Alen­to glo­bal

Folha De S.Paulo - - Opinião -

A des­pei­to de in­cer­te­zas po­lí­ti­cas con­si­de­rá­veis, a eco­no­mia mun­di­al vi­ve bom mo­men­to. De­pois de um lon­go pe­río­do de de­sa­ce­le­ra­ção nos paí­ses cen­trais e nos emer­gen­tes, os úl­ti­mos me­ses mos­tram di­na­mis­mo que che­ga a ser sur­pre­en­den­te.

Nos Es­ta­dos Uni­dos e na Eu­ro­pa, em es­pe­ci­al, es­pe­ra-se cres­ci­men­to con­sis­ten­te nes­te 2017, de 2,5% e 1,7%, res­pec­ti­va­men­te. Ain­da que não pa­re­çam ani­ma­do­ras, são as ta­xas mais ele­va­das des­de o iní­cio des­ta dé­ca­da.

Em­pre­go, ren­da e con­fi­an­ça mos­tram vi­gor. O ris­co de de­fla­ção —qu­an­do pre­ços e sa­lá­ri­os ca­em de­vi­do à pros­tra­ção da ati­vi­da­de— pa­re­ce ter fi­ca­do pa­ra trás.

Co­mo re­sul­ta­do, os ban­cos cen­trais nor­te-ame­ri­ca­no e eu­ro­peu já de­ba­tem com mai­or con­for­to o aban­do­no dos ju­ros anor­mal­men­te bai­xos que vi­go­ram des­de o agra­va­men­to da cri­se glo­bal em 2008.

O Fe­de­ral Re­ser­ve, dos EUA, es­tá na di­an­tei­ra, já ten­do ele­va­do sua ta­xa pa­ra 1% ao ano. Acre­di­ta-se que até 2019 o ju­ro ame­ri­ca­no es­ta­rá nor­ma­li­za­do em tor­no dos 3%.

Em uma no­vi­da­de po­si­ti­va pa­ra o Bra­sil, a pers­pec­ti­va de aper­to mo­ne­tá­rio no mun­do ri­co não tem cau­sa­do mai­o­res aba­los pa­ra os paí­ses emer­gen­tes. Es­tes tam­bém apa­ren­tam es­tar ho­je em me­lhor si­tu­a­ção, aju­da­dos pe­la ele­va­ção dos pre­ços das ma­té­ri­as-pri­mas.

Tra­ta-se de am­bi­en­te dis­tin­to do que se ob­ser­va­va até me­a­dos do ano pas­sa­do, qu­an­do se te­mia uma fre­a­da mais brus­ca da Chi­na e, em con­sequên­cia, da de­man­da do gi­gan­te asiá­ti­co por mi­ne­rais, ali­men­tos e pe­tró­leo.

Per­ma­ne­ce al­gum ce­ti­cis­mo quan­to à per­ma­nên­cia do cli­ma po­si­ti­vo. Afi­nal, é um de­sa­fio ao sen­so co­mum que a elei­ção de Do­nald Trump nos EUA e a pers­pec­ti­va de saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia não te­nham pro­vo­ca­do os aba­los econô­mi­cos ini­ci­al­men­te ima­gi­na­dos.

Há ris­cos, de fa­to. No ca­so de Trump, a pers­pec­ti­va de cor­tes de im­pos­tos tem si­do bem re­ce­bi­da pe­los in­ves­ti­do­res, mas o viés pro­te­ci­o­nis­ta do re­pu­bli­ca­no po­de le­var a con­fli­tos co­mer­ci­ais.

Na Eu­ro­pa, é pos­sí­vel, em­bo­ra não pro­vá­vel, a vi­tó­ria da can­di­da­ta de ex­tre­ma-di­rei­ta, Ma­ri­ne Le Pen, nas elei­ções pre­si­den­ci­ais da Fran­ça. Nes­sa hi­pó­te­se, es­ta­ri­am sob ame­a­ça a União Eu­ro­peia e o eu­ro, num cho­que po­ten­ci­al­men­te mai­or que a elei­ção de Trump.

Por en­quan­to, ao me­nos, em­pre­sas e con­su­mi­do­res pa­re­cem dar mais aten­ção à me­lho­ra econô­mi­ca do que ao pe­ri­go de so­la­van­cos po­lí­ti­cos. A su­pe­ra­ção de­fi­ni­ti­va da cri­se, de to­do mo­do, já tar­dou mui­to mais do que se­ria ra­zoá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.