Es­tu­do des­ven­da por que as tar­ta­ru­gas re­tra­em a cabeça

Fós­seis su­ge­rem que com­por­ta­men­to sur­giu pa­ra dar bo­tes mais po­de­ro­sos

Folha De S.Paulo - - Ciência+saúde - REI­NAL­DO JO­SÉ LOPES

Uso de­fen­si­vo do pes­co­ço ‘en­co­lhí­vel’ foi mo­di­fi­ca­ção dos há­bi­tos pre­da­tó­ri­os ori­gi­nais, afir­mam pa­le­on­tó­lo­gos FOLHA

O plá­ci­do há­bi­to de es­con­der a cabeça den­tro do cas­co, tí­pi­co de mui­tas das tar­ta­ru­gas, tem uma his­tó­ria evo­lu­ti­va ma­qui­a­vé­li­ca, de acor­do com um no­vo es­tu­do.

Cer­tos fós­seis su­ge­rem que o com­por­ta­men­to des­ses bi­chos sur­giu não co­mo es­tra­té­gia pa­ra se pro­te­ger de pre­da­do­res, mas pa­ra dar bo­tes mais po­de­ro­sos em pre­sas in­cau­tas.

Na ver­da­de, o uso de­fen­si­vo do pes­co­ço “en­co­lhí­vel” das tar­ta­ru­gas foi ape­nas uma mo­di­fi­ca­ção pos­te­ri­or dos há­bi­tos pre­da­tó­ri­os ori­gi­nais dos bi­chos, ar­gu­men­ta o trio de pa­le­on­tó­lo­gos li­de­ra­do por Jé­rémy An­que­tin, do Mu­seu Ju­ras­si­ca, na Suí­ça.

Os re­sul­ta­dos fo­ram pu­bli­ca­dos re­cen­te­men­te na re­vis­ta es­pe­ci­a­li­za­da de aces­so li­vre “Sci­en­ti­fic Re­ports”.

A cha­ve pa­ra a ar­gu­men­ta­ção de An­que­tin e seus co­le­gas foi a aná­li­se das vér­te­bras do pes­co­ço da Platy­chelys obern­dor­fe­ri, uma tar­ta­ru­ga ex­tin­ta que vi­via on­de ho­je é a re­gião da Ba­vi­e­ra, na Ale­ma­nha, no fim do pe­río­do Ju­rás­si­co (há mais ou me­nos 150 mi­lhões de anos, por­tan­to). A es­pé­cie em si é co­nhe­ci­da des­de o sé­cu­lo 19, mas só ago­ra al­guns fós­seis de­la pu­de­ram ser exa­mi­na­dos com a de­vi­da cal­ma.

Ho­je em dia, exis­tem dois gran­des gru­pos de tar­ta­ru­gas, de­sig­na­dos com os no­mes la­ti­nos Pleu­ro­di­ra e Cryp­to­di­ra (ve­ja in­fo­grá­fi­co). Uma das prin­ci­pais di­fe­ren­ças en­tre os bi­chos tem jus­ta­men­te a ver com a ma­nei­ra co­mo eles en­co­lhem seus pes­co­ços.

As Pleu­ro­di­ra (ani­mais co­mo a tar­ta­ru­ga-da-amazô­nia, que têm há­bi­tos aquá­ti­cos) abri­gam a cabeça vi­ran­do o pes­co­ço de la­do, de mo­do que ele fi­ca em­bai­xo de uma es­pé­cie de aba do cas­co.

Já as Cryp­to­di­ra, en­tre as quais es­tão os nos­sos ja­bu­tis (que são ter­res­tres), do­bram o pes­co­ço no pla­no ver­ti­cal e o pu­xam di­re­ta­men­te pa­ra den­tro do cas­co. TU­DO NAS VÉR­TE­BRAS Pa­ra que ca­da um dos gran­des ti­pos de tar­ta­ru­gas me­xa seus pes­co­ços de seu mo­do pe­cu­li­ar, é pre­ci­so que exis­tam di­fe­ren­ças de “de­sign” nas vér­te­bras cer­vi­cais (as do pes­co­ço). As Pleu­ro­di­ra (de pes­co­ço “guar­da­do de la­do”) têm vér­te­bras es­trei­tas, en­quan­to as Cryp­to­di­ra (que en­fi­am o pes­co­ço den­tro do cas­co) pos­su­em vér­te­bras lar­gas, além de ou­tros de­ta­lhes anatô­mi­cos mais com­pli­ca­dos que tam­bém va­ri­am de uma pa­ra ou­tra.

Ocor­re que o fós­sil ale­mão, aP­laty­chelys obern­dor­fe­ri, em­bo­ra se­ja clas­si­fi­ca­da co­mo Pleu­ro­di­ra em ra­zão da mai­o­ria dos de­ta­lhes de sua ana­to­mia, ti­nha vér­te­bras que a le­va­ri­am a re­co­lher o pes­co­ço pe­lo mé­to­do das Cryp­to­di­ra — até cer­to pon­to.

Os de­ta­lhes de seus os­sos re­ve­lam que es­se re­co­lhi­men­to se­ria ape­nas par­ci­al, o que eli­mi­na a pos­si­bi­li­da­de de que ele ser­vis­se pa­ra pro­te­ger a cabeça do bi­cho — es­sa par­te cru­ci­al do cor­po con­ti­nu­a­ria pa­ra fo­ra de qual­quer jei­to.

Co­mo ex­pli­car o pa­ra­do­xo? Pa­ra os pa­le­on­tó­lo­gos, ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas do bi­cho ex­tin­to po­dem aju­dar nes­sa ta­re­fa. A ca­ra­pa­ça cu­ri­o­sa­men­te or­na­men­ta­da do ani­mal, bem co­mo su­as gar­ras po­de­ro­sas, fa­zem de­le qua­se um só­sia da te­mi­da ma­tá-ma­tá (Che­lus fim­bri­a­ta),

Tra­ta-se de ou­tra es­pé­cie amazô­ni­ca que é co­nhe­ci­da por fi­car à es­prei­ta no fun­do d’água, dis­far­çan­do-se de tron­co co­ber­to por ve­ge­ta­ção aquá­ti­ca. Qu­an­do um pei­xe dis­traí­do pas­sa por per­to, a ma­tá-ma­tá ra­pi­da­men­te es­ti­ca seu pes­co­ço e abre a bo­car­ra, cap­tu­ran­do a pre­sa por suc­ção.

A P. obern­dor­fe­ri te­ria caçado mais ou me­nos do mes­mo jei­to, pro­põem os pa­le­on­tó­lo­gos. “A re­tra­ção do pes­co­ço po­de­ria ter evo­luí­do gra­du­al­men­te, co­mo uma ma­nei­ra de per­mi­tir a pro­pul­são rá­pi­da da cabeça pa­ra a fren­te du­ran­te a cap­tu­ra de pre­sas de­bai­xo d’água”, es­cre­vem eles. ADAP­TA­ÇÃO SE­CUN­DÁ­RIA Exis­te um ter­mo es­pe­cí­fi­co pa­ra de­sig­nar es­se ti­po de “re­ci­cla­gem evo­lu­ti­va”: exap­ta­ção (al­go co­mo “adap­ta­ção se­cun­dá­ria”).

Tra­ta-se, na ver­da­de, de um pro­ces­so ex­tre­ma­men­te co­mum, já que a evo­lu­ção, ao con­trá­rio dos “de­sig­ners” hu­ma­nos, não po­de ser dar ao lu­xo de cri­ar um no­vo for­ma­to de or­ga­nis­mo do ze­ro, pois precisa sem­pre tra­ba­lhar com as ca­rac­te­rís­ti­cas le­ga­das a uma cri­a­tu­ra por seus an­ces­trais e ex­plo­rá-las do me­lhor jei­to pos­sí­vel.

É o ca­so das pe­nas das aves: mui­tas de­las são es­sen­ci­ais pa­ra o voo, mas ori­gi­nal­men­te elas eram ape­nas fi­la­men­tos e pe­nu­gens que aju­da­vam a man­ter o bi­cho aque­ci­do ou a cor­te­jar par­cei­ros. É co­mum ima­gi­nar que a ca­pa­ci­da­de que as tar­ta­ru­gas têm de re­trair o pes­co­ço evo­luiu co­mo pro­te­ção contra pre­da­do­res 2 No no­vo es­tu­do, po­rém, ci­en­tis­tas da Suí­ça ana­li­sa­ram um fós­sil de 150 mi­lhões de anos da tar­ta­ru­ga Platy­chelys obern­dor­fe­ri, uma Pleu­ro­di­ra pri­mi­ti­va. As vér­te­bras do pes­co­ço do bi­cho mos­tram que ele en­co­lhia o pes­co­ço pa­ra den­tro, e não pa­ra o la­do, mas de for­ma in­com­ple­ta 3 Co­mo es­sa re­tra­ção in­com­ple­ta não era su­fi­ci­en­te pa­ra "guar­dar" o pes­co­ço da cri­a­tu­ra, os pa­le­on­tó­lo­gos pro­põem que, na ver­da­de, ela ser­via pa­ra dar im­pul­so ao bo­te da tar­ta­ru­ga qu­an­do ela ata­ca­va su­as pre­sas 4

P. Rös­ch­li

Re­cons­tru­ção ar­tís­ti­ca da tar­ta­ru­ga es­tu­do ana­li­sou seu fós­sil de 150 mi­lhões de anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.