Cynthia Vi­te­ri, do Par­ti­do So­ci­al Cris­tão, que fi­cou em ter­cei­ro lu­gar, com 16,17%.

Folha De S.Paulo - - Mundo - SYL­VIA COLOMBO

DE BU­E­NOS AI­RES

A du­as se­ma­nas do se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al no Equa­dor, uma pes­qui­sa di­vul­ga­da nes­te sá­ba­do (18) pe­lo ins­ti­tu­to Ce­da­tos mos­tra que­da de dois pon­tos do can­di­da­to opo­si­ci­o­nis­ta, Guil­ler­mo Las­so, e um au­men­to na in­ten­ção de vo­to no go­ver­nis­ta, Le­nín Mo­re­no.

Os nú­me­ros ago­ra apon­tam pa­ra um em­pa­te téc­ni­co, no qual Las­so li­de­ra com li­gei­ra van­ta­gem, 50,8% contra 49,2%, de Mo­re­no.

O can­di­da­to da Ali­an­ça País, par­ti­do do pre­si­den­te Ra­fa­el Cor­rea, ha­via ga­nho o pri­mei­ro tur­no, no úl­ti­mo dia 19 de fe­ve­rei­ro, com 39,3% contra 28% de Las­so.

Po­rém, du­ran­te a cam­pa­nha des­te se­gun­do tur­no, o opo­si­tor vi­rou o jo­go a seu fa­vor, con­quis­tan­do elei­to­res dos seis can­di­da­tos que fi­ca­ram de fo­ra da dis­pu­ta. Tan­to que a pes­qui­sa an­te­ri­or a es­ta, de fi­nal de fe­ve­rei­ro, já mos­tra­va-o mais con­for­ta­vel­men­te adi­an­te, com 52%, contra 47% de Mo­re­no.

Ago­ra, o go­ver­nis­ta pa­re­ce ter ga­nho fô­le­go, en­quan­to o opo­si­tor de­bi­li­tou-se.

As úl­ti­mas se­ma­nas mos­tra­ram uma mai­or po­la­ri­za­ção da cam­pa­nha.

Por um la­do, Mo­re­no re­for­çou que seu go­ver­no se­gui­rá com o al­to gas­to do Es­ta­do com be­ne­fí­ci­os so­ci­ais, in­clu­si­ve pro­me­ten­do a am­pli­a­ção de pro­gra­mas nas áre­as ru­rais —mais in­ves­ti­men­to em edu­ca­ção e au­men­to das apo­sen­ta­do­ri­as pa­ra tra­ba­lha­do­res do cam­po.

Nas zo­nas de gran­de pre­sen­ça indígena, Cor­rea vi­nha per­den­do po­pu­la­ri­da­de por con­ta da en­tre­ga de li­cen­ças pa­ra ex­plo­ra­ção de mi­nas a em­pre­sas es­tran­gei­ras. AJUS­TES Por seu la­do, Las­so vem re­for­çan­do a ideia de cor­tar im­pos­tos, fa­zer ajus­tes no gas­to pú­bli­co e con­vo­car uma as­sem­bleia pa­ra de­se­nhar uma no­va Cons­ti­tui­ção.

Se­gun­do ele, a atu­al, pro­mul­ga­da du­ran­te a ges­tão de Ra­fa­el Cor­rea, deu de­ma­si­a­do po­der ao Exe­cu­ti­vo e cau­sou da­nos à ins­ti­tu­ci­o­na­li­da­de do Equa­dor.

Tam­bém re­for­çou que re­vi­sa­rá a Lei de Co­mu­ni­ca­ção e di­mi­nui­rá a pres­são que Cor­rea exer­ce contra a im­pren­sa, pro­ces­san­do jor­nais e jor­na­lis­tas, le­van­do al­guns a in­clu­si­ve pe­dir asi­lo po­lí­ti­co em ou­tros paí­ses.

Com is­so, Las­so vem ga­nhan­do uma co­ber­tu­ra mais fa­vo­rá­vel à sua can­di­da­tu­ra por par­te dos gran­des meios de co­mu­ni­ca­ção.

Por sua vez, Cor­rea tem re­ba­ti­do di­zen­do que es­tes fa­zem uma “cam­pa­nha su­ja” contra ele e seu can­di­da­to. APA­RI­ÇÕES Ou­tro fa­tor que po­de ter pe­sa­do na ba­lan­ça é, jus­ta­men­te, um mai­or com­pro­me­ti­men­to do pró­prio Cor­rea na cam­pa­nha elei­to­ral.

No pri­mei­ro tur­no, seu apoio a Mo­re­no foi dis­cre­to. Em su­as de­cla­ra­ções, da­va co­mo cer­ta a vi­tó­ria do her­dei­ro po­lí­ti­co num pri­mei­ro tur­no e anun­ci­a­va um lon­go pe­río­do sa­bá­ti­co na Eu­ro­pa, de on­de é sua mu­lher e on­de vi­vem dois de seus três fi­lhos.

Mas des­de que Mo­re­no não con­se­guiu ven­cer no pri­mei­ro tur­no —ele pre­ci­sa­va ter atin­gi­do 40% e uma di­fe- ren­ça de 10 pon­tos em re­la­ção a Las­so—, o pre­si­den­te mu­dou de po­si­ção. Tem se en­vol­vi­do mais na cam­pa­nha e, em seus dis­cur­sos, ca­rac­te­ri­za Las­so co­mo “o can­di­da­to do ajus­te”.

Nas pri­mei­ras se­ma­nas, Las­so te­ve êxi­to em cha­mar pa­ra si elei­to­res dos can­di­da­tos der­ro­ta­dos, prin­ci­pal­men­te os da tam­bém di­rei­tis­ta INDECISOS Ago­ra, po­rém, o ban­quei­ro, que já ten­tou ser pre­si­den­te na elei­ção pas­sa­da, em 2013, en­con­tra di­fi­cul­da­des em avan­çar so­bre o nú­me­ro de elei­to­res indecisos.

Se­gun­do a pes­qui­sa do ins­ti­tu­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.