Ati­vis­tas cor­rem pa­ra sal­var da­dos ci­en­tí­fi­cos dos EUA

Cor­te na EPA (Agên­cia de Pro­te­ção Am­bi­en­tal) e ru­mos do go­ver­no Trump le­vam ci­en­tis­tas a se reu­nir pa­ra fa­zer ‘res­ga­te de da­dos’

Folha De S.Paulo - - Ciência+saúde -

Qu­an­do a pos­se do no­vo pre­si­den­te dos EUA es­ta­va se apro­xi­man­do, em ja­nei­ro, a sen­sa­ção en­tre al­guns ci­en­tis­tas que de­pen­dem de vas­tos oce­a­nos de da­dos ar­ma­ze­na­dos em ser­vi­do­res do go­ver­no era qua­se de pâ­ni­co.

Em um go­ver­no Trump que já ha­via dei­xa­do cla­ro o seu des­dém pe­las pro­vas de que a ati­vi­da­de hu­ma­na es­tá cau­san­do o aque­ci­men­to do pla­ne­ta, os pes­qui­sa­do­res te­mi­am uma am­pla cru­za­da contra as in­for­ma­ções ci­en­tí­fi­cas for­ne­ci­das ao pú­bli­co.

O anún­cio de cor­tes no or­ça­men­to da Agên­cia de Pro­te­ção Am­bi­en­tal (EPA) ali­men­tou te­mo­res re­no­va­dos de que ban­cos de da­dos in­tei­ros se­jam des­truí­dos, nem que ape­nas co­mo re­sul­ta­do de cor­tes de des­pe­sas.

“Pro­va­vel­men­te va­mos nos des­pe­dir de mui­tos da­dos ines­ti­má­veis ar­ma­ze­na­dos nos NCEI”, dis­se An­ne Jef­fer­son, pro­fes­so­ra de hi­dro­lo­gia aquá­ti­ca na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al Kent, em post no Twit­ter, usan­do a si­gla dos Cen­tros Na­ci­o­nais de In­for­ma­ção Am­bi­en­tal nor­te-ame­ri­ca­nos.

É ile­gal des­truir da­dos do go­ver­no, mas agên­ci­as po­dem di­fi­cul­tar o aces­so a eles ao re­vi­sar si­tes e cri­ar ou­tras bar­rei­ras pa­ra o uso das in­for­ma­ções bru­tas ar­ma­ze­na­das.

Já hou­ve al­gu­mas mu­dan­ças nos si­tes de agên­ci­as fe­de­rais de ci­ên­cia, se­gun­do a Ini­ci­a­ti­va de Go­ver­nan­ça e Da­dos Am­bi­en­tais, uma no­va or­ga­ni­za­ção de pes­qui­sa­do­res que mo­ni­to­ram o con­teú­do dos ban­cos de da­dos pú­bli­cos.

Grá­fi­cos no si­te do De­par­ta­men­to de Ener­gia que ilus­tra­vam a co­ne­xão en­tre a quei­ma de car­vão e as emis­sões de ga­ses-es­tu­fa tam­bém fo­ram re­mo­vi­dos.

Mi­lha­res de aca­dê­mi­cos, bi­bli­o­te­cá­ri­os, pro­gra­ma­do­res de software e ci­da­dãos in­te­res­sa­dos em cau­sas ci­en­tí­fi­cas se reu­ni­ram, nas úl­ti­mas se­ma­nas, em even­tos de “res­ga­te de da­dos” e a enor­mi­da­de da ta­re­fa de ex­trair da­dos go­ver­na­men­tais ho­je fa­cil­men­te aces­sí­veis se tor­nou apa­ren­te; o mes­mo se apli­ca à di­fi­cul­da­de de lo­ca­li­zar da­dos me­nos aces­sí­veis.

Al­guns ati­vis­tas pe­la cau­sa do aces­so aber­to a da­dos se re­fe­rem a “da­dos ocul­tos” —e eles não es­tão fa­lan­do so­bre in­for­ma­ções si­gi­lo­sas ou in­for­ma­ções que o go­ver­no só cos­tu­ma di­vul­gar se hou­ver uma so­li­ci­ta­ção de in­for­ma­ções es­pe­cí­fi­cas nos ter­mos da Lei de Li­ber­da­de de In­for­ma­ção.

“É co­mo a ma­té­ria es­cu­ra: sa­be­mos que ela de­ve es­tar lá, mas não sa­be­mos on­de en­con­trá-la pa­ra con­fir­mar”, dis­se Maxwell Og­den, di­re­tor da Co­de for Sci­en­ce and So­ci­ety, uma ONG que ini­ci­ou um pro­je­to de cri­a­ção de ar­qui­vos pa­ra os da­dos go­ver­na­men­tais usan­do os sis­te­mas da Uni­ver­si­da­de da Califórnia. PAU­LO MIGLIACCI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.