de da loló, ho­je atrás ape­nas da ma­co­nha en­tre os ado­les­cen­tes.

Às ve­zes ten­to ima­gi­nar a re­a­ção de um tra­fi­can­te à pos­sí­vel des­cri­mi­na­li­za­ção ou le­ga­li­za­ção da ma­co­nha no Bra­sil, pre­ga­da pe­los ilus­tres. Não al­te­ra­rá em na­da a sua si­tu­a­ção, ex­ce­to tal­vez pa­ra me­lhor.

Pri­mei­ro, por­que ele con­ti­nu­a­rá a ven­der seu pro­du­to, anun­ci­a­do co­mo “da la­ta” ou de al­gu­ma re­gião pre­mi­a­da, pa­ra con­tras­tar com a er­va ca­re­ta, à ven­da, quem sa­be, na padaria. Se­gun­do, por­que ele con­ti­nu­a­rá com seu ca­tá­lo­go —loló, co­caí­na, crack, ecs­tasy, áci­do e, em bre­ve, he­roí­na— pa­ra ofe­re­cer aos ga­ro­tos.

Bar­ro­so e FHC de­ve­ri­am com­pa­re­cer, nem que atrás de gran­des bi­go­des, a uma fes­ta ra­ve no Rio ou em São Pau­lo. Des­co­bri­ri­am que, na prá­ti­ca, não há mais o que le­ga­li­zar. Li­be­rou ge­ral. AÉ­CIO NE­VES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.