Tí­bi­os e si­bi­li­nos

As­sim, che­ga-se ao to­po do po­der sem elei­ção, com go­ver­nos “ter­cei­ri­za­dos”, ei­va­dos de ile­gi­ti­mi­da­des pa­ra de­mo­lir o so­ci­al

Folha De S.Paulo - - Opinião - RI­CAR­DO AN­TU­NES saa@gru­po­fo­lha.com.br 0800-775-8080 Gran­de São Pau­lo: (11) 3224-3090 om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br 0800-015-9000

Os tí­bi­os gos­tam da con­ci­li­a­ção. Os­ci­lan­tes e ma­nei­ro­sos, sua prag­má­ti­ca po­lí­ti­ca os apro­xi­ma da con­vi­vên­cia com pes­so­as em que vi­ce­ja a le­ni­ên­cia.

Os si­bi­li­nos, qu­an­do mag­na­tas das fi­nan­ças, ca­pi­tães de in­dús­tri­as ou se­nho­res do agro­ne­gó­cio, so­nham com o mun­do da pro­du­ção on­de os as­sa­la­ri­a­dos têm que se exau­rir pa­ra se re­pro­du­zir. Be­ne­fi­ci­am-se tan­to dos im­pos­tos que são co­bra­dos quan­to dos que são isen­ta­dos. Um du­plo ga­nho es­tra­nho.

Os tí­bi­os fre­quen­tam o pân­ta­no e se en­can­tam qu­an­do co­nhe­cem gran­des lí­de­res, aque­les que so­nham con­ci­li­ar os deu­ses e os di­a­bos na ter­ra do sal. Pen­du­lam e avan­çam pe­las som­bras. São con­cor­des e ra­ra­men­te dis­cor­des. A al­ma e a ver­ve não lhes fre­quen­tam.

Os si­bi­li­nos, nas épo­cas de bo­nan­ça, cur­vam-se tam­bém aos en­can­tos dos gran­des lí­de­res. Com os tí­bi­os, apres­sam-se em for­mar a “ba­se de apoio” dos go­ver­nos “aci­ma das clas­ses”, pa­ra além do bem e do mal.

Por ve­zes aban­do­nam o co­man­do di­re­to de su­as pro­pri­e­da­des e tor­nam-se can­di­da­tos por par­ti­dos de cen­tro, de di­rei­ta, tra­ba­lhis­tas e até “so­ci­a­lis­tas”. A des­fa­ça­tez se tor­na ge­ral. Tal qual um lam­pe­du­sa fa­bril, fi­nan­ci­al ou agro­pas­to­ril, tu­do va­le pa­ra na­da mu­dar e mui­to lu­crar.

Qu­an­do vem a cri­se, os tí­bi­os e os si­bi­li­nos se agu­çam e con­fa­bu­lam. Os pri­mei­ros sur­fam pe­las bor­das e bor­dam pe­las mar­gens. Jun­tos, eles ma­qui­nam mui­to, im­pul­si­o­na­dos por inú­me­ros ou­tros que an­tes fa­zi­am par­te da cor­te eclé­ti­ca que ba­ju­la­va os gran­des lí­de­res.

Os si­bi­li­nos vi­vem na du­bi­e­da­de en­tre sa­ques so­ci­ais e es­ta­tais, es­tes úl­ti­mos oriun­dos de tan­tas be­nes­ses de um Es­ta­do tão ge­ne­ro­so pa­ra os de ci­ma. Nem mais um im­pos­to, des­de que os seus im­pos­tos se man­te­nham pa­ra ga­ran­tir o cir­co, sem­pre às cus­tas do la­bor alheio.

Em nos­so zo­o­ló­gi­co po­lí­ti­co, além do or­ni­tor­rin­co cri­a­do pe­lo gran­de Chi­co de Oli­vei­ra, é em­ble­má­ti­ca a figura do pa­to. Tal­vez se­ja um ca­so ra­ro de pathos si­bi­li­nus.

Tí­bi­os e si­bi­li­nos par­ti­ci­pam de in­di­zí­veis ne­go­ci­a­ções, res­pal­da­dos pe­lo ato­lei­ro par­la­men­tar, pe­lo des­com­pas­so ins­ti­tu­ci­o­nal e pe­la cri­se ju­di­ci­al on­de o Su­pre­mo se ape­que­na. Tu­do im­pul­si­o­na­do pe­las ir­ri­ta­ções das cha­ma­das “clas- ses pro­pri­e­tá­ri­as” e das ca­ma­das mé­di­as con­ser­va­do­ras que fi­cam mui­to ame­dron­ta­das.

As­sim, che­ga-se ao to­po do po­der sem elei­ção, com go­ver­nos “ter­cei­ri­za­dos”, ei­va­dos de ile­gi­ti­mi­da­des e ca­ta­pul­ta­dos pa­ra efe­ti­var a de­mo­li­ção so­ci­al.

Com mãos de te­sou­ra, lé­pi­das e pu­lu­lan­tes, os tí­bi­os são sem­pre des­tros, afi­a­dos em seu la­do di­rei­to. Des­truir a Pre­vi­dên­cia pú­bli­ca, der­ro­gar a CLT, des­mi­lin­guir ain­da mais a edu­ca­ção e a saú­de dos po­bres, cor­tar o pe­cú­lio dos ve­lhi­nhos —es­ses são seus hob­bi­es pre­di­le­tos.

Já os si­bi­li­nos são am­bi­des­tros. Que­rem sem­pre a re­du­ção dos im­pos­tos pa­ra as fi­nan­ças, a in­dús­tria e o agro­ne­gó­cio e vi­vem a exi­gir con­ces­sões do Es­ta­do to­do pri­va­ti­za­do. E mi­li­tam diu­tur­na­men­te pe­lo des­mon­te ca­bal de to­do di­rei­to so­ci­al.

Os tí­bi­os gos­tam de pe­dir di­nhei­ro pa­ra os si­bi­li­nos ri­cos, em su­as cam­pa­nhas elei­to­rais. As­sim, mui­tos bur­lam e to­dos ga­nham. Ago­ra agem aber­ta­men­te pa­ra es­tan­car de vez a ação ju­di­ci­al. Fin­do o Car­na­val, es­tá em cur­so a Ope­ra­ção Ti­bi­li­nos. RI­CAR­DO AN­TU­NES

Em épo­ca de vo­lun­ta­ris­mo e sal­va­ci­o­nis­mo, soa co­mo mú­si­ca aos ou­vi­dos de­mo­cra­tas o ar­ti­go de Ro­dri­go Ja­not. Ao afir­mar que não ca­be à PGR ou ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co o pa­pel de “de­pu­rar a po­lí­ti­ca”, Ja­not re­a­fir­ma o que se su­põe ób­vio: a so­be­ra­nia pa­ra re­ver ca­mi­nhos ins­ti­tu­ci­o­nais é do po­vo, e não de seus fun­ci­o­ná­ri­os (“Ho­ra de mu­dar os ru­mos do Bra­sil”, Ten­dên­ci­as/De­ba­tes, 19/3).

RUBENS FI­GUEI­RE­DO

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral não in­ven­tou cri­mes, mas rein­ven­tou a tar­ja pre­ta, mui­to usada du­ran­te a di­ta­du­ra. Mui­to di­fí­cil acre­di­tar nas bo­as in­ten­ções do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co qu­an­do fi­ca cla­ro que os in­di­ci­a­dos são es­co­lhi­dos a de­do. Co­mo mu­dar os ru­mos do Bra­sil com um Ju­di­ciá­rio tão sus­pei­to?

AN­TO­NIO CAR­LOS PASSARELLA

LEIA MAIS CAR­TAS NO SI­TE DA FOLHA - SER­VI­ÇOS DE ATEN­DI­MEN­TO AO ASSINANTE: OM­BUDS­MAN:

Es­ta­do de São Pau­lo (São Pau­lo, SP)

PSC So­bre a re­por­ta­gem “Pops­tars, Bol­so­na­ro e Fe­li­ci­a­no es­tu­dam dei­xar le­gen­da cris­tã” (“Po­der”, 19/3), o Par­ti­do So­ci­al Cris­tão in­for­ma que o de­pu­ta­do fe­de­ral Mar­cos Fe­li­ci­a­no não es­tá dei­xan­do o par­ti­do, co­mo foi es­cla­re­ci­do à re­por­ta­gem. O PSC pas­sa por um in­ten­so pro­ces­so de for­ta­le­ci­men­to em to­do o Bra­sil e vai lan­çar can­di­da­tos em to­dos os Es­ta­dos do país em 2018.

GABRIELA ATHIAS,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.