Hos­pi­tal tem falta de re­mé­di­os, di­zem ser­vi­do­res

Folha De S.Paulo - - Cotidiano -

DO RIO

O Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio Pe­dro Er­nes­to tem 41 es­pe­ci­a­li­da­des e é re­fe­rên­cia no Es­ta­do. Com ca­pa­ci­da­de pa­ra 512 lei­tos, tra­ba­lha ho­je com 188. Em de­zem­bro, eram 70, de­vi­do à falta de pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os.

A len­ta re­to­ma­da de aten­di­men­tos se de­ve ao fa­to de que seus ser­vi­do­res es­tão re­ce­ben­do em con­di­ções um pou­co me­lho­res que os apo­sen­ta­dos e de­mais ser­vi­do­res da Uerj. Por via ju­di­ci­al, o Es­ta­do foi obri­ga­do a pa­gar es­ses ser­vi­do­res den­tro do mês. Is­so por­que seus sa­lá­ri­os vêm do Fun­do Es­ta­du­al de Saú­de, e não da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, co­mo os dos ser­vi­do­res da Uerj.

Téc­ni­cos de en­fer­ma­gem de­nun­ci­am, po­rém, falta de ma­te­ri­ais bá­si­cos e me­di­ca­men­tos. “Não te­mos in­su­mos bá­si­cos. Falta es­pa­ra­dra­po, agu­lhas e me­di­ca­men­tos co­mo an­ti­bió­ti­cos. Par­ti­ci­pei de uma ci­rur­gia on­tem, um pa­ci­en­te te­ve o rim re­ti­ra­do e não ha­via es­pa­ra­dra­pos in­tei­ros”, diz Ká­tia Re­gi­na, 53.

O di­re­tor, Ed­mar dos San­tos, ne­ga que ha­ja falta de ma­te­ri­ais, mas re­co­nhe­ce que exis­tem pro­ble­mas com me­di­ca­men­tos. (LF E MAC) no Bra­sil. Os gas­tos pú­bli­cos no fu­tu­ro se­rão mai­o­res por­que a pes­qui­sa con­tri­bui pa­ra pre­ve­nir pro­ble­mas e ge­ra re­cur­sos com de­sen­vol­vi­men­to de tec­no­lo­gi­as”, diz Mou­ra.

Carla Bor­ges, 21, es­tu­dan­te de edu­ca­ção fí­si­ca, es­tá sem re­ce­be­ra­bol­sa­dei­ni­ci­a­ção­ci­en­tí­fi­ca, mas não po­de bus­car tra­ba­lho fo­ra da uni­ver­si­da­de sem se des­vin­cu­lar de­la. Por cau­sa do atra­so no iní­cio das au­las, não po­de­rá fa­zer mes­tra­do fo­ra do país, pa­ra o qual já ha­via pas­sa­do.

“Es­tou de­so­la­da, com os pla­nos pa­ra o fu­tu­ro con­ge­la­dos e sem di­nhei­ro”, diz. SA­LÁ­RI­OS ATRA­SA­DOS Co­mo os de­mais ser­vi­do­res do Es­ta­do, pro­fes­so­res e téc­ni­cos da Uerj vêm re­ce­ben­do seus sa­lá­ri­os par­ce­la­dos e com atra­so. A quin­ta e úl­ti­ma par­ce­la do pa­ga­men­to de ja­nei­ro foi de­po­si­ta­da na sex­ta (17).Nãohá­pre­vi­são­de­quan­do cai­rão os sa­lá­ri­os de fe­ve­rei­ro e de mar­ço des­te ano, tam­pou­co o 13º de 2016.

O atra­so no ca­len­dá­rio da Uerj co­me­çou após uma gre­ve de mar­ço a ju­lho de 2016, em bus­ca de re­a­jus­tes de sa­lá­ri­os e bol­sas e da nor­ma­li­za­ção dos re­pas­ses do go­ver­no.

Os gre­vis­tas e o go­ver­no che­ga­ram a um acor­do que deu fim à pa­ra­li­sa­ção: ha­ve­ria re­for­mu­la­ção do pla­no de car­rei­ra, au­men­to da bol­sa de R$ 400 pa­ra R$ 450 (a par­tir de ja­nei­ro de 2017), re­pas­se de R$ 13 mi­lhões emer­gen­ci­ais e de mais cin­co par­ce­las men­sais de R$ 10 mi­lhões.

Só o re­pas­se emer­gen­ci­al foi cum­pri­do. “Com o re­pas­se, ter­mi­na­mos as au­las do pri­mei­ro se­mes­tre, mes­mo sem con­di­ções. Nes­te ano, os pro­ble­mas vol­ta­ram e pi­o­res. Sem se­gu­ran­ça, sem lim­pe­za, com o ban­de­jão fe­cha­do, nós sem sa­lá­rio e os es­tu­dan­tes sem bol­sa”, diz Lia Ro­cha, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Do­cen­tes da Uerj. Os do­cen­tes es­tão em gre­ve des­de o fim da úl­ti­ma pa­ra­li­sa­ção.

Em ja­nei­ro, a rei­to­ria de­ci­diu sus­pen­der o rei­ní­cio do se­gun­do se­mes­tre de 2016 por falta de con­di­ções bá­si­cas.

A Uerj ago­ra ne­go­cia re­to­mar os ser­vi­ços de lim­pe­za e ele­va­dor, e es­pe­ra po­der co­me­çar as au­las no dia 27. Tam­bém pre­ten­de en­trar na Jus­ti­ça contra o go­ver­no pa­ra ob­ter o re­pas­se de ver­bas. OU­TRO LA­DO O go­ver­no do Es­ta­do do Rio diz que tem se es­for­ça­do pa­ra bus­car so­lu­ções pa­ra o que des­cre­ve co­mo “quadro de gra­ves di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das pe­la ins­ti­tui­ção”. Si­nal dis­so, diz, é que 76% do or­ça­men­to to­tal da Uerj fo­ram re­pas­sa­dos em 2016.

“Os re­pas­ses não ocor­re­ram na sua to­ta­li­da­de de­vi­do à cri­se nas fi­nan­ças es­ta­du­ais, pro­vo­ca­da pe­la sig­ni­fi­ca­ti­va que­da na re­cei­ta de tri­bu­tos em con­sequên­cia da de­pres­são econô­mi­ca do país, pe­lo re­cuo na ar­re­ca­da­ção de royal­ti­es e a re­du­ção dos in­ves­ti­men­tos da Pe­tro­bras.”

A Se­cre­ta­ria de Fa­zen­da ne­ga que não te­nha fei­to re­pas­ses em 2017, rei­te­ra que pa­gou os sa­lá­ri­os de ja­nei­ro, e diz que se es­for­ça pa­ra qui­tar os de fe­ve­rei­ro.

Diz ain­da que “os pro­fes­so­res­têm­si­do­va­lo­ri­za­dos­pe­lo go­ver­no es­ta­du­al”. “Des­de o iní­cio de 2010, hou­ve au­men­tos de sa­lá­ri­os pa­ra os pro­fes­so­res da ins­ti­tui­ção que va­ri­a­ram en­tre 43,7%, no ca­so dos pro­fes­so­res ad­jun­tos, a 73,3%, pa­ra pro­fes­so­res as­so­ci­a­dos. O nú­me­ro de bol­sas pa­gas a alu­nos de gra­du­a­ção su­biu de 2.004, em 2007, pa­ra mais de 8.500.”

So­bre a Fa­perj, diz que re­pas­sou a mai­or par­te dos re­cur­sos pa­ra 2015 e 2016 —R$ 445,9 mi­lhões em 2015 e R$ 330,8 mi­lhões em 2016.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.