O que fa­zer de­pois da lis­ta

Folha De S.Paulo - - Poder - CEL­SO RO­CHA DE BAR­ROS COLUNISTAS DA SE­MA­NA se­gun­da: Cel­so Ro­cha de Bar­ros, ter­ça: Ma­rio Ser­gio Con­ti, quar­ta: Elio Gas­pa­ri, quin­ta: Ja­nio de Frei­tas, sex­ta: Rei­nal­do Aze­ve­do, sá­ba­do: De­mé­trio Mag­no­li, do­min­go: Elio Gas­pa­ri e Ja­nio de Frei­tas

A ES­TA al­tu­ra, não se sa­be bem o que se­ria con­si­de­ra­do uma sur­pre­sa na lis­ta de Ja­not. A úni­ca dú­vi­da é se al­guém po­li­ti­ca­men­te re­le­van­te fi­ca­rá de fo­ra (Ma­ri­na Sil­va, tal­vez?). Os ou­tros que tal­vez co­me­mo­rem sua au­sên­cia, co­mo Bol­so­na­ro, não fo­ram com­pra­dos por­que as em­prei­tei­ras bus­ca­vam po­lí­ti­cos com­pe­ten­tes o su­fi­ci­en­te pa­ra par­ti­ci­par de dis­cus­sões e de­ci­sões im­por­tan­tes. Em 30 anos de car­rei­ra le­gis­la­ti­va, o má­xi­mo que Bol­so­na­ro pro­du­ziu em tro­ca de seu al­to sa­lá­rio de de­pu­ta­do fo­ram du­as ou três pi­a­das so­bre gays.

Os ou­tros gran­des qua­dros da po­lí­ti­ca brasileira devem apa­re­cer na lis­ta. Sim, é im­por­tan­te sa­ber o grau de en­vol­vi­men­to de ca­da um dos ci­ta­dos. Mas não se dei­xe en­ga­nar pe­la dis­cus­são so­bre cai­xa 1 e cai­xa 2: o di­nhei­ro po­de ter en­tra­do pe­las mais va­ri­a­das re­en­trân­ci­as, mas sua ori­gem é um car­tel de em­prei­tei­ras que rou­ba­va di­nhei­ro dos con­tri­buin­tes. O car­tel da­va di­nhei­ro pa­ra po­lí­ti­cos em tro­ca de to­le­rân­cia à sua ma­ni­pu­la­ção de pre­ços. To­das as do­a­ções fo­ram di­nhei­ro do cri­me.

Al­guns dos acu­sa­dos te­rão ne­go­ci­a­do es­sa tran­sa­ção pes­so­al­men­te, ou­tros o te­rão fei­to por meio de su­bor­di­na­dos. Ou­tros te­rão re­ce­bi­do di­nhei­ro por se­rem ali­a­dos ou cor­re­li­gi­o­ná­ri­os de al­guém im­por­tan­te que ven­deu um fa­vor. De­ve­ri­am ter per­gun­ta­do por que es­ta­vam re­ce­ben­do di­nhei­ro de em­pre­sas que fa­zi­am o gros­so de seus ne­gó­ci­os com o go­ver­no, mas não per­gun­ta­ram.

De qual­quer jei­to, fi­ca cla­ro que o sis­te­ma era es­se, e já fa­zia tem­po que era. Os es­que­mas vi­nham de dé­ca­das. Por­tan­to, a pri­mei­ra li­ção a ti­rar do epi­só­dio é: não, nun­ca hou­ve uma épo­ca em que tu­do fos­se mais ho­nes­to.

O que ha­via eram di­ta­du­ras, co­mo a que Bol­so­na­ro apoi­ou, que te­ri­am fu­zi­la­do Ser­gio Mo­ro e Del­tan Dal­lag­nol qu­an­do su­as in­ves­ti­ga­ções che­gas­sem no pri­mei­ro assessor de mi­nis­tro.

Em se­gun­do lu­gar, não é ra­zoá­vel su­por que to­dos es­ses po­lí­ti­cos se­jam gen­te pi­or que nós. Se to­dos acei­ta­ram di­nhei­ro do car­tel, é por­que de­via mes­mo ser mui­to di­fí­cil se ele­ger sem acei­tá-lo. Por­tan­to, en­quan­to a po­lí­cia e o Ju­di­ciá­rio cum­prem seu pa­pel, pre­ci­sa­mos pen­sar em for­mas de tor­nar nos­sas cam­pa­nhas mais ba­ra­tas. Se não mu­dar­mos essas re­gras, mes­mo que ele­ja­mos 500 Pe­pes Mu­ji­cas em 2018, em 2022 to­dos se­rão Edu­ar­dos Cu­nhas.

Em ter­cei­ro lu­gar, a La­va Ja­to é o iní­cio de uma tran­si­ção de um ti­po de ca­pi­ta­lis­mo em que a pro­xi­mi­da­de en­tre Es­ta­do e em­pre­sas se da­va por cap­tu­ra, pa­ra um ou­tro ti­po, que es­pe­ra­mos mais di­nâ­mi­co e trans­pa­ren­te. De­ve­mos dis­cu­tir com mais vi­gor quais se­rão as re­gras des­se no­vo ar­ran­jo, até pa­ra evi­tar a pos­si­bi­li­da­de de que a tran­si­ção se­ja in­ter­rom­pi­da.

O cus­to de com­ba­ter a cor­rup­ção nes­tes úl­ti­mos anos foi mui­to al­to: par­te de nos­sa cri­se atu­al se de­ve ao des­man­te­la­men­to de em­pre­sas que com­pra­vam de­pu­ta­dos e frau­da­vam li­ci­ta­ções, mas eram tam­bém res­pon­sá­veis por par­te im­por­tan­te do in­ves­ti­men­to na­ci­o­nal. Se con­se­guir­mos re­or­ga­ni­zar nos­sa eco­no­mia, ago­ra den­tro da lei, es­se PIB per­di­do nos úl­ti­mos anos se­rá re­cu­pe­ra­do rá­pi­do, se­rá pa­go vá­ri­as ve­zes. Mas se pa­rar­mos no meio do ca­mi­nho, ele te­rá si­do per­di­do por na­da.

Pre­ci­sa­mos re­pen­sar o mo­de­lo de ne­gó­ci­os bra­si­lei­ro e pre­ci­sa­mos de cam­pa­nhas mais ba­ra­tas. E, tal­vez, ago­ra que nin­guém po­de fin­gir que é mo­ral­men­te su­pe­ri­or ao ou­tro, con­si­ga­mos dis­cu­tir is­so co­mo adul­tos.

Não se dei­xe en­ga­nar pe­la dis­cus­são so­bre cai­xa 1 e cai­xa 2. To­das as do­a­ções fo­ram di­nhei­ro do cri­me

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.