Fu­ra­cão no pal­co, Chuck Ber­ry foi o mai­or ído­lo do rock 'n' roll

Um dos pais do gê­ne­ro, mú­si­co in­se­ria tom de­sa­fi­a­dor em com­po­si­ções

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - THALES DE MENEZES

Chuck Ber­ry, mor­to no úl­ti­mo sá­ba­do (18) aos 90 anos, foi o mai­or ído­lo do rock and roll. Por­que ele foi o mai­or ído­lo de Keith Ri­chards, que é o rock and roll per­so­ni­fi­ca­do.

Ber­ry não era ape­nas bom. Ele era óti­mo, e foi óti­mo an­tes de to­do mun­do. Em 1956, o rock era a mú­si­ca da mo­da, e qua­se to­do mun­do acha­va que não pas­sa­ria dis­so, to­ca­da por bran­que­los com jei­tão de me­ni­nos fãs de pas­ta de amen­doim, co­mo Bill Ha­ley e El­vis Pres­ley.

Ber­ry era ne­gro E su­as can­ções in­cen­diá­ri­as fa­la­vam de pe­gar ga­ro­tas e bar­ba­ri­zar por aí, coi­sas que um ne­gro não de­ve­ria can­tar no rá­dio. E ele não fi­ca­va só nas can­ções, pe­ga­va ga­ro­tas e re­al­men­te bar­ba­ri­za­va mui­to. Ele não foi pa­ra a ca­deia ape­nas por ter ali­ci­a­do uma ga­ro­ta de 14 anos. Ele rap­tou uma me­ni­na de 14 anos apa­che, ti­ra­da de uma re­ser­va indígena!

Mui­ta trans­gres­são reu­ni­da, mas tal­vez se­ja uma boa ima­gem pa­ra re­pre­sen­tar o que foi Chuck Ber­ry na mú­si­ca. Ele pas­sou da con­ta, sem­pre. O rock era ace­le­ra­do? Sua mú­si­ca era mui­to rá­pi­da. O rock era ba­ru­lhen­to? Sua mú­si­ca era mui­to ba­ru­lhen­ta. FÚ­RIA Seus mai­o­res su­ces­sos fo­ram gra­va­dos num pe­río­do de pou­co mais de três anos, an­tes de 1959, qu­an­do os pro­ble­mas com a po­lí­cia pas­sa­ram a com­pro­me­ter sua fú­ria rock and roll. Nos anos 1960 e 1970, até gra­vou al­gu­mas coi­sas in­te­res­san­tes, mo­men­tos ra­ros que ain­da tra­zi­am al­gu­ma par­ce­la do bri­lho in­ten­so de seus pri­mei­ros tem­pos co­mo as­tro da mú­si­ca. De­pois, a car­rei­ra de­fi­nhou.

Mui­ta gen­te de­ve ter fi­ca­do sur­pre­sa com a no­tí­cia de sua mor­te. Não pe­la fa­ta­li­da­de, mas por pen­sar que ele já ti­nha mor­ri­do faz tem­po. Não dá pa­ra di­zer que Ber­ry não sou­be se adap­tar aos tem­pos que o se­gui­ram. O rock é que de­ve­ria ter se adap­ta­do a ele, afi­nal, é um dos pais do gê­ne­ro.

E não foi fá­cil exer­cer es­se pa­pel de pai. Tu­do era fá­cil EL­VIS PRES­LEY Além de ter gra­va­do di­ver­sas can­ções de Ber­ry, El­vis foi acu­sa­do de ter se apro­pri­a­do da mú­si­ca de ar­tis­tas ne­gros, tor­nan­do-a pa­la­tá­vel pa­ra um pú­bli­co bran­co

THE BE­A­TLES

Além de ter gra­va­do “Roll Over Be­etho­ven”, a mú­si­ca “Back in The U.S.S.R.” é uma re­fe­rên­cia a “Back in The USA”

THE ROL­LING STO­NES

Em sua con­ta no Twit­ter, a ban­da apon­tou Ber­ry co­mo uma in­fluên­cia. O gru­po gra­vou co­vers de “Co­me on” e “Ca­rol”, en­tre ou­tras pa­ra El­vis, Carl Per­kins, Jer­ry Lee Lewis e os ou­tros he­róis bran­cos da pri­mei­ra on­da do rock. Era bem di­fe­ren­te pa­ra Ber­ry e Lit­tle Ri­chard, am­bos ne­gros, o pri­mei­ro com tom de­sa­fi­a­dor nas le­tras, e o se­gun­do car­re­gan­do sua ho­mos­se­xu­a­li­da­de pa­ra o pal­co. Pa­ra eles, era pre­ci­so en­fren­tar o mun­do ca­re­ta em tro­ca de atrair al­guns pou­cos ga­ro­tos an­te­na­dos com aque­la mú­si­ca do di­a­bo. EX­CEP­CI­O­NAL Além de ser um fu­ra­cão no pal­co e es­cre­ver su­ces­sos que fa­zi­am os ga­ro­tos ra­cha­rem o as­so­a­lho nas fes­ti­nhas, Ber­ry tam­bém foi um gui­tar­ris­ta ex­cep­ci­o­nal, pro­va­vel­men­te o me­lhor to­ca­dor de gui­tar­ra do rock an­tes de Ji­mi Hen­drix. Be­a­tles e Rol­ling Sto­nes não exis­ti­ri­am sem Ber­ry. E bas­ta me­dir a in­fluên­cia des­sas du­as ban­das in­gle­sas na ju­ven­tu­de do mun­do pa­ra ten­tar co­me­çar a en­ten­der a im­por­tân­cia de Chuck Ber­ry.

Se sua mor­te dis­pa­rar uma bus­ca das no­vas ge­ra­ções por sua mú­si­ca, o rock vai agra­de­cer.

“Nós va­mos to­car to­dos os gran­des hits”, diz Andy Flet­cher, te­cla­dis­ta do De­pe­che Mo­de, que anun­cia a vin­da da ban­da ao Bra­sil du­ran­te a no­va tur­nê em 2018. Se­rá a pri­mei­ra vi­si­ta do gru­po des­de 1994, qu­an­do fi­ze­ram dois shows em São Pau­lo.

“É uma pe­na ter­mos per­di­do o show na úl­ti­ma tur­nê [em 2009], mas as cir­cuns­tân­ci­as não nos per­mi­ti­ram ir. Es­ta­mos du­pla­men­te de­ter­mi­na­dos a ir ago­ra por­que a re­a­ção do pú­bli­co na Amé­ri­ca do Sul é fa­bu­lo­sa. Nós va­mos to­car uma se­le­ção de mú­si­cas de to­da a nos­sa his­tó­ria.”

O no­vo ál­bum da ban­da, “Spi­rit”, foi lan­ça­do na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra (17) e é o 14º do gru­po. O que o di­fe­ren­cia dos ál­buns an­te­ri­o­res são su­as le­tras que fun­ci­o­nam co­mo res­pos­ta aos acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos re­cen­tes.

“Não so­mos uma ban­da po­lí­ti­ca, mas eu acho que o Mar­tin [Go­re] per­deu a pa­ci­ên­cia há al­guns anos com o que vem acon­te­cen­do e achou que de­ve­ría­mos di­zer al­go. Des­de que ele es­cre­veu as mú­si­cas, o Trump su­biu ao po­der, o Bre­xit acon­te­ceu, a Eu­ro­pa es­tá des­mo­ro­nan­do e o na­ci­o­na­lis­mo es­tá em al­ta, en­tão [o ál­bum] ago­ra tem mais sig­ni­fi­ca­do”, diz Flet­cher.

“Nós não es­pe­ra­mos que gran­des coi­sas acon­te­çam, só qu­e­re­mos que as pes­so­as pen­sem”, re­a­ge qu­an­do in­da­ga­do so­bre que ti­po de men­sa­gem ele gos­ta­ria de dei­xar pa­ra o pú­bli­co bra­si­lei­ro com “Spi­rit”.

Qu­an­do men­ci­o­na­do o re­cen­te co­men­tá­rio de Ri­chard Spen­cer —o na­ci­o­na­lis­ta ame­ri­ca­no que fi­cou fa­mo­so por le­var um so­co du­ran­te uma en­tre­vis­ta— so­bre o De­pe­che Mo­de ser a ban­da ofi­ci­al do mo­vi­men­to con­ser­va­dor ame­ri­ca­no que apoia a su­pre­ma­cia bran­ca, ele ri.

“Aqui­lo foi mui­to es­tra­nho. Acho que ele é um fã do De­pe­che Mo­de, mas qu­an­do dis­se que so­mos a ban­da lí­der do mo­vi­men­to, de­ve ter si­do uma pi­a­da de­le. Só que aca­bou sen­do bom pa­ra nós por­que nin­guém sa­bia que es­tá­va­mos pres­tes a lan­çar um ál­bum em res­pos­ta a pes­so­as co­mo ele. En­tão ti­ve­mos mui­ta publicidade. Es­tou con­ten­te por ter mais um fã.”

Flet­cher con­ta que “Spi­rit” foi gra­va­do em qua­se me­ta­de do tem­po que os dis­cos an­te­ri­o­res da ban­da gra­ças ao no­vo pro­du­tor Ja­mes Ford. “Ter­mi­na­mos bem mais rá­pi­do que os ál­buns an­te­ri­o­res. Fi­ze­mos es­te dis­co em três ses­sões e uma ses­são tem du­ra­ção de qua­tro ou cin­co se­ma­nas. Nor­mal­men­te de­mo­ra­mos cin­co ses­sões.”

Con­si­de­ra­do o gru­po ele­trô­ni­co mais po­pu­lar da his­tó­ria, o De­pe­che Mo­de in­flu­en­ci­ou ou­tras gran­des ban­das co­mo Ar­ca­de Fi­re, Ni­ne In­ch Nails e Pet Shop Boys. “Acho que so­mos o pri­mei­ro gru­po ele­trô­ni­co a ser no­mi­na­do pa­ra o ‘Rock And Roll Hall of Fa­me’. O mo­do co­mo fa­zía­mos mú­si­ca nos anos 1980 é o mo­do co­mo to­dos fa­zem mú­si­ca ago­ra”, re­lem­bra.

Mar­kus Nass/Te­le­kom/Divulgação

De­pe­che Mo­de du­ran­te show em Ber­lim na sex­ta-fei­ra (17)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.