Ro­tei­ro de even­tos de Bol­so­na­ro tem em­pre­sá­ri­os e apre­sen­ta­do­res de TV

Pré-can­di­da­to a pre­si­den­te bus­ca se mos­trar con­fiá­vel e su­a­vi­zar pon­tos de sua bi­o­gra­fia

Folha De S.Paulo - - Poder - CATIA SE­A­BRA FRE­DE­RI­CO VAS­CON­CE­LOS

Em SP, ele te­ve al­mo­ço com do­nos de em­pre­sas co­mo a Tec­ni­sa; even­tos ti­ve­ram pre­sen­ça de Xu­xa e Otá­vio Mes­qui­ta

Em­pre­sá­ri­os de São Pau­lo têm aber­to por­tas pa­ra Jair Bol­so­na­ro (PSC), 61, pré-can­di­da­to Pre­si­dên­cia.

Em as­cen­são nas pes­qui­sas —mar­cou 9% no úl­ti­mo Da­ta­fo­lha—, o mi­li­tar re­for­ma­do tem par­ti­ci­pa­do de en­con­tros na ca­pi­tal pau­lis­ta, co­mo o jan­tar “the­re is ho­pe” (há es­pe­ran­ça), que, em 20 de fe­ve­rei­ro, te­ve par­ti­ci­pa­ção de “po­ten­ci­ais lí­de­res”. En­tre os pre­sen­tes, a apre­sen­ta­do­ra Xu­xa Me­neghel.

No mes­mo dia, Bol­so­na­ro ha­via al­mo­ça­do com 15 em­pre­sá­ri­os, num en­con­tro or­ga­ni­za­do pe­lo apre­sen­ta­dor de TV Otá­vio Mes­qui­ta.

À me­sa com po­ten­ci­ais do­a­do­res de cam­pa­nha, Bol­so­na­ro ten­tou, se­gun­do par­ti­ci­pan­tes, apa­gar qual­quer tra­ço de tru­cu­lên­cia, afir­man­do que é uma pes­soa “nor­mal”, ape­sar da dis­ci­pli­na mi­li­tar.

Ain­da se­gun­do os co­men­sais, Bol­so­na­ro ne­gou ser de­fen­sor da prá­ti­ca de tor­tu­ra. O de­pu­ta­do tam­bém dei­xou cla­ro que sua even­tu­al can­di­da­tu­ra de­pen­de de su­por­te fi­nan­cei­ro.

Fun­da­dor da cons­tru­to­ra Tec­ni­sa, o em­pre­sá­rio Meyer Ni­gri foi um dos que par­ti­ci- pa­ram. Se­gun­do Ni­gri, o de­pu­ta­do de­mons­tra “co­ra­gem pa­ra trans­for­mar o Bra­sil”.

Ni­gri fri­sa que sua pre­sen­ça à me­sa não re­pre­sen­ta ma­ni­fes­ta­ção de vo­to. Mas ad­mi­te que o no­me de Bol­so­na­ro sur­ge co­mo uma das al­ter­na­ti­vas à es­quer­da no país.

Ele re­co­nhe­ce que os rom­pan­tes de Bol­so­na­ro atra­pa­lham. “Ele tem bom con­teú­do. Mas não gos­to da for­ma.”

Otá­vio Mes­qui­ta con­ta que su­ge­riu a re­a­li­za­ção do al­mo­ço nu­ma tro­ca de men­sa­gens com par­ti­ci­pan­tes de um gru- po de WhatsApp cha­ma­do “ami­gos do vi­nho”. Se­gun­do ele, em­pre­sá­ri­os ti­nham cu­ri­o­si­da­de so­bre Bol­so­na­ro.

Afir­man­do ter boa re­la­ção com Bol­so­na­ro des­de uma en­tre­vis­ta em sua pró­pria ca­sa, o apre­sen­ta­dor diz que pre­ten­de re­a­li­zar no­vos en­con­tros a pe­di­do dos em­pre­sá­ri­os que não pu­de­ram par­ti­ci­par do even­to.

So­bre os ar­rou­bos de Bol­so­na­ro, Mes­qui­ta afir­ma dis­cor­dar de 30% das ma­ni­fes­ta­ções do de­pu­ta­do. Ele afir­ma ain­da que es­ses pon­tos mais po­lê­mi­cos po­dem ser re­ver­ti­dos.

“É pos­sí­vel re­ver­ter 20% des­ses 30% do que não con­cor­do em Bol­so­na­ro. Ago­ra, não con­si­go re­ver­ter 70% que exis­tem na­que­la cam­ba­da de cor­rup­tos”, jus­ti­fi­cou.

O apre­sen­ta­dor tem da­do con­se­lhos a Bol­so­na­ro, as­sim co­mo um gru­po de em­pre­sá­ri­os que pre­fe­re não se identificar. Mes­qui­ta diz ter re­cla­ma­do, por exem­plo, da en­tre­vis­ta que Bol­so­na­ro con­ce­deu à Folha. Ne­la, o de­pu­ta­do de­fen­deu uso da for­ça pa- ra ob­ten­ção de in­for­ma­ções.

“Ele sa­be que não po­de er­rar. Se não, quem vai tor­tu­rar ele sou eu”.

Ou­tro par­ti­ci­pan­te do al­mo­ço, o em­pre­sá­rio Jo­sé Car­los Se­men­za­to, da Mi­cro­lins, fran­quia de cur­sos pro­fis­si­o­na­li­zan­tes, dis­se que foi um “ba­te-papo de uma ho­ra e meia”, sen­do im­pos­sí­vel co­nhe­cer uma pes­soa.

So­bre Bol­so­na­ro, ele diz que “uma cu­ri­o­si­da­de pas­sa pe­lo em­pre­sa­ri­a­do”. Se­men­za­to afir­ma que pre­fe­re o es­ti­lo do pre­fei­to de São Pau­lo, João Do­ria, que, na sua opi­nião, não de­pen­de fi­nan­cei­ra­men­te da po­lí­ti­ca. JAN­TAR No jan­tar que te­ve a par­ti­ci­pa­ção de Xu­xa, Bol­so­na­ro era um dos 140 con­vi­da­dos do hos­pi­tal Ha­das­sah Bra­sil.

O en­con­tro, des­ti­na­do à apre­sen­ta­ção de tra­ta­men­tos de com­ba­te ao me­la­no­ma, acon­te­ceu em Hi­gi­e­nó­po­lis e con­tou com a pre­sen­ça tam­bém de em­pre­sá­ri­os.

A apre­sen­ta­do­ra não de­cla­ra apoio a ele.

Se­gun­do o pre­si­den­te do Ha­das­sah, Fa­bio Wajn­gar­ten, foi um even­to “apo­lí­ti­co”.

“Ano pas­sa­do es­ti­ve em Is­ra­el pa­ra co­nhe­cer o quão de­sen­vol­vi­do é aque­le po­vo “, dis­se o Bol­so­na­ro em en­tre­vis­ta ao pro­gra­ma de TV ju­dai­co Sha­lom Bra­sil.

O jan­tar acon­te­ceu di­as an­tes da po­lê­mi­ca pro­vo­ca­da pe­lo con­vi­te fei­to ao de­pu­ta­do pa­ra uma pa­les­tra no Clu­be He­brai­ca, de­pois can­ce­la­da.

DE SÃO PAU­LO

O Con­se­lho da Jus­ti­ça Fe­de­ral (CJF) ar­qui­vou re­cla­ma­ção disciplinar re­que­ri­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral contra Ro­ber­to Luiz Ri­bei­ro Had­dad, ex-pre­si­den­te do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 3ª Re­gião, com se­de em São Pau­lo. A de­ci­são foi unâ­ni­me.

Had­dad apre­sen­tou à Re­cei­ta Fe­de­ral, em 2001, uma de­cla­ra­ção re­ti­fi­ca­do­ra de im­pos­to de ren­da con­ten­do ca­rim­bo fal­so. O fa­to le­vou o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça a abrir uma ação pe­nal e a afas­tá-lo do car­go, em 2003.

O juiz re­tor­nou ao car­go em 2007, do qual se apo­sen­tou em 2013.

O re­la­tor da re­cla­ma­ção, mi­nis­tro Mau­ro Camp­bell, do STJ, re­pe­tiu em seu vo­to os mo­ti­vos que le­va­ram o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral a ex­tin­guir a ação pe­nal contra Had­dad por cri­me de fal­si­da­de.

Camp­bell con­si­de­rou que hou­ve “per­da da re­le­vân­cia pe­nal” dos cri­mes de uso de do­cu­men­to fal­so e so­ne­ga­ção fis­cal. O MPF não ha­via com­pro­va­do a sus­pei­ta de en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to, e Had­dad pa­gou im­pos­to de­vi­do an­tes do re­ce­bi­men­to da de­nún­cia.

Had­dad ain­da res­pon­de a uma ação de im­pro­bi­da­de, que aguar­da há dez anos o jul­ga­men­to de um re­cur­so no STF pa­ra de­fi­nir em qual tri­bu­nal o pro­ces­so de­ve tra­mi­tar. A re­por­ta­gem não con­se­guiu lo­ca­li­zar o ma­gis­tra­do.

Ri­car­do Bor­ges/Fo­lha­press

O de­pu­ta­do fe­de­ral Jair Bol­so­na­ro (PSC-RJ), pré-can­di­da­to à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.