Ví­cio e vi­o­lên­cia

Su­ges­tões de li­be­ra­ção das dro­gas co­mo for­ma de re­sol­ver o pro­ble­ma da vi­o­lên­cia e da su­per­lo­ta­ção das ca­dei­as são equi­vo­ca­das

Folha De S.Paulo - - Opinião - OS­MAR TER­RA

O jor­na­lis­ta nor­te-ame­ri­ca­no H.L.Menc­ken já di­zia: “Pa­ra to­do pro­ble­ma com­ple­xo exis­te uma so­lu­ção sim­ples, ele­gan­te e com­ple­ta­men­te er­ra­da”.

Lem­bro-me dis­so qu­an­do ve­jo, na gran­de im­pren­sa e no Ju­di­ciá­rio, su­ges­tões de li­be­ra­ção das dro­gas co­mo for­ma de re­sol­ver o pro­ble­ma da vi­o­lên­cia e da su­per­lo­ta­ção dos pre­sí­di­os bra­si­lei­ros. Es­sa so­lu­ção má­gi­ca par­te de pres­su­pos­tos equi­vo­ca­dos, sem evi­dên­cia em­pí­ri­ca.

Ao lon­go dos sé­cu­los, em ne­nhum mo­men­to da his­tó­ria hu­ma­na es­se ti­po de pro­pos­ta fun­ci­o­nou. Ao con­trá­rio, os paí­ses que agi­ram com mais ri­gor contra as dro­gas, co­mo Sué­cia, Chi­na e Ja­pão, fo­ram os que mais re­du­zi­ram a cri­mi­na­li­da­de e o con­su­mo.

São evi­den­tes os mo­ti­vos que le­va­ram o mun­do in­tei­ro a proi­bir as dro­gas —a de­vas­ta­ção cau­sa­da nos in­di­ví­du­os, nas fa­mí­li­as e em to­da a so­ci­e­da­de, pe­lo trans­tor­no men­tal e com­por­ta­men­tal que pro­vo­cam, é avas­sa­la­do­ra.

O trans­tor­no men­tal cau­sa­do pe­los tó­xi­cos é a prin­ci­pal cau­sa de mor­te vi­o­len­ta no Bra­sil, não o trá­fi­co. A vi­o­lên­cia acar­re­ta­da por es­se trans­tor­no se ma­ni­fes­ta de for­ma mais dis­si­mu­la­da e dis­se­mi­na­da.

Os exem­plos são mui­tos: os par­ri­cí­di­os pro­vo­ca­dos pe­lo de­ses­pe­ro de con­se­guir di­nhei­ro pa­ra com­prar en­tor­pe­cen­tes, os ho­mi­cí­di­os por dis­cus­sões ba­nais, as mor­tes re­sul­tan­tes da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, aci­den­tes de trân­si­to com ví­ti­mas fa­tais, boa par­te dos sui­cí­di­os etc.

De­ze­nas de mi­lha­res de vi­das são cei­fa­das to­dos os anos no Bra­sil pe­lo uso des­sas substâncias. Mes­mo a bar­bá­rie nos pre­sí­di­os bra­si­lei­ros só foi pos­sí­vel, na es­ca­la que al­can­çou, por­que foi exe­cu­ta­da por gru­pos de pes­so­as sob efei­to de dro­gas.

Ou­tro mi­to que em­ba­la as idei­as nes­se te­ma é o da su­per­lo­ta­ção do sis­te­ma car­ce­rá­rio bra­si­lei­ro. Ale­ga-se que te­mos a ter­cei­ra mai­or po­pu­la­ção car­ce­rá­ria do mun­do em nú­me­ros ab­so­lu­tos (qua­se 651 mil pre­sos). A cau­sa dis­so se­ria a lei so­bre dro­gas de 2006, que su­per­lo­tou o sis­te­ma prisional.

Os da­dos, con­tu­do, são dis­tor­ci­dos. Da­dos do Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal pa­ra Es­tu­dos de Pri­são (ICPS) mos­tram que so­mos a 31º po­pu­la­ção car­ce­rá­ria do mun­do, se con­si­de­rar­mos a pro­por­ção de ape­na­dos pe­lo to­tal da po­pu­la­ção (316 pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes).

Nes­sa ló­gi­ca li­be­ra­ci­o­nis­ta, por exem­plo, a Chi­na se­ria a se­gun­da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria do pla­ne­ta (mais de 1,6 mi­lhão), só per­den­do pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos (2,1 mi- lhões). To­da­via, se bus­car­mos a pro­por­ção de pre­sos com os ha­bi­tan­tes to­tais do país, a Chi­na apa­re­ce ape­nas em 137º da lis­ta (118 pre­sos pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes).

As­sim, não há ex­ces­so de pre­sos no Bra­sil —o país es­tá na pro­por­ção mé­dia do mun­do. Fal­tam, na ver­da­de, va­gas pa­ra que os ape­na­dos pos­sam cum­prir sua pe­na com um mí­ni­mo de dig­ni­da­de, pa­ra que os ba­rões do trá­fi­co fi­quem iso­la­dos, sem con­ta­to com os de­mais pre­sos.

Quan­to à cul­pa da lei na “ex­plo­são de apri­si­o­na­men­tos”, de­vo di­zer que tam­bém não é ver­da­dei­ra.

Nos seis anos que an­te­ce­de­ram a pro­mul­ga­ção da lei 11.343/06, so­bre dro­gas, ti­ve­mos uma ex­pan­são do nú­me­ro de pre­sos du­as ve­zes mai­or do que nos seis anos pos­te­ri­o­res.

A cau­sa re­al é o cres­ci­men­to ver­ti­gi­no­so da pro­du­ção e do trá­fi­co de dro­gas em to­da a re­gião. A mai­o­ria dos paí­ses la­ti­no-ame­ri­ca­nos apre­sen­tou cres­ci­men­to prisional mai­or do que o nos­so. Es­ta­mos em ple­na epi­de­mia de ofer­ta e con­su­mo.

Per­ce­be­mos, por­tan­to, que to­das as so­lu­ções má­gi­cas apre­sen­ta­das só irão agra­var a vi­o­lên­cia que vi­ve­mos no dia a dia.

Ví­cio e vi­o­lên­cia ca­mi­nham jun­tos na mai­or par­te dos even­tos que de­gra­dam nos­so con­ví­vio so­ci­al.

Pa­ra en­fren­tá-los, pre­ci­sa­mos apri­mo­rar nos­so sis­te­ma prisional e o ri­gor de nos­sas leis e res­tau­rar a au­to­ri­da­de do Es­ta­do, den­tro e fo­ra dos pre­sí­di­os. Es­sa, sim, é a úni­ca fór­mu­la re­al que re­du­ziu a vi­o­lên­cia no mun­do até ho­je. OS­MAR TER­RA,

O po­vo bra­si­lei­ro é um dos mais ig­no­ran­tes em re­la­ção aos ali­men­tos e se dei­xa en­ga­nar fa­cil­men­te por qual­quer no­tí­cia que apa­re­ce. Os gran­des fri­go­rí­fi­cos que ex­por­tam pa­ra o mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal fo­ram obri­ga­dos a adquirir tec­no­lo­gia de pon­ta e a usar as me­lho­res prá­ti­cas de se­le­ção de ma­té­ria pri­ma, pro­ces­sa­men­to e trans­por­te. Não acre­di­to que a PF te­nha pin­ta­do um quadro equi­vo­ca­do por má-fé, mas por des­co­nhe­ci­men­to. É pa­ra is­so que exis­te o en­ge­nhei­ro de ali­men­tos.

CLOVES OLI­VEI­RA

A BRF tem to­da a ra­zão. Não é papelão. É ce­lu­lo­se. En­ten­deu, ca­ra-pá­li­da (“Papelão era pa­ra em­ba­la­gem, afir­ma BRF”, “Mer­ca­do”, 19/3)?

RALFO B. PENTEDAO

A afir­ma­ção de que áci­do as­cór­bi­co cau­sa câncer se usado em do­ses ele­va­das su­ge­re que a ope­ra­ção (e es­pe­ci­al­men­te a publicidade em tor­no de­la), com su­as gra­ves ge­ne­ra­li­za­ções, foi to­da uma far­sa. Tal­vez até por ig­no­rân­cia. Aci­do as­cór­bi­co em do­ses al­tas po­de­ria, se­gun­do al­guns es­tu­dos, pre­ve­nir o câncer, não cau­sá-lo. O es­tra­go no se­tor to­do es­tá fei­to.

PAU­LO COS­TA

Aé­cio na La­va Ja­to Por que as em­prei­tei­ras fa­ri­am uma de­nún­cia tão sé­ria se não fos­se ver­da­de? Até ago­ra o tu­ca­no con­se­guiu sair ile­so. Mas, ago­ra, es­pe­ra­mos que o re­la­tor da La­va Ja­to no STF au­to­ri­ze aber­tu­ra de inqué­ri­to pa­ra apu­rar a de­la­ção (“Ode­bre­cht diz ter acer­ta­do re­pas­se de R$ 50 mi a Aé­cio”, “Po­der”, 19/3).

NES­TOR PE­REI­RA

Mi­nis­té­rio Pú­bli­co

Acre­di­to que se­ria mais de­mo­crá­ti­co se os po­lí­ti­cos dis­cu­tis­sem com a po­pu­la­ção as vá­ri­as for­mas pos­sí­veis de uma re­for­ma po­lí­ti­ca e, de­pois, apre­sen­tas­sem o pro­je­to na Câ­ma­ra e no Se­na­do. Acho la­men­tá­vel o en­con­tro en­tre Gilmar Men­des, Mi­chel Te­mer, Eu­ní­cio Oli­vei­ra e Ro­dri­go Maia, que pro­pu­se­ram al­gu­mas re­gras, co­mo lis­ta fe­cha­da, o que blin­da­ria po­lí­ti­cos. É uma re­do­ma po­lí­ti­ca (“A ho­ra e a voz do cul­pa­do-ino­cen­te”, “Po­der”, 19/3).

MA­RIA HELENA BEAUCHAMP

Edu­ca­ção e em­pre­go E in­fe­liz­men­te is­so só ten­de a se agra­var (“Di­fi­cul­da­de em per­sis­tir em ta­re­fas e fa­zer con­tas li­mi­ta sa­lá­rio no país”, “Mer­ca­do”, 19/3). Se ho­je só 40% dos pau­lis­ta­nos com cur­so su­pe­ri­or con­se­guem fa­zer uma cál­cu­lo ba­nal que en­vol­ve uma sim­ples di­vi­são por dois e de­pois uma sim­ples so­ma, o que se po­de es­pe­rar nos pró­xi­mos 20 anos com o con­ge­la­men­to do or­ça­men­to pú­bli­co pe­la PEC do Te­to?

DARCIO DE SOU­ZA

Fu­te­bol A en­tre­vis­ta com Eu­ri­co Mi­ran­da, pre­si­den­te do Vas­co, mos­tra por que o fu­te­bol bra­si­lei­ro caiu tan­to e é um to­tal de­sas­tre fo­ra das qua­tro li­nhas. Mi­ran­da des­truiu o Vas­co e po­sa de sal­va­dor da pá­tria. Car­to­las co­mo ele, Del Ne­ro e com­pa­nhia são uma pi­a­da de mau gos­to. Po­bre Vas­co. Po­bre fu­te­bol bra­si­lei­ro, tão ri­co e tão po­bre ao mes­mo tem­po (“50 anos de car­to­la­gem”, “Es­por­te”, 19/3).

RE­NA­TO KHAIR

Po­lí­cia Mi­li­tar So­bre “Ação no Ca­ran­di­ru foi ‘le­gí­ti­ma e ne­ces­sá­ria’, diz no­vo che­fe da PM” (“Co­ti­di­a­no”, 18/3), a SSP es­cla­re­ce mais uma vez que a tro­ca de co­man­do da PM não de­cor­re de ne­nhu­ma in­sa­tis­fa­ção com o tra­ba­lho de com­ba­te a cri­mes co­mo rou­bo. A an­te­ci­pa­ção te­ve co­mo ob­je­ti­vo úni­co fa­ci­li­tar o pla­ne­ja­men­to anu­al da cor­po­ra­ção e per­mi­tir um pe­río­do de tran­si­ção en­tre o an­ti­go e o no­vo co­man­dan­te. A li­de­ran­ça do co­ro­nel Ri­car­do Gam­ba­ro­ni fez com que a mai­or po­lí­cia do país al­can­ças­se os me­lho­res ín­di­ces de pro­du­ti­vi­da­de da his­tó­ria.

LUIZ MOT­TA,

Vis­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.