Bra­sil precisa en­ten­der a Chi­na atu­al

Folha De S.Paulo - - Folhainvest Cristina.frias1@grupofolha.com.br - RO­NAL­DO LE­MOS

SE TEM uma coi­sa que quem tra­ba­lha com po­lí­ti­ca pú­bli­ca no Bra­sil precisa fa­zer é pa­rar de se in­for­mar so­bre a Chi­na a par­tir da pers­pec­ti­va da im­pren­sa nor­te-ame­ri­ca­na. O úni­co jei­to de en­ten­der o país é ven­do de per­to co­mo ele fun­ci­o­na. Em ou­tras pa­la­vras, é pre­ci­so “guan­xi”, ter­mo que in­di­ca o cos­tu­me chi­nês de só con­fi­ar em uma pes­soa de­pois de ter ti­do um en­con­tro pessoal com ela.

A Chi­na es­tá dei­xan­do de ser o “chão de fá­bri­ca” do pla­ne­ta pa­ra se tor­nar um país ge­ra­dor de de­sign e pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al. Há uma for­te re­o­ri­en­ta­ção em bus­ca de ino­va­ção ocor­ren­do.

O país já ocu­pa o se­gun­do lu­gar no nú­me­ro de pa­ten­tes re­gis­tra­das, fi­can­do atrás ape­nas dos EUA. Em na­no­tec­no­lo­gia, a Chi­na já es­tá no pri­mei­ro. Em pa­ten­tes de ro­bó­ti­ca, es­tá em se­gun­do, só atrás do Ja­pão.

A Chi­na se tor­nou o país do WeChat, apli­ca­ti­vo cri­a­do pe­la em­pre­sa lo­cal Ten­cent. Ele é di­fí­cil de des­cre­ver. Fun­ci­o­na co­mo re­de so­ci­al, men­sa­gei­ro ele­trô­ni­co, app de trans­por­te ur­ba­no, de pa­que­ra e meio de pa­ga­men­to. É im­pres­si­o­nan­te ver que qua­se nin­guém usa mais di­nhei­ro ou car­tão. To­do pa­ga­men­to é fei­to por ce­lu­lar com o WeChat. In­clu­si­ve qu­an­do al­guém man­da di­nhei­ro pa­ra ou­tra pes­soa (o app se in­te­gra à con­ta ban­cá­ria di­re­ta­men­te).

Se o Bra­sil qui­ser ter uma po­lí­ti­ca ex­ter­na ca­paz de ala­van­car o de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal, um bom pas­so é ba­ter às por­tas da Chi­na pa­ra co­o­pe­rar em ci­ên­cia e tec­no­lo­gia. As Uni­ver­si­da­de de Pe­quim e Tsinghua am­bi­ci­o­nam ser a Har­vard e a Stan­ford chi­ne­sas. Os cam­pi es­tão cer­ca­dos de em­pre­sas de tec­no­lo­gia. O iCen­ter de Tsinghua fun­ci­o­na co­mo o la­bo­ra­tó­rio de no­vas téc­ni­cas de ma­nu­fa­tu­ra e es­tá aber­to a co­la­bo­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal. Lá é pos­sí­vel ver im­pres­so­ras 3D ca­pa­zes de im­pri­mir um car­ro de uma vez, su­per­com­pu­ta­do­res e pro­gra­ma­do­res es­pe­ci­a­li­za­dos em bit­coin e block­chain.

Já a Aca­de­mia Yen­chin da Uni­ver­si­da­de de Pe­quim tem sis­te­ma­ti­ca­men­te aco­lhi­do es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros in­te­res­sa­dos em cons­truir pon­tes com a Chi­na, tal co­mo a pau­lis­ta­na Lais Sa­chs. Ela e seis ou­tros aca­bam de cri­ar uma as­so­ci­a­ção dos es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros es­pa­lha­dos pe­la Chi­na. De­ve­ri­am ga­nhar uma me­da­lha da em­bai­xa­da brasileira.

Bra­sil e Chi­na fo­ram (e con­ti­nu­am sen­do) dois gran­des be­ne­fi­ciá­ri­os do sis­te­ma da OMC. Is­so em si já con­sis­te em um pon­to de co­o­pe­ra­ção en­tre os dois paí­ses, em es­pe­ci­al nes­te mo­men­to de cres­cen­te re­pro­vin­ci­a­li­za­ção do co­mér­cio.

Além dis­so, o Bra­sil tem a am­bi­ção de dei­xar de ser ape­nas um gi­gan­tes­co mer­ca­do con­su­mi­dor de tec­no­lo­gia pa­ra se tor­nar pro­du­tor. Pa­ra is­so, o pa­pel do Es­ta­do co­mo in­du­tor de ino­va­ção é es­sen­ci­al. Nes­se sen­ti­do, é im­por­tan­te a cons­tru­ção de um Pla­no Na­ci­o­nal de In­ter­net das Coi­sas (ini­ci­a­ti­va da qual, va­le di­zer, fa­ço par­te). Só nes­se se­tor já há gran­de es­pa­ço de co­o­pe­ra­ção.

Ne­nhum país se de­sen­vol­ve iso­la­da­men­te. Chi­na e Bra­sil eram eco­no­mi­as agrá­ri­as nos anos 1970. Só um de­les re­ver­teu es­se quadro. RO­NAL­DO LE­MOS

A Chi­na es­tá dei­xan­do de ser o ‘chão de fá­bri­ca’ pa­ra vi­rar um ge­ra­dor de de­sign e pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.