Me­ta do BNDES é ir de R$ 4 bi pa­ra R$ 10 bi de de­bên­tu­res em 2 anos

Folha De S.Paulo - - Folhainvest Cristina.frias1@grupofolha.com.br -

“A me­ta do BNDES é pas­sar de R$ 4 bi­lhões pa­ra R$ 10 bi­lhões o vo­lu­me de de­bên­tu­res (tí­tu­los de cré­di­to cor­po­ra­ti­vos e de pro­je­tos de in­fra­es­tru­tu­ra) no pra­zo de dois anos”, diz Eli­a­ne Lus­to­sa, di­re­to­ra da área de mer­ca­do de capitais do ban­co.

“Es­ta­mos avan­çan­do na es­tru­tu­ra­ção de de­bên­tu­res nas no­vas con­ces­sões e em fun­dos de in­fra­es­tru­tu­ra. Es­ses pa­peis es­tão na car­tei­ra do ban­co, e ago­ra va­mos co­lo­car no mer­ca­do.”

Ho­je, o ban­co de tem em seu port­fó­lio cer­ca de R$ 2 bi­lhões de de­bên­tu­res de in­fra­es­tru­tu­ra, se­gun­do Lus­to­sa.

Ou­tra de­ci­são da ges­tão da pre­si­den­te Ma­ria Síl­via Bastos Mar­ques é que ne­nhum di­re­tor do ban­co par­ti­ci­pa mais de con­se­lhos das com­pa­nhi­as da car­tei­ra do BNDESPar (sub­si­diá­ria de par­ti­ci­pa­ções so­ci­e­tá­ri­as).

Ain­da há al­guns re­pre­sen­tan­tes em em­pre­sas, mas o ban­co bus­ca não ter mais fun­ci­o­ná­ri­os seus nos con­se­lhos.

“O BNDES é um im­por­tan­te cre­dor, fi­nan­ci­a­dor, o que cria con­fli­to de in­te­res­se.”

Ao anun­ci­ar re­cen­te­men­te que vai re­du­zir a con­ces­são de TJLP (ta­xa de ju­ros de lon­go pra­zo, ho­je em 7,5% ao ano), o BNDES abriu es­pa­ço pa­ra o mer­ca­do, que o BNDESPar po­de­rá ocu­par com de­bên­tu­res de in­fra­es­tru­tu­ra.

“O ban­co po­de­rá fi­car com o mes­mo per­cen­tu­al de dí­vi­da, mas pa­ra nós faz mui­ta di­fe­ren­ça a for­ma com que in­ves­ti­mos. A di­fe­ren­ça é que po­de­mos ofe­re­cer pa­péis no mer­ca­do, bons pro­je­tos, cri­ar de­man­da, com rating adePe­lo

O BNDES es­tá fa­zen­do uma re­vo­lu­ção nos pro­ces­sos. Qu­an­do o ban­co fa­zia so­zi­nho, ti­nha mais con­for­to quan­to ao que pe­dia de cláu­su­las. Ago­ra, tem de com­par­ti­lhar no PPI

qua­do e me­lho­res ga­ran­ti­as.”

Na área de con­ces­sões, o BNDES es­tá fa­zen­do “uma re­vo­lu­ção nos pro­ces­sos, re­qui­si­tos, de re­vi­são do mo­do de ope­rar”, diz.

“Qu­an­do o ban­co fa­zia so­zi­nho, ti­nha mais con­for­to quan­to ao que pe­dia de fi­an­ças, cláu­su­las con­tra­tu­ais. Ago­ra, tem de com­par­ti­lhar no PPI [Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as e In­ves­ti­men­tos] com ou­tros par­ti­ci­pan­tes, ban­cos pú­bli­cos e co­mer­ci­ais.” BNDESPAR So­bre de­sin­ves­ti­men­to em em­pre­sas das quais par­ti­ci­pa, Lus­to­sa não adi­an­tou de­ta­lhes do que po­de­rá mu­dar.

“Es­ta­mos de­fi­nin­do quais são os atri­bu­tos pa­ra en­trar em um pro­je­to: tem de ge­rar be­ne­fí­cio pa­ra a so­ci­e­da­de, me­lho­rar o mer­ca­do de capitais, apoi­ar pro­je­tos de in­fra­es­tru­tu­ra. Ana­li­sa­mos o va­lor jus­to e a li­qui­dez da com­pa­nhia”, afir­ma.

“A even­tu­al saí­da é qu­an-

Além de um fun­do de ener­gia sus­ten­tá­vel de R$ 500 mi­lhões (leia tex­to ao la­do), o BNDES es­tu­da ain­da com o Ban­co Mun­di­al uma li­nha de US$ 500 mi­lhões pa­ra apli­car em pro­je­tos de de­bên­tu­res de in­fra­es­tru­tu­ra tam­bém, mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te de ener­gia re­no­vá­vel.

“Es­ta­mos es­tru­tu­ran­do de for­ma a ter um rating com­pa­rá­vel às NTNBs. O fo­co são os fun­dos de pen­são, que ho­je es­tão co­lo­can­do tu­do nes­ses tí­tu­los do Te­sou­ro Na­ci­o­nal pa­ra fa­zer o ca­sa­men­to de ati­vo e pas­si­vo por­que são de lon­go pra­zo.”

Ri­car­do Bor­ges/Fo­lha­press

Eli­a­ne Lus­to­sa, di­re­to­ra da área de mer­ca­do de capitais do ban­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.